A Seleção de Áreas para Conservação na Mata Atlântica Brasileira: Revisão dos Estudos Voltados para Priorização Espacial

Autores

  • Rosana Cristina Pezzi D'Arrigo ICMBio
  • Maria Lucia Lorini
  • Henrique Rajão

DOI:

https://doi.org/10.37002/biobrasil.v10i2.1462

Resumo

A Mata Atlântica possui um histórico ininterrupto de degradação ambiental, o mais antigo e contínuo do Brasil. Por outro lado, foi nesse bioma que ocorreram as primeiras demarcações de áreas protegidas no Brasil. A MA é também muito estudada no âmbito da biologia da conservação. As metodologias para a avaliação, seleção e priorização de áreas para alocação de estratégias de conservação, no contexto do Planejamento Sistemático para Conservação (PSC), vêm sendo desenvolvidas a partir do ano 2000. Realizou-se aqui a revisão bibliográfica da atividade de pesquisa relacionada ao PSC e à aplicação de métodos de priorização espacial para conservação na MA Brasileira. Nessa buscaforam levantados seis estudos acadêmicos e dois não acadêmicos.. O único estudo que foi realizado com o objetivo de estabelecer áreas prioritárias para conservação de forma explicita para criação de unidades de conservação tem baixa implementação. A baixa reversão dos estudos que utilizam o PSC e os métodos para priorização espacial para conservação na MA Brasileira em ações de conservação é observada também na maior parte dos estudos que utilizam essas metodologias. Mudar essa situação é extremante importante e mais estudos utilizando o PSC, de forma mais engajada, são relevantes para resolver problemas de conservação na Mata Atlântica Brasileira.

Biografia do Autor

Rosana Cristina Pezzi D'Arrigo, ICMBio

Analista Ambiental e Bióloga

Trabalha atualmente como parecerista do SISBio e análise de Autorizações de Licenciamento Ambiental, experiência com ciração de unidades de conservação federais, educação ambiental e facilitação gráfica

Referências

Araújo, M.A.R. 2012. A Seleção e o Desenho de Unidades de Conservação. In: Unidades de Conservação no Brasil – O Caminho da Gestão para Resultados. Orgs. Nexucs, São Carlos, Ed. Rima. p. 536.

Becker, C.G.; Loyola, R.D.; Haddad, C.F.B. & Zamudio, K.R. 2010. Integrating species life-history traits and patterns of deforestation in amphibian conservation planning. Diversity and Distributions.

Brasil. 2000. Lei nº 9.605, de 18 de julho 2000. Regulamenta o artigo 225. Parágrafo 1º, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação e dá outras providências. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5197.htm>. Acesso em: 20 nov. 2013.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente, 2007a. Áreas Prioritárias para Conservação, Uso Sustentável e Repartição de Benefícios da Biodiversidade Brasileira. Atualização: Portaria MMA nº 9, de 23 de janeiro de 2007. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/publicacoes/biodiversidade/category/142-serie-biodiversidade>. Acesso em: 15 dez. 2013.

Brasil. 2007b. MMA – IBAMA. Informe nacional sobre áreas protegidas no Brasil / Ministério do Meio Ambiente, Secretaria de Biodiversidade e Florestas, Departamento de Áreas Protegidas. – Brasília: 124p. ; 29 cm.

Cabral, N.R.A.J. & Souza, M.P. Área de Proteção Ambiental: planejamento e gestão de paisagens protegidas. São Carlos: Rima, 2002. p. 154.

CEPF. Critical Ecosystem Partnership Fund. 2001. Ecosystem profile: Atlantic Forest biodiversity hotspot. Brazil. Final version. December 11, 2001. Critical Ecosystem Partnership Fund (CEPF), Conservation International, Washington, D.C. Disponívelem: <http://www.cepf.net/Documents/final.atlanticforest.ep.pdf>. Acessoem: 13 set. 2012.

Clark, J.A. & May, R.M. 2002. Taxonomic bias in conservation research. Science, 297 (5579): 191-192.

Conservação Internacional. 2005. Mata Atlântica: biodiversidade, ameaças e perspectivas. São Paulo. Fundação SOS Mata Atlântica. Disponível em: <http://www.conservation.org.br/publicacoes/files/CapítuloIStatusdoHotspotMataAtlantica.pdf> Acesso em: 10 mai. 2012.

Diegues, A.C. 2001. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo, Hucitec. p. 161.

Falagas, M.E.; Pitsouni, E.I.; Malietzis, G.A. & Pappas, G. 2008. Comparison of PubMed, Scopus, Web of Science, and Google Scholar: strengths and weakness. The FASEB Journal, 22: 338-342.

Felinks, B.; Pardini, R.; Dixo, M.; Follner, K.; Metzger, J.P. & Henle, K. 2011. Effects of species turnover on reserve site selection in a fragmented landscape. Biodiversity. Conservation (2011) 20:1057–1072. DOI 10.1007/s10531-011-0015-2

Ferreira, I. V. 2004. Uma política nacional para as áreas protegidas brasileiras. Anais do IV Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação. Curitiba, Fundação O Boticário de Proteção à Natureza & Rede Pró Unidades de Conservação. v. 2, p. 172-176.

