Animais Domésticos e o Risco de Zoonoses para a Fauna Silvestre na Área de Entorno do Parque Nacional da Tijuca

Autores

  • Gabriela Heliodoro JBRJ
  • Carlos Eduardo Verona Instituto Brasileiro para Medicina da Conservação/Tríade, Recife/PB, 51021-530 Zoológico do Rio de Janeiro S/A/RioZoo, Gerência Técnica, Rio de Janeiro/RJ, 20940-040
  • Rajão Henrique Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro/PUC-Rio, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Departamento de Biologia, Rio de Janeiro/RJ. CEP: 22451-900

DOI:

https://doi.org/10.37002/biobrasil.v10i2.1463

Resumo

Animais domésticos são potencialmente portadores de patogenias de risco para fauna nativa, ameaça constante em áreas urbanas, como o Parque Nacional da Tijuca (PNT) e sua zona de amortecimento, onde vivem em grande número nas comunidades do entorno. Assim como o PNT, o Jardim Botânico do Rio de Janeiro (JBRJ) sofre pressão da urbanização, abrigando, na fronteira com o PNT comunidade conhecida como Horto (CH), situação que aproxima fauna nativa, animais domésticos e homem. É imprescindível conhecer características de saúde, manutenção e manejo de animais domésticos no entorno das UCs para planejar ações protetivas à fauna silvestre, pois patogenias podem devastar populações silvestres, ou, em via inversa, servirem estas como amplificador de patogenias infecciosas, burlando ações de controle da saúde pública. O objetivo desse estudo é identificar presença potencial de agentes infecciosos de risco para fauna silvestre, realizando estimativa de animais domésticos ali domiciliados e inventário dos possíveis agentes infecciosos sanguíneos. Para tal utilizamos questionários tendo como informantes moradores da CHe Veterinários da região,além de dados da Equipe de Conservação da Fauna do JBRJ que serviram de apoio para as análises. Os animais da comunidade não se encontram representados nas clínicas da região, havendo animais não vacinados e negligenciados, principalmente entre gatos. Consideramos que existe risco para fauna nativa em diversos níveis e risco de reemergência de raiva felina, principalmente. A partir dos resultados obtidos podemos compreender características e crenças da comunidade, podendo estruturar estratégias para adequação da situação e replicação do estudo em outras comunidades.

Biografia do Autor

Gabriela Heliodoro, JBRJ

Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro/JBRJ, Equipe de Conservação da Fauna do Jardim Botânico do Rio de Janeiro/FAUNA - JBRJ, Rio de Janeiro/RJ, Brasil. CEP:22460-000

Referências

Bergallo, H.G.;Rocha, C.F.D.;Alves, M.A.S.;Van Sluys, M. 2000. A Fauna Ameaçada do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Editora UERJ, BRASIL.

Instituto de Pesquisa Jardim Botânico. 2003. Instituto Brasileiro de Administração Municipal. Plano diretor do Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: JBRJ, v.1, Janeiro.

BRASIL. 2018 Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Relatório do Trabalho Realizado Entre os Anos de 2013 a 2017 pelo Núcleo de Fauna do JBRJ. Rio de Janeiro: JBRJ,. 18P

BRASIL. 2014. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Patogenias Transmissíveis. Leptospirose: diagnóstico e manejo clínico / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Patogenias Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde.

BRASIL. MMA. 2010 Secretaria de Biodiversidade e Florestas. Quarto relatório nacional para a convenção sobre diversidade biológica. Brasília: MMA.

BRASIL. 2014(b). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância em Saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde.

Canevari, M.; Vaccaro. 2007. O Guia de mamíferos Del sur de America Del Sur. Buenos Aires: CDC. CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. National Centre for Infectious Diseases. Atlanta, USA. Disponível em http://www.cdc.gov/rabies/index.html. Acesso em 07 de maio de 2016.

