Ações Cooperativas para Prevenção e Combate a Incêndios Florestais em Área Protegida Urbana na Cidade do Rio de Janeiro

Autores

  • Izar Araujo Aximoff Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro
  • Luciano Araujo Menna Barreto Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Jameiro
  • Bruno Coutinho Kurtz Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.37002/biobrasil.v10i2.1448

Resumo

Incêndios florestais antrópicos são uma das maiores ameaças à conservação da biodiversidade, e ações efetivas de prevenção e combate devem ser prioritárias em áreas protegidas. O objetivo deste estudo foi traçar o perfil dos incêndios florestais e identificar as ações de prevenção e combate no Parque Estadual do Grajaú (PEG), na cidade do Rio de Janeiro. Os dados utilizados compreendem o período entre 2009 e 2017, e foram obtidos junto à gerência do PEG e, também, coletados in loco. Nesse período, foram registrados 22 incêndios no interior e na zona de amortecimento do Parque, com a maior parte dessas ocorrências (40,9%) no ano de 2012, período anterior ao estabelecimento das cooperações técnicas e do voluntariado. O PEG conta com poucos recursos humanos, materiais e financeiros, mas as ações de prevenção e combate aos incêndios florestais, baseadas no estabelecimento de cooperação/parcerias e voluntariado, vêm colaborando para diminuir esse déficit. Observou-se uma tendência de diminuição das ocorrências de fogo e de sua extensão entre os períodos de 2009 a 2012 e 2013 a 2017, sendo essa diminuição estatisticamente significativa para a área queimada dentro do PEG. Os resultados revelam a importância dessas iniciativas para a gestão de uma área protegida e, principalmente, para as ações de prevenção e combate a incêndios florestais em um cenário de déficit de recursos. Considera-se que esse exemplo pode ser replicado em outras áreas protegidas, tendo cada vez mais o envolvimento direto da sociedade na proteção da biodiversidade. 


 

Biografia do Autor

Izar Araujo Aximoff, Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Escola Nacional de Botânica Tropical

Luciano Araujo Menna Barreto, Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Jameiro

Escola Nacional de Botânica Tropical

Bruno Coutinho Kurtz, Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Diretoria de Pesquisa Científica

Referências

Aximoff I. O que perdemos com a passagem do fogo pelos campos de altitude do estado do Rio de Janeiro? Biodiversidade Brasileira, 2: 180-200, 2011.

Aximoff I & Rodrigues RC. Histórico dos incêndios florestais no Parque Nacional do Itatiaia. Ciência Florestal, 21(1): 83-92, 2011.

Aximoff IA, Fraga CN & Bovini MG. Vegetação em afloramentos rochosos litorâneos perturbados por incêndios na região metropolitana fluminense, estado do Rio de Janeiro. Biodiversidade Brasileira, 2: 149-172, 2016a.

Aximoff I, Nunes-Freitas AF & Braga JMA. Regeneração natural pós-fogo nos campos de altitude no Parque Nacional do Itatiaia, sudeste do Brasil. Oecologia Australis, 20(2): 200-218, 2016b.

Batista AC & Biondi D. Avaliação da inflamabilidade de Ligustrum lucidum Aiton (Oleaceae) para uso potencial em cortinas de segurança na região sul do Brasil. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, 4(4): 435-439, 2009.

Bonfim VR, Ribeiro GA, Silva E & Braga GM. Diagnóstico do uso do fogo no entorno do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro (PESB), MG. Revista Árvore, 27(1): 87-94, 2003.

Bontempo GC, Lima GS, Ribeiro GA, Doula SM & Jacovine LAG. Registro de Ocorrência de Incêndio (ROI): evolução, desafios e recomendações. Biodiversidade Brasileira, 2: 247-263, 2011.

Carapiá VR. 2006. Predição do índice de risco de incêndios e modelagem computacional do comportamento do avanço da frente do fogo no Parque Nacional da Floresta da Tijuca. Tese (Doutorado em Engenharia Civil). Universidade Federal do Rio de Janeiro. 177p.

Carauta JPP & Oliveira RR. 1982. Fitogeografia das encostas do Pão de Açúcar, p. 9-31. In: Flora: alguns estudos – II (Cadernos FEEMA, série trabalhos técnicos 2/82). Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente.

Fiedler NC, Merlo DA & Medeiros MB. Ocorrência de incêndios florestais no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, Goiás. Ciência Florestal, 16(2): 153-161 2006a.

Fiedler NC, Rodrigues TO & Medeiros MB. Avaliação das condições de trabalho, treinamento, saúde e segurança de brigadistas de combate a incêndios florestais em unidades de conservação do Distrito Federal: estudo de caso. Revista Árvore, 30(1): 55-63, 2006b.

Hessl A & Spackman S. 1995. Effects of fire on threatened and endangered plants: an annotated bibliography. National Biological Service. 55p.

ICMBio. 2012 Plano de ação para ações de prevenção e combate a incêndios florestais em unidades de conservação federais. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. 20p.

IEF. 2006. Plano de Manejo Diretor do Parque Estadual do Grajaú. Fundação Instituto Estadual de Florestas. 112p.

Koproski LP, Batista AC & Soares RV. Ocorrências de incêndios florestais no Parque Nacional de Ilha Grande – Brasil. Floresta, 34(2): 193-197, 2004.