Gavel, Y. &Iselid, L. 2008. Web of Science and Scopus: a journal title overlap study. Online Informative Review, 32(1): 8-21.

Grelle, C.E.V.; Lorini, M.L. & Pinto, M.P. 2010. Reserve selection based on vegetation in the Brazilian Atlantic Forest. Natureza a Conservação, 8(1):46-53.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2004b. Nota Técnica do Mapa de Biomas do Brasil. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/ default_prod.shtm#MAPAS. Acesso em: 15 de dezembro de 2012

IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2004a. Mapa de Biomas do Brasil. Disponível em: www.ibge.gov.br/home/geociencias/default_prod. shtm#USO. Acessoem: de dezembro de 2012

IUCN. 1994. World Conservation Union. Guidelines for Protected Area Management Categories IUCN, Gland, Switzerland, and Cambridge.

Kalamandeen, M. &Gillson, L. 2007. Demything ‘‘wilderness’’: implications for protected area designation and management. Biodiversity Conservation 16:165-182. DOI 10.1007/s10531-006-9122-x.

Kiester, A.R.; Scott, J.M.; Csuti, B.; Noss, R.F.; Butterfield, B.; Sahr, K. & White, D. 1996. Conservation prioritization using GAP data. Conservation Biology, 10, 1332-1342.

Kirkpatrick, J.B. 1983. An iterative method for establishing priorities for the selection of nature reserves: an example from Tasmania. Biological Conservation, 25: 127-134.

Knight, A.T.; Cowling, R.M.; Possingham, H.P. & Wilson, K.A. 2009. From Theory to Practice: Designing Priorization Approaches to Better Implement Conservation Action in: Moilanen, A.; Wilson, K.A. &Possingham, H.P. 2009 Spacial Conservation Priorization – Quantitative Methods & computational tools Oxford: Oxford University Press

Loiselle, B.A.; Howell, C.A.; Graham, C.H.; Goerck, J.M.; Brooks, T.; Smith, K.G. & Williams, P.H. 2003. Avoiding Pitfalls of Using Species Distribution Models in Conservation Planning. Conservation Biology, 17(6):1591-1600.

Margules, C. & Sarkar, S. 2007. Systematic conservation planning. Cambridge, Cambridge University Press. 270p.

Margules, C.R. &Pressey, R.L. 2000. Systematic conservation planning. Nature, 405: 243-253.

Medeiros, R. 2006. Evolução das tipologias e categorias de áreas protegidas no Brasil. Campinas, Ambient. Soc. v.9, n. 1.

Mittermeier, R.; Gil, P.R.; Hoffman, M.; Pilgrim, J.; Brooks, T.; Mittermeier, C.G.; Lamoreux, J. & Fonseca, G.A.B. 2005. Hotspots Revisited: Earth's Biologically Richest and Most Endangered Terrestrial Ecoregions an Inspiring Update to an Unparalleled Biodiversity Resource. Cemex Conservation Book Series 12. Conservation International. p. 391.

Moilanen A., Wilson, K.A. &Possingham H.P. 2009 Spacial Conservation Priorization – Quantitative Methods & computational tools Oxford: Oxford University Press.

Morsello, C. 2001. Áreas protegidas públicas e privadas: seleção e manejo. São Paulo, Annablume, FAPESPE. p. 344.

Myers, N.; Mittermeier, R.A.; Mittermeier, C.G.; da Fonseca, G.A.B. & Kent, J. 2000. Biodiversityhotspots for conservationpriorities. Nature 403, 853-858 doi:10.1038/35002501.

Oliveira-Filho, A.T. & Fontes, M.A.L. 2000. Patterns of Floristic Differentiation among Atlantic Forests in Southeastern Brazil and the Influence of Climate. Biotropica 32(4b): 793–810.

Paglia, A.; Paese, A.; Bedê, L.; Fonseca, M.; Pinto, L.P. & Machado, R.. 2004. Lacunas de conservação e áreas insubstituíveis para vertebrados ameaçados da Mata Atlântica. PP. 39-50. In Anais do IV Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação. v. II – Seminários. Fundação O Boticário de Proteção a Natureza e Rede Pró Unidade de Conservação. Curitiba.

Pearson, D.L. & Cassola, F. 1992. World-wide species richness patterns of tiger beetles (Coleoptera: Cicindelidae): indicator taxon for biodiversity and conservation studies. Conservation Biology 6:376-391. doi:10.1046/j.1523-1739.1992.06030376.x.

Pinto, M.P. & Grelle, C.E.V. 2009a.Seleção de reservas: Estudos na América do Sul e revisão de conceitos, Oecologia Brasiliensis 13(3): 498-517.

