Phytosociological and Environmental Analysis of a Rocky Outcrop Located in Caldas County, Minas Gerais State, Brazil

Autores

  • João Paulo de Lima Braga Jardim Botânico de Poços de Caldas e Escola Nacional de Botânica Tropical
  • Sarah França Andrade PUC-Rio
  • Richieri Antonio Sartori Departamento de Biologia - PUC-RIO R. Marques de São Vicente 225, Prédio Pe. Leonel Franca, 70. Andar CEP22451-900 - Rio de Janeiro - RJ (0 55 21 21)3527.1463

DOI:

https://doi.org/10.37002/biobrasil.v10i2.1450

Resumo

The Atlantic Forest and Cerrado are domains of Brazil. We should pay more attention to the lesser assessed points in these biomes, as well as to their rocky outcrops. These sites are under great anthropogenic pressure due to the mineral exploitation present. This results in environmental degradation and loss of species that have not yet been studied. In the present study we aimed to characterize the structure and composition of a rocky outcrop in order to provide aids for the creation of protected areas and on the adoption of management techniques in areas degraded by mining activities. In total, we surveyed vegetation and environmental conditions in 10 plots (50 x 2m) allocated in the Environmental Protection Area of Pedra Branca Ecological Sanctuary, MG. We found 60 species distributed within 30 families and 52 genera, and diversity of 2.83 nats/ind. The most important family was Orchidaceae, which was followed by Poaceae, Polypodiaceae, Bromeliaceae and Piperace. The most important species were Cyperus coriifolius, Brasiliorchis picta, Tibouchina heteromalla, Paspalum notatum and Aechmea distichantha. The area has a higher Shannon diversity index (H’) than other quartzite outcrops.

 

 

Biografia do Autor

João Paulo de Lima Braga, Jardim Botânico de Poços de Caldas e Escola Nacional de Botânica Tropical

Atualmente trabalha no Jardim botânico de Poços de Caldas. Fez mestrado profissional na Escola Nacional de Botânica Tropical, JBRJ.

Sarah França Andrade, PUC-Rio

Formada em Ciências Biológicas pela PUC-Rio

Richieri Antonio Sartori, Departamento de Biologia - PUC-RIO R. Marques de São Vicente 225, Prédio Pe. Leonel Franca, 70. Andar CEP22451-900 - Rio de Janeiro - RJ (0 55 21 21)3527.1463

Professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RIO) no curso de Ciências Biológicas. Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Lavras (2007), mestrado em Ecologia Aplicada pela mesma universidade (2010) e doutorado pela Escola Nacional de Botânica Tropical/Jardim Botânico do Rio de Janeiro, em conjunto com a University of Puerto Rico na área de botânica / diversidade, com ênfase em restauração ambiental (2014). Vinculado ao curso de pós-graduação em paisagismo do departamento de Arquitetura da PUC-RIO, ao Mestrado Profissional em Ecoturismo e Conservação da UNIRIO, ao cruso de pós-graduação em ciências Ambientais da Faculdade Souza Marques e ao mestrado em Engenharia Urbana e Ambiental do Departamento de Engenharia Civil da PUC-Rio e da Faculdade de Arquitetura, engenharia Civil e Ambiental da Technische Universität Braunschweig da Alemanha. Como professor, ministra aulas nas áreas de recuperação de áreas degradadas, estatística básica, desenho amostral e estatística utilizando o programa R. Ministra cursos na área de restauração ambiental, identificação de famílias arbóreas da Mata Atlântica, produção de mudas e bioestatística. Como pesquisador trabalha com restauração florestal, ecologia e arborização urbana.

Referências

Ab’Saber AN. 2003. Os domínios da natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. Ateliê. 153p.

Abreu NL, Menini Neto L, Konno TUP. Orchidaceae das Serras Negra e do Funil, Rio Preto, Minas Gerais, e similaridade florística entre formações campestres e florestais do Brasil. Acta. Bot. Bras, 25(1): 58-70, 2011.

Alves RJV, Kolbek J. Summit vascular flora of Serra de São José, Minas Gerais, Brasil. Check List, 5(1): 35-73, 2009.

APG III. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, 141: 399-436, 2009.

Araujo ACM, Silva ANF, Almeida Jr. EB. Caracterização estrutural e status de conservação do estrato herbáceo de dunas da Praia de São Marcos, Maranhão, Brasil. Acta Amazônica, 46(3): 247-258, 2016.