Kovalsyki B, Takashina IK, Tres A, Tetto AF & Batista AC. Inflamabilidade de espécies arbóreas para uso em corti- nas de segurança na prevenção de incêndios florestais. Pesquisa Florestal Brasileira, 36(88): 387-391, 2016.

Lima GS & Soares RV. Avaliação da eficiência de combate aos incêndios florestais no Brasil. Floresta, 22(1/2): 25-38, 1992.

Lima GS, Torres FTP, Costa AG, Félix GA & Silva-Júnior MR. Avaliação da eficiência de combate aos incêndios florestais em unidades de conservação brasileiras. Floresta, 48(1): 113-122, 2018.

Martinelli G, Martins E, Moraes M, Loyola R & Amaro R (orgs.). 2018. Livro Vermelho da Flora Endêmica do Estado do Rio de Janeiro. Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Secretaria de Estado do Ambiente. 456p.

Matos DMS, Santos CJF & Chevalier DR. Fire and restoration of the largest urban forest of the world in Rio de Janeiro City, Brazil. Urban Ecosystems, 6(3): 151-161, 2002.

Medeiros MB & Fiedler NC. Incêndios florestais no Parque Nacional da Serra da Canastra: desafios para a conservação da biodiversidade. Ciência Florestal, 14(2): 157-168, 2004.

Medeiros R, Young CEF, Pavese HB & Araújo FFS (eds.). 2011. Contribuição das unidades de conservação brasileiras para a economia nacional: sumário executivo. UNEP-WCMC. 44p.

MMA (Ministério do Meio Ambiente). 2014. Portaria n. 443, de 17 de dezembro de 2014. Diário Oficial da União, Seção 1, 245, 18/12/2014: 110-121.

Oliveira RR, Zaú AS, Lima DF, Silva MBR, Vianna MC, Sodré DO & Sampaio PD. 1995. Significado ecológico da orientação de encostas no Maciço da Tijuca, Rio de Janeiro, p. 523-541. In: Esteves FA (ed.). Oecologia Brasiliensis: estrutura, funcionamento e manejo de ecossistemas brasileiros. PPG Ecologia, UFRJ.

Ooi MKJ. The importance of fire season when managing threatened plant species: A long-term case-study of a rare Leucopogon species (Ericaceae). Journal of Environmental Management, 236: 17-24, 2016.

Penman TD, Collins L, Price OF, Bradstock RA, Metcalf S & Chong DM. Examining the relative effects of fire weather, suppression and fuel treatment on fire behavior - a simulation study. Journal of Environmental Management, 131: 325-333, 2013.

Penna-Firme R, Montezuma RCM, Santos RL & Oliveira RR. 2004. Aspectos estruturais da paisagem da mata atlântica em áreas alteradas por incêndios florestais, p. 168-188. In: Oliveira RO (org.). As marcas do homem na floresta: história ambiental de um trecho urbano de mata atlântica. Ed. PUC-Rio.

Ramsey GS & Higgins DG. 1981. Canadian forest fire statistics. In: Information report PI-X-9. Canadian Forestry Service. 71p.

Ribeiro GA, Lima GS, Oliveira ALS, Camargos VL & Magalhães MU. Eficiência de um retardante de longa duração na redução da propagação do fogo. Revista Árvore, 30(6): 1025-1031, 2006.

Rio de Janeiro. 2007. Termo de Sessão de Uso do Parque Estadual do Grajaú (processo E-14/144/2007). Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro, 09/01/2007: 20.

Santos JF, Soares RV & Batista AC. Perfil dos incêndios florestais no Brasil em áreas protegidas no período de 1998 a 2002. Floresta, 36(1): 93-100, 2006.

Silva SAF. 1969. Contribuição ao estudo do “capim colonião” (Panicum maximum Jacq. var. maximum). II – Considerações sobre sua dispersão e seu controle. Vellozia, 7: 3-21.

Soares RV & Batista AC. 2007. Incêndios florestais: controle, efeitos e uso do fogo. Universidade Federal do Paraná. 264p.

Soares RV & Santos JF. Perfil dos incêndios florestais no Brasil de 1994 a 1997. Revista Floresta, 32(2): 219-232, 2002.

Tebaldi ALC, Fiedler NC, Juvanhol RS & Dias HM. Ações de prevenção e combate aos incêndios florestais nas unidades de conservação estaduais do Espírito Santo. Floresta e Ambiente, 20(4): 538-549, 2013.

Torres FTP, Torres CMME, Lima GS, Martins SV, Mendes AEO, Padovani MT, Siqueira RG, Moreira GF & Valverde SR. Análise do perfil dos incêndios florestais no Parque Estadual da Serra do Brigadeiro e entorno (MG). Ciência Florestal, 28(3): 1008-1021, 2018.

Yates CJ & Ladd PG. Using population viability analysis to predict the effect of fire on the extinction risk of an endangered shrub Verticordia fimbrilepis subsp. fimbrilepis in a fragmented landscape. Plant Ecology, 211(2), 305-319, 2010.

Zar JH. 1996. Biostatistical analysis. 3 ed. Prentice Hall. 662p.

Downloads

Publicado

13/08/2020

Edição

Seção

Diálogos entre a Academia e a Gestão de Áreas Protegidas: Programa de Pós-Graduação Profissional