Estudo Etnobotânico de Plantas Medicinais Utilizadas por alguns Moradores de Três Comunidades Rurais do Município de Cabaceiras do Paraguaçu/Bahia

Autores

  • Eliete Serra Rodrigues Faculdade Maria Milza - FAMAM
  • Noelma Miranda de Brito Faculdade Maria Milza - FAMAM em Governador Mangabeira - BA; Centro Territorial de Educação Profissional Recôncavo II Alberto Torres em Cruz das Almas - BA.
  • Vania Jesus Santos de Oliveira Faculdade Maria Milza - FAMAM em Governador Mangabeira - BA.

DOI:

https://doi.org/10.37002/biobrasil.v11i1.1645

Resumo

As pesquisas etnobotânicas envolvem levantamentos nas sociedades tradicionais sobre o uso dos vegetais na farmacopeia caseira, bem como questões culturais e econômicas da população, além das interações do homem com o meio ambiente. A Etnobotânica é o estudo do conhecimento da flora de uma região, que se preocupa com os sujeitos e com os seus saberes, reúne informações dos que mantiveram relações com os vegetais e com elementos culturais de um povo. Objetivou-se realizar um estudo etnobotânico de plantas medicinais utilizadas em três comunidades rurais do município de Cabaceiras do Paraguaçu/BA. Foram aplicados 286 questionários aos membros das comunidades em suas residências. Para a análise dos dados, empregou-se a frequência relativa. Os participantes foram investigados quanto ao perfil socioeconômico e ao uso das plantas medicinais. Foram identificadas 45 espécies medicinais pertencentes a 25 famílias botânicas. As famílias Lamiaceae e Asteraceae foram as duas famílias botânicas mais representativas no estudo etnobotânico. A família Lamiaceae foi a mais representativa em número de espécies utilizadas como medicinais, e as espécies mais citadas foram capim santo (Cymbopogon citratus Stapf.), erva cidreira (Lippia alba L.), boldo (Plectranthus barbatus Andrews) e hortelã (Mentha spicata L.). As plantas são adquiridas nos quintais das casas, usadas na forma de chá ou infuso. As folhas foram as partes da planta mais utilizadas. Evidenciou-se a importância da realização de estudos etnobotânicos como forma de resgatar e evitar a perda dos saberes tradicionais das comunidades de Jacarezinho, Nova Aparecida e Pé de Serra, e a conservação de espécies medicinais da flora da região.

Biografia do Autor

Eliete Serra Rodrigues, Faculdade Maria Milza - FAMAM

Licenciada em Ciências Biológica, Mestre em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente. Professora da Rede Municipal de Ensino no Município de Cruz das Almas, Bahia.

Noelma Miranda de Brito, Faculdade Maria Milza - FAMAM em Governador Mangabeira - BA; Centro Territorial de Educação Profissional Recôncavo II Alberto Torres em Cruz das Almas - BA.

Engenheira Agrônoma, Licenciada em Ciências da Natureza, Mestre e Dra. em Agronomia pela Universidade Federal da Paraíba. Professora da Faculdade Maria Milza - FAMAM e do Centro Territorial de Educação Profissional Recôncavo II Alberto Torres, Avaliadora das Revista Ciência Agronômica e Textura.

Vania Jesus Santos de Oliveira, Faculdade Maria Milza - FAMAM em Governador Mangabeira - BA.

Engenheira Agrônoma, Licenciada em Ciências Biologicas, Mestre e Dra. em Ciências Ahrárias pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Professora e coordenadora dos laboratórios da Faculdade Maria Milza em Governador Mangabeira, Bahia.

Referências

Araújo IFS, Souza LF, Guarçoni EAE, Firmino WCA. O comércio de plantas com propriedades medicinais na cidade de Bacabal, Maranhão, Brasil, Natureza on line, 13(3): 111-116, 2015.

Assubaie NF, Gély AL. Uso de plantas medicinais por caboclos do baixo Amazonas, Barcarena, PA, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Botânica, 4 (1): 47-131, 1988.

Bezerra AMF, Bezerra KKS, Sousa LCFS, Sousa JS, Borg MGB. Plantas medicinais utilizadas pela comunidade de mimoso no município de Paulista, Paraíba – Brasil. Revista Verde, 7(5): 06-11, 2012.

Brasil. RDC n. 10 de março de 2010. Dispõe sobre a fitoterapia de drogas vegetais junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária, de 10 de março de 2010.

Carneiro FM, Silva, MJP, Borges LL, Albernaz LC, Costa JDP. Tendências dos estudos com Plantas Medicinais no Brasil. Revista Sapiência, 3 (2): 44-75, 2014.

Carvalho JSB, Martins JDL, Mendonça MCS, Lima LD. Uso popular das plantas medicinais na comunidade da Várzea. Revista de Biologia e Ciências da Terra, 13(2): 58-65, 2013.

David M, Mamede JS, Dias GS, Pasa MC. Uso de plantas medicinais em comunidade escolar de Várzea Grande, Mato Grosso, Brasil. Biodiversidade, 13(1): 38-50, 2014.

Do Ó KDS, Silva GH, Leite IA. Estudo etnobotânico de plantas medicinais em duas comunidades no estado da Paraíba. Brasil. Biodiversidade, 15 (2): 53-61, 2016.