Assumpção J, Nascimento MT. Estrutura e composição florística de quatro formações vegetais de restinga no complexo lagunar Grussaí/Iquipari, São João da Barra, RJ, Brasil. Acta Botanica Brasilica, 14: 301-315, 2000.

Brower JE, Zar JH, Von Ende CN. 1998. Field & laboratory methods for general ecology. 4 ed. Mc Graw- Hill. 273p.

Burke A. Inselbergs in changing world-global trends. Diversity and Distributions, 9(5): 375-383, 2003.

Caiafa AN, Silva AF. Composição florística e espectro biológico de um campo de altitude no Parque Estadual da Serra do Brigadeiro, Minas Gerais-Brasil. Rodriguésia, 56(87): 163-173, 2005.

Caponi HL, Fantin M, Gardênia T. 2007/ Avaliação dos impactos sobre o meio físico (biótico e abiótico) e aspectos legais das mineradoras na região da Serra da Pedra Branca, Caldas, MG. Relatório Técnico apresentado ao CODEMA de Caldas, MG.

Carmo FF, Jacobi CM. A vegetação de canga no Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais: caracterização e contexto fitogeográfico. Rodriguésia, 64: 527-541, 2013.

Carvalho DA, Sá CFC. Estrutura do estrato herbáceo de uma restinga arbustiva aberta na APA de Massambaba, Rio de Janeiro, Brasil. Rodriguésia, 62: 367-378, 2011.

Castro AAJF. 1994. Composição florístico-geográfica (Brasil) e fitossociológica (Piauí-São Paulo) de amostras de cerrado. UNICAMP. 520p

Conceição AA, Giulietti AM. Composição florística e aspectos estruturais de campo rupestre em dois platôs no Morro do Pai Inácio, Chapada Diamantina, Bahia, Brasil. Hoehnea, 29(1): 37-48, 2002.

Conforti TB, Ramos E, Adami SF, Rosas PFC, Filho, J JB, CaponiI HL & Pardalis AA. 2007. Zoneamento Ambiental da APA “Santuário Ecológico da Pedra Branca”, unidade de conservação municipal, Caldas, MG. Relatório Técnico apresentado ao CODEMA. 116p.

Cordeiro SZ. Composição e distribuição florística da vegetação herbácea em três áreas com fisionomias distintas na Praia do Peró, Cabo Frio, RJ, Brasil. Acta Botanica Brasilica, 19: 679-693, 2005.

Drummond GM, Martins CS, Machado ABM, Sebaio FA, Antonini Y. 2005. Biodiversidade em Minas Gerais, um atlas para sua conservação. 2 ed. Fundação Biodiversitas. 222p.

Elias RCL, Rezende MG, Malafaia Filho M, Alfenas GFM, Salimena FRG. 2009. Determinação das fitofisionomias da “APA Santuário Ecológico da Pedra Branca” Caldas, MG, por meio do NDVI (Índice de Vegetação da Diferença Normatizada). Mais um recurso para a conservação da biodiversidade? Acesso em: 19/11/2014.

Felfili JM, Silva Júnior MC (orgs.) 2001. Biogeografia do Bioma Cerrado. Estudo fitofisionômico na Chapada do Espigão Mestre do São Francisco. UnB. 152p.

Felfili JM, Silva Júnior MC, Rezende AV, Machado BWT, Silva PEN, Hay JD. Análise comparativa da florística e fitossociologia da vegetação arbórea do cerrado sensu stricto na Chapada Pratinha, Brasil. Acta botanica Brasilica, 6(2): 27-46, 1993.

Gibson N, Meissner R, Markey AS, Thompson WA. 2012. Patterns of plant diversity in ironstone ranges in arid south Western Australia. J. Arid Environ. 77, 25-31, 2012.

Giulietti AM, Pirani, JR, Harley RM. 1997. Espinhaço Range Region, Eastern Brazil, vol. 3. p. 397-404. In: Centres of plant diversity. A guide and strategy for their conservation. IUCN Publication Unity, Cambridge.

Gröger A, Barthlott W. Biogeography and diversity of the inselbergs (Laja) vegetation of southern Venezuela. Biodiversity Letters, 3: 165-179, 1996.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. 2012. Manual Técnico da Vegetação Brasileira. 2 ed. IBGE. 145p.

Instituto Brasileiro de Mineração. 2003. Contribuição do IBRAM para o zoneamento ecológico-econômico e o planejamento ambiental de municípios integrantes da APASUL RMBH. 334p.

