Lixo em áreas de nidificação de tartarugas-marinhas no litoral de Ipojuca/PE: uma breve avaliação e ações educativas

Autores

  • Camila Tapavicsky Leandro Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Arley Cândido da Silva ECOASSOCIADOS
  • Ednilza Maranhão Santos ufrpe

DOI:

https://doi.org/10.37002/revistacepsul.vol10.846e2021004

Palavras-chave:

Conservação das Espécies Animais, Ecologia da Conservação,

Resumo

O presente trabalho teve como objetivo traçar um perfil do lixo encontrado nas praias de Merepe e Porto de Galinhas, litoral sul da cidade de Ipojuca, durante a temporada reprodutiva de tartarugas marinhas em 2016 (janeiro-abril). Foram feitas coletas mensais do lixo em 1,5 km de cada praia, sendo 18 coletas na praia de Merepe e cinco coletas na praia de Porto de Galinhas. Os resíduos encontrados nas áreas de desova de tartarugas foram triados, quantificados, categorizados, armazenados e utilizados em uma ação de sensibilização na comunidade de Porto de Galinhas. Um total de dez categorias e 27 subcategorias de resíduos fez parte da amostra, sendo “plástico” em maior quantidade. No geral o lixo das praias foi prioritariamente proveniente de descarte individual da população, como bitucas de cigarros, chinelos e sacolas. A ação de sensibilização visou alertar a população quanto aos impactos causados pelos resíduos sólidos antropogênicos às tartarugas na região litorânea de Merepe e Porto de Galinhas. A exposição “Lixo ao mar” aconteceu na sede da ONG Ecoassociados em Porto de Galinhas e no Colégio Assunção, localizado em Jaboatão dos Guararapes, Pernambuco. Cerca de 400 pessoas, entre crianças, adolescentes e adultos visitaram a exposição e puderam saber mais sobre as tartarugas marinhas, sobre lixo e seu descarte. A interação foi marcante nesse processo necessitando que essa ação se torne contínua em Porto de Galinhas.

Biografia do Autor

Camila Tapavicsky Leandro, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Laboratório Interdsiciplinar de Anfíbios e Répteis, Departamento de Biologia, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Arley Cândido da Silva, ECOASSOCIADOS

Presidente dsa Ecoassociados e parceiro do laboratório Interdisciplinar de Anfíbios e Répteis

Ednilza Maranhão Santos, ufrpe

Laboratório Interdisciplinar de Anfíbios e Répteis, Departamento de Biologia, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Referências

ARAÚJO, M. C. B & COSTA, M. F. 2003. Lixo no ambiente marinho. Ciência Hoje, 32: 64-67.

ARRUDA, M. F. A. 2015. Análise da Aplicação da Política Nacional de Resíduos Sólidos nos Municípios do Litoral Pernambucano pertencentes à Região Metropolitana do Recife. 81p. (Dissertação de Mestrado. Programa de Pós–Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente, UFPE).

AWABDI, D. R., SICILIANO, S. & DI BEREDITTO, A. P. M. 2013. Ingestão de resíduos sólidos por tartarugas-verdes juvenis, Chelonia mydas (L. 1758), na costa leste do estado do Rio de Janeiro, Brasil. Biotemas, 26: 197-200.

BARBOSA, H. S. 2013. Classificação do lixo presente em área de reprodução de tartarugas marinhas em praias do litoral da Paraíba, Brasil. Paraíba. 43p. (Monografia de Conclusão de Curso. Centro de Ciências Biológicas, UFPB).

BRASIL 1997. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF. 126p.

BRUNO, G. S & SANTOS, J. L. 2011. Análise qualitativa dos detritos acumulados na praia do Cuiúba, Guarujá, SP. Rev. Ceciliana. 3(2): 44-48, Disponível em <http://www.unisanta.br/revistaceciliana>. Acesso em: 20 mar 2018.

FERNANDO DE NORONHA. 2018. Decreto Distrital n° 002, de 12 de dezembro de 2018. Fernando de Noronha, PE. Dispõe sobre a proibição de entrada, comercialização e uso de recipientes e embalagens descartáveis de material plástico ou similares no Distrito Estadual de Fernando de Noronha. Disponível em: <http://www.noronha.pe.gov.br/instLegislacao.php?cat=3>. Acesso em 7 mar 2021.

GLOBAL GARBAGE. 2010. Avaliação da percepção sobre lixo marinho: ferramenta para a gestão do problema. Disponível em: <https://www.globalgarbage.org/>. Acesso em 12 mar 2021.