Pinto, M.P. & Grelle, C.E.V. 2009b. Reserve selection and persistence: Complementing the existing atlantic forest reserve system. Biodiversity and Conservation, 18(4):957-968.

Pinto, M.P. & Grelle, C.E.V. 2011. Minimizing conservation conflict for endemic primate species in Atlantic forest and uncovering knowledge bias. Environmental Conservation, 39 (1):30-37.

Pinto, M.P. & Bini, L.M. 2008. Vieses geográficos e taxonômicos nas pesquisas sobre seleção de reservas: uma análise quantitativa de 1992 a 2004. Natureza & Conservação. Vol.6. n.1. p. 35-45.

Prendergast, J.R.; Quinn, R.M. & Lawton, J.H. 1999. The gaps between theory and practice in selecting nature reserves. Conservation Biology 13:484–492.

Pressey, R.L. 1994. Ad hoc reservations: foward or backward steps in developing representative reserves systems? Conservation Biology 8:662–668. doi:10.1046/j.1523-1739.1994.08030662.x.

Pressey, R.L., Humphries, C.J., Margules, C.R.; Vane-Wright, R.I.; Williams, P.H. 1993. Beyond opportunism: key principles for systematic reserve selection. Trends in Ecology and Evolution 8:124-128. doi:10.1016/0169-5347(93)90023-I.

Pressey, R.L.; Cabeza, M.; Watts, M.E.; Cowling, R.C.; Wilson, K.A. 2007. Conservation planning in a changing world. Trends in Ecology and Evolution 22:583–592

Pullin, A.S. & Knight, T.M. 2004. Do conservation managers use scientific evidence to support their decision-making? Biological Conservation 19:245–252.

Ribeiro, M.C.; Metzger, J.P.; Martensen, A.C.; Ponzoni, F. &Hirota, M.M. 2009. Brazilian Atlantic forest: how much is left and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation. Biological Conservation 142, p. 1141–1153.

Robinson, J.G. 2006. Conservation Biology and Real-World Conservation. Conservation Biology Volume 20, No. 3, 658–669 DOI: 10.1111/j.1523-1739.2006.00469.x.

Runte, A. 1979. National Parks: The American experience. Lincoln and London: University of Nebraska Press. p. 240.

Scaramuzza, C.A.M.; Lopes Simões, L.; Rodrigues, S.T.; Accacio, G.M.; Hercowitz, M.; Reis Rosa, M.; Goulart, W.; Rangel Pinagé, E. & Silva Soares, M. 2006. Visão da Biodiversidade da Ecorregião Serra do Mar. WWF – Brasil. Disponível em: http://assets.wwfbr.panda.org/downloads/visao_conservacao_serra_do_mar.pdf. Acesso em: setembro de 2013

Silva, J.M.C. & Casteleti, C.H.M. 2003. Status of the biodiversity of the Atlantic Forest of Brazil. In: Galindo-Leal, C. & Câmara, I.G. (eds.). The Atlantic Forest of South America: Biodiversity Status, Threats, and Outlook. Washington: Center for Applied Biodiversity Science CABS e Island Press, Washington, D.C. p. 43-59.

Silva, J.M.C. & Donoutti, A. 2001. Análise de Representatividade das Unidades de Conservação Federais de Uso Indireto na Floresta Atlântica e Campos Sulinos. Conservação Internacional. Brasil

Siqueira, M.F. & Peterson, A.T. 2003. Consequences of global climate change for geographic distributions of cerrado treespecies. Biota Neotropica 3: 1-14.

Tabarelli, M.; Pinto, L.P.; Silva, J.M.C.; Hirota, M.M. & Bedê, L.C. 2005. Desafios e oportunidades para a conservação da biodiversidade na Mata Atlântica brasileira. Megadiversidade. v. 1, n. 1.

Thomas, C.D.; Cameron, A.; Green, R.E.; Bakkenes, M.; Beaumont, L.J.; Collingham, Y.C.; Erasmus, B.F.N.; Siqueira, M.F.; Grainger, A.; Hannah, L.; Hughes, L.; Huntley, B.; van Jaarsveld, E. S.; Midgley, G. F.; Miles, L.; Ortega-Huerta, M.A.; Peterson, A.T.; Phillips, O.L. & Williams, S. E. 2004. Extinction risk from climate change. Nature 427: 145-148.

Verbeek, A.; Debackere, K.; Luwel, M. & Zimmermann, E. 2002. Measuring the progress and evolution in science and technology - I: The multiple uses of bibliometric indicators. International Journal of Management Reviews, 4(2): 179-211.

Wilson, J.R.U.; Proches, S.; Braschler, B.; Dixon, E.S. & Richardson, D.M. 2007. The (bio) diversity of science reflects the interests of society. Frontiers in Ecology and the Environment. v. 5. p. 409-414.

Downloads

Publicado

13/08/2020

Edição

Seção

Diálogos entre a Academia e a Gestão de Áreas Protegidas: Programa de Pós-Graduação Profissional