Ferreira FMC, Lourenço FJC, Baliza DP. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais na comunidade quilombola Carreiros, Mercês–Minas Gerais. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 9 (3): 205-212, 2014.

Freitas AVL, Coelho, MFB, Maia SSS, Azevedo RAB. Plantas medicinais: um estudo etnobotânico nos quintais do Sítio Cruz, São Miguel, Rio Grande do Norte, Brasil. Revista Brasileira de Biociências, 10 (1): 48-59, 2011.

Guerra NM, Ribeiro JES, Carvalho TKN, Pedrosa KM, Felix LP, Lucena RF. Usos locais de espécies vegetais nativas em uma comunidade rural no semiárido nordestino (São Mamede, Paraíba, Brasil). Revista de Biologia e Farmácia, Especial:.184-210, 2012.

IBGE. Censo demográfico, Cabaceiras do Paraguaçu, BA. . (Acesso em 20/07/ 2019).

Leite IA, Morais AM, Do Ó KDS, Carneiro, RG, Leite CA. A etnobotânica de plantas medicinais no município de São José de Espinharas, Paraíba, Brasil. Biodiversidade, 14 (1): 22- 30, 2015.

Löbler L, Santos D, Rodrigues ES, Santos NRZ. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais no bairro Três de Outubro, da cidade de São Gabriel, RS, Brasil. Revista Brasileira de Biociências, 12 (2): 81-89, 2014.

Maia EA, Freancisco J, Pires T, Manfredi-Coimbra S. O uso de espécies vegetais para fins medicinais por duas comunidades da Serra Catarinense, Santa Catarina, Brasil. Revista de Biologia e Ciências da Terra, 11 (1): 54-59, 2011.

Meyer L, Quadros KE, Zeni ALB. Etnobotânica na comunidade de Santa Bárbara, Ascurra, Santa Catarina, Brasil. Revista Brasileira de Biociências, 10 (3): 258-266, 2012.

Motta AO, Lima DCS, Vale CR. Levantamento do uso de plantas medicinais em um centro de educação infantil em Goiânia-Go. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, 14 (1): 629-646, 2016.

Nascimento Júnior BJ, et al. Uso de plantas medicinais no tratamento da estomatite aftosa recorrente na cidade de Petrolina-Pernambuco. Revista Cereus, 7 (3): 18-37, 2015.

Oliveira ER, Menini Neto L. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais utilizadas pelos moradores do povoado de Manejo, Lima Duarte–MG. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 14 (2): 311-320, 2012.

Paixão JÁ, Conceição RS, Santana Neto AF, Neto JFA, Santos US. Levantamento bibliográfico de plantas medicinais comercializadas em feiras da Bahia e suas interações medicamentosas. Revista Eletrônica de Farmácia, 13 (2): 71-81, 2016.

Scardelato JÁ, Legramandi VHP, Sacramento LVS. Ocorrência de cristais em plantas medicinais utilizadas no tratamento da nefrolitíase: paradoxo? Revista Brasileira de Farmacognosia, 34 (2):.161-168, 2013.

Silva JÁ, Bündchen M. Conhecimento etnobotânico sobre as plantas medicinais utilizadas pela comunidade do Bairro Cidade Alta, município de Videira, Santa Catarina, Brasil. Unoesc & Ciência-ACBS, 2 (2): 129-140, 2010.

Silva MFP. Plantas medicinais: cultivo em quintais pela população de um município do semiárido Piauiense, nordeste do Brasil. Revista Intertox de Toxicologia, Risco Ambiental e Sociedade, 7 (3): 101-113, 2014.

Silva PH, Barros MS, Oliveira YR, Abreu MC. A Etnobotânica e as plantas medicinais sob a perspectiva da valorização do conhecimento tradicional e da conservação ambiental. Revista de Ciências Ambientais, 9 (2): 67, 2015.

Silveira PF, Bandeira MAM, Arrais PSD. Farmacovigilância e reações adversas às plantas medicinais e fitoterápicos: uma realidade. Revista Brasileira de Farmacognosia, 18 (4): 618-626, 2008.

Siqueira AB, Pereira SM. Abordagem etnobotânica no ensino de Biologia. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 31 (2): 247-260, 2014.

Souza KA, Botini N, Antoniazzi CA, Chaves CF, Añez RB. Estudo etnobotânico do falso barbatimão (Dimorphandra mollis Benth, Leguminosae-Caesalpinoideae) na comunidade de Salobra Grande, Porto Estrela, MT. Biodiversidade, 14 (2): 106-115, 2015.

Staniski A, Floriani N, Strachulski J. Estudo etnobotânico de plantas medicinais na comunidade faxinalense Sete Saltos de Baixo, Ponta Grossa-PR. Terra Plural, 8 (2): 320-340, 2014.

Strachulski J, Floriani N. Conhecimento popular sobre plantas: um estudo etnobotânico na comunidade rural de Linha Criciumal, em Cândido de Abreu-PR. Revista Geografar, 8(1): 125-153, 2013.

Tagliacarne G. 1976. Pesquisa de mercado. São Paulo: Atlas, 176p.

Vasconcelos GPSS, Cunha EVL. Levantamento de Plantas Medicinais Utilizadas por Indígenas Potiguaras da Aldeia São Francisco (Litoral Norte da Paraíba). Gaia Scientia, 7 (1): 146-156, 2013.

Downloads

Publicado

20/04/2021

Edição

Seção

Fluxo contínuo