GRANZIERA M. L. & GONÇALVES A. 2012. Os problemas da zona costeira no Brasil e no mundo. Editora Universitária Leopoldianum. Santos, 316p.

IBGE, 2020. Estimativa da População - 2020. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/>. Acesso em 2 mar 2020

IPOJUCA. 2008. Plano Integrado de Resíduos Sólidos Urbanos do Município de Ipojuca – Região Metropolitana do Recife. Termo de Referência 01. Secretaria Estadual do Turismo. Disponível em: <http://www.todomundofazparte.pe.gov.br/images/media/IPOJUCA---LEI-1490-2008-plano-diretor-EMENTA-.pdf>. Acesso em 7 mar de 2021.

IPOJUCA. 2014. Mutirão realiza limpeza na orla de Porto de Galinhas. Disponível em: Acesso em: 10 nov 2016.

ICMBio - INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. 2017. Plano de Ação Nacional para a Conservação das Tartarugas Marinhas. Brasília.

IUCN. 2015. Red List of Threatened Species. Disponível em <http://www.iucnredlist.org>. Acesso em: 05 set 2015.

JACOBI, P. 2003. Educação Ambiental, Cidadania e Sustentabilidade. Cad. Pesq., 18: 189-205.

JACOBI, P. 2006. Educação Ambiental e o Desafio da Sustentabilidade Socioambiental. Mundo da Saúde. 30: 524-531.

LAIST, D. W. 1987. Overview of the biological effects of lost and discarded plastic debris in the marine environment. Mar. Pollut.Bull. 18: 319-326.

LAIST, D. W. 1997. Impacts of marine debris: Entanglement of marine life in marine debris including a comprehensive list of species with entanglement and ingestion records. In: COE, J. M. & ROGERS, D. B. (eds.) Marine Debris: Source, Impacts and Solutions. Spring Series on Environmental Management, Spring-Verlag: Press, New York, 99-139p.

LIMA C. S. 2006. Desenvolvimento Local e Turismo no Polo de Porto de Galinhas – PE. Brasília. 126p. (Dissertação de Mestrado. Arquitetura e Urbanismo, UNB).

MAILES NETO, A. 2019. Os canudos plásticos e suas políticas públicas de regulamentação nos países americanos. Rio de Janeiro. 93p. (Projeto de Graduação. Curso de Engenharia Ambiental da Escola Politécnica, UFRJ).

MASCARENHAS, R., BATISTA, C. P., MOURA, I. F., CALCADAS, A. R., COSTA NETO, J. M, VASCONCELOS, M. Q., ROSA, S. S. & BARROS, .V. S. D. 2008. Lixo marinho em áreas de reprodução de tartarugas marinhas no Estado da Paraíba (Nordeste do Brasil). Rev. Gest. Cost. Integ. 8:221-231.

MENDONÇA, R. 2007. Educação Ambiental Vivencial. In: FERRARO JÚNIOR, L. A. (org.). Encontros e Caminhos: Formação de Educadores Ambientais e Coletivos Educadores. Brasília: MMA, Dir. Edu. Ambie.. 2: 116-129.

ME - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. 2001. Parâmetros Curriculares Nacionais: Terceiro e Quarto Ciclos do Ensino Fundamental/ Secretaria de Educação Fundamental – Brasília / SJC: MEC/ SEF/ Univap. 3: 274-279.

MOURA, C. C. M, GUIMARÃES, E. S., MOURA, G. J. B., AMARAL, G. J. A. & SILVA, A. C. 2012 Distribuição espaço-temporal e sucesso reprodutivo de Eretmochely imbricata nas praias do Ipojuca, Pernambuco, Brasil. Iheringia, Sér. Zool. 102:254-260.

ONU. 2008. Status of the United Nations Convention on the Law of the Sea, em 16 de julho de 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2008.

ORLANDI N., ARANTES V. & BARRELLA, W. 2015. Os resíduos sólidos encontrados na praia de Santos – SP. Unis. BioScience. 4: 83-89.

ORMEDILLA, A. C., PEREIRA, T. B., MONTEIRO, M. Z. & MARANHO, A. 2014. Análise dos resíduos antrópicos encontrados no trato digestivo de tartarugas marinhas verdes (Chelonia mydas). Unis. BioScience 3: 83- 89.

PERNAMBUCO. 2018. Secretaria das Cidades. Plano de resíduos sólidos: Região de Desenvolvimento Metropolitana de Pernambuco – RDM/PE / Secretaria das Cidades. – 2. ed. – Recife: Caruso Jr., 108 p. : il.

PIANOWSKI, F. 1997. Resíduos sólidos e esférulas plásticas nas praias do Rio Grande do Sul – Brasil. Rio Grande do Sul. 76p. (Monografia de Graduação, Curso de Biologia, FUFRG).