Leoni LS, Tinte VA. 2004. Flora do Parque Estadual do Brigadeiro: caracterização da vegetação e lista preliminar das espécies. Universidade Estadual de Minas Gerais, Carangola. 91p.

Meirelles ST, Pivello VR, Joly CA. The vegetation of granite rock outcrops in Rio de Janeiro, Brazil, and the need for its protection. Environmental Conservation, 26(1): 10-20, 1999.

Mendonça MP. 2013. O Resgate da Flora de Canga. Belo Horizonte, Minas Gerais. Valor Natural. 104p.

Menezes LFT de, Araujo DSD de. Estrutura de duas formações vegetais do cordão externo da Restinga de Marambaia, RJ. Acta Botanica Brasilica, 13(2): 223-235, 1999.

Menini Neto L, Alves RJV, Barros F, Forzza RC. Orchidaceae do Parque Estadual de Ibitipoca, MG, Brasil. Acta Bot. Bras, 21(3): 687-696, 2007.

Moraes FT. 2008. Zoneamento geoambiental do planalto de Poços de Caldas, MG/SP a partir de análise fisiográfica e pedoestratigráfica. Tese de Doutorado. Universidade Estadual Paulista, Rio Claro. 173p.

Moraes FT, Jiménez-Rueda JR. Fisiografia da região do planalto de Poços de Caldas, MG/SP. Revista Brasileira de Geociências: 38(1): 196-208, 2008.

Myers N, Mittermeier RA, Mittermeier CG, da Fonseca GA, Kent J. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, 403: 853-858, 2000.

Pinto SIC, Souza AM, Carvalho D. Variabilidade genética por isoenzimas em populações de Copaifera langsdorffi Desf. em dois fragmentos de mata ciliar. Scientia Forestalis, 65: 40-48, 2004.

Pirani JR, Mello-Silva R, Giulietti AM. Flora de Grão-Mogol, Minas Gerais, Brasil. Bol. Bot. Univ., 21: 1-24, 2003.

Porembski S, Fischer E, Biedinger N. Vegetation of Inselbergs, Quarzitic Outcrops and Ferricretes in Rwanda and Eastern Zaire (Kivu). Bulletin du Jardin Botanique National de Belgique, 66: 81-99, 1997.

Rezende MG, Elias RCL, Salimena FRG, Menini Neto L. Flora vascular da Serra da Pedra Branca, Caldas, Minas Gerais e relações florísticas com áreas de altitude da Região Sudeste do Brasil. Biota Neotropica, 13(4): 201-224, 2013.

Rizzini CT. 1979. Tratado de fitogeografia do Brasil. 2 ed. HUCITEC/Universidade de São Paulo. 374p.

Rosa AEM. 2011. Revisitação de Bromeliaceae na APA Santuário Ecológico da Pedra Branca, Caldas, MG. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual Paulista – UNESP. Rio Claro. 100p.

Safford HD. Brazilian Páramos I. An introduction to the physical environment and vegetation of the campos de altitude. J. Biogeogr., 26: 693-712, 1999.

Salimena FRG, Matozinhos CN, Abreu NL, Ribeiro JHC, Menini Neto L. Flora fanerogâmica da Serra Negra, Minas Gerais, Brasil. Rodriguésia, 64(2): 311- 320, 2013.

Salles DM, Carmo FF, Jacobi CM. Habitat Loss Challenges the Conservation of Endemic Plants in Mining-Targeted Brazilian Mountains. Environmental Conservation, 46: 140-146, 2019.

Scarano FR. Rock outcrop vegetation in Brazil: a brief overview. Rev. Bras. Bot., 30(4): 561-568, 2007.

Siefert A, Ravenscroft C, Althoff D, Alvarez-Yépis JC, Carter BE, Glennon KL., ... Fridley JD. Scale dependence of vegetation – environment relationships: a meta_analysis of multivariate data. Journal of Vegetation Science, 23(5): 942-951, 2012.

Vleminckx J, Drouet T, Amani C, Lisingo J, Lejoly J, Hardy OJ. Impact of fine-scale edaphic heterogeneity on tree species assembly in a central African rainforest. Journal of Vegetation Science, 26(1): 134-144, 2015.

Downloads

Publicado

13/08/2020

Edição

Seção

Diálogos entre a Academia e a Gestão de Áreas Protegidas: Programa de Pós-Graduação Profissional