REIGOTA, M. 2010. Meio Ambiente e Representação Social. 8° Edição, São Paulo: Cortez, 93p.

REIS, E. C., PEREIRA, C. S., RODRIGUES, D. P. SECCO, H. K. C., LIMA, L. M. RENNO, B & SICILIANO, S. 2010. Condição de saúde de tartarugas marinhas do litoral centro-norte do estado do Rio de Janeiro, Brasil: Avaliação sobre a presença de agentes bacterianos, fibropapilomatose e interação com resíduos antropogênicos. Oecol. Aust. 14:756-765.

SALES, G., GILFONE, B. B. & MAURUTTO, G. 2003. Captura incidental de tartarugas marinhas pela frota de rede de emalhe de deriva sediada em Ubatuba, São Paulo – Brasil. Disponível em: . Acesso em: 2 mar 2018.

SANCHES, T. M. 1999. Tartarugas marinhas – Projeto TAMAR Disponível em: <http://www.anp.gov.br/meio/guias/sismica/refere/tartarugas.pdf>. Acesso em: 2 mar 2018.

SANTOS, J. G. & CANDIDO, G. A. 2015. Geração e manejo dos resíduos sólidos resultante das atividades turísticas de Porto de Galinhas. Rev. Brasil. Pesq. Turis., 9: 40-58.

SCHNEIDER, T. 2009 Pesca-fantasma nos mares. Ciência Hoje, 43(257): 62-63 Disponível em: . Acesso em: 3 mar 2018.

SIMÕES, T. N., SILVA, A. C., SANTOS, E. M. & CHAGAS, C. A.. 2014. Temperatura de Incubação e Razão Social em Filhotes recém-eclodidos da Tartaruga Marinha Eretmochely imbricata (Linnaeus, 1766) no município de Ipojuca, Pernambuco, Brasil. Pap. Avulsos Zool. 54:363:374.

SIMÕES, T. N., SILVA, A. C., BARBOSA, M. P., GUIMARÃES, E. S., LIMA, C. S., SANTOS, E. M. CORREIA, J. M. S. & MOURA, G. J. B. 2016. Ecoassociados e História de conservação das tartarugas marinhas em Pernambuco. In.: CORREIA, J. M. S., SANTOS, E. M. & MOURA, G. J. B. Conservação de tartarugas marinhas no Nordeste do Brasil: pesquisas, desafios e perspectivas. Editora Universitária da UFRPE, Recife, 141-144.

SOUZA, D. T. M. T. O, SIMÕES, T. N., SILVA, A. C. & SANTOS, E. M. 2015. Estratégia de conservação para as tartarugas marinhas – Produção de ferramentas didáticas e ações educativas no litoral de Pernambuco In: SEABRA, G. TERRA. Saúde Ambiental e Soberania Alimentar.1 ed. Ituiutaba. 3: 1318-1328.

SCHUYLER, Q., HARDESTY, B. D., WILCOX, C. & TOWNSEND, K. 2012. To eat or not to eat? Debris selectivity by marine turtles. PLoS ONE, 7(7): e40884. <https://doi.org/10.1371/journal.pone.0040884>

SCHUYLER, Q., HARDESTY, B. D., WILCOX, C. & TOWNSEND, K. 2014. Global Analysis of Anthropogenic Debris Ingestion by Sea Turtles. Conserv. Biol, 28: 129-139.

SUASSUNA, D. A. 2004. Educação Ambiental e o Projeto Tamar. Ambiente e Educação, Rio Grande - Rev. Educ. Ambien. 9: 55-67.

SUL, J.A.I. 2005. Lixo Marinho na Área de desova de Tartarugas Marinhas do Litoral Norte da Bahia: consequências para o meio ambiente e moradores locais. Disponível em: <http://www.agenciacosteira.org.br/downloads/artigos/Monografia_Juliana_Ivar_do_Sull.pdf>. Acesso em: 3 mar 2018.

YOSHIDA, E. T. E. 2012 Avaliação da influência da ingestão do lixo plástico nos indicadores de estresse oxidativo no sangue de tartarugas verdes (Chelonia mydas). Santa Catarina, 94p. (Dissertação de Mestrado. Centro de Ciências Biológicas, UFSC).

WORLD ANIMAL PROTECTION. 2018. Pesca fantasma pode impactar 69.000 animais marinhos por dia no Brasil. Disponível em: <http://twixar.me/VgKn>. Acesso em: 12 abr 2019.

Downloads

Publicado

18/05/2021

Edição

Seção

Artigo