Cheida, C. C.; Nakano-Oliveira, E.; Fusco-Costa, R. Rocha-Mendes, F.; Quadros, J. Ordem Carnivora. 2006. In: Reis, R. N.; Peracchi, A. L.; Pedro, W. A.; Lima, I. P. Mamíferos do Brasil. 2ed. Londrina

Chiarello, A. G.; Aguiar, L. M. S.; Cerqueira, R.; Melo, F. R.; Rodrigues, F. H. G.; Silva, V. M. F. 2008. Mamíferos Ameaçados de Extinção no Brasil. In: Machado, A. B. M.; Drummond, G. M.; Paglia, A. P. (Editores). Livro vermelho da fauna brasileira ameaçada de extinção.Brasília, DF: MMA; Belo Horizonte, MG: Fundação Biodiversitas.

Coimbra-Filho, A. F. 2000. Reintrodução do tucano-debico-preto (RamphastosvitellinusarielVigors, 1826) no Parque Nacional da Tijuca (Rio de Janeiro-RJ) e notas sobre sua distribuição geográfica. Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (n. série) 11/12: 189–200.

Costa, L. P.; Leite, Y. L.; Mendes, S. L.; Ditchfield, A. D. 2005Conservação de mamíferos no Brasil. MEGADIVERSIDADE. n.1, v.1.

Dalmoro, M.; Vieira, K. M. Dilemas na construção de escalas tipo Likert: o número de itens e a disposição influenciam nos resultados? Chapecó. Revista Organizacional, supl. Edição Especial Epistemologia e Métodos de Pesquisa. v.6, n.3, 2013. Acesso em: 12/07/2017. Disponível em: https://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/rgo/article/view/1386

Davidson, W. R.,Nettles, V. F.; Hayes, L. E.; Howerth, E. W.; Couvillion, C. E. 1992. Diseases diagnosed in Gray foxes (Urocyon cinereoargentateus) from the southeastern United States. Journal of Diseases, v. 28, p. 23-33..

De Angelo, C.; Paviolo, A.; Di Blanco, Y. 2008. Guia de huellas de los mamíferos de missiones y otras áreas Del subtrópico de Argentina. Tucumán, Argentina: Ediciones Del Subtrópicos.

Dias, V. A. C.; Ferreira, F. L. A. 2016. Babesiose canina: Revisão. PubVet, v.10, n.12, p.886-888.

Emmons, L. H. 1997. Neotropical rainforest mammals: a Field guide. Second edition. Chicago: The Chicago University Press.

Esbérard, C.E.L. 2003. Diversidade de morcegos em área de Mata Atlântica regenerada no sudeste do Brasil. Rev. bras. Zoociências, Juiz de Fora, v.5, n.2, p.189-204. FERNANDEZ, F.A.S.; FERREIRA, G. A.; NAKANO-OLIVEIRA, E.; ANDRIOLO, A.; GENARO, G. Spatial overlap between domestic cats and wild felines in an insular Atlantic Forest remnant. Animal Biology, v.68, n.4, 2018. DOI 10.1163/15707563-17000110.

FORNAZARI, F.; LANGONI, H. Principais zoonoses em mamíferos silvestres. Veterinária e Zootecnia, v.21, n.1, p.10-24, 2014. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/140902. Acesso em: 23/02/2018.

FREITAS, A. M. Mamíferos do Nordeste brasileiro: espécies continentais. Pelotas: USEB, 2012.

FUNK, S. M.: FIORELLO, C. V.; CLEAVELANDS, S.; GOMPPER, M. E. The role of disease in carnivore ecology and conservation. In: GITTLEMAN, J.L.; FUNK, S. M.; WAYNE, B. W.; MACDONALD, D. W. Carnivore Conservation. Cambridge: Cambridge University Press, 2001. p. 443-466.

GORDON, J. C.; ANGRICK, E. J. Canine parvovirus: environmental effects on infectives. American Journal of Veterinary Research.V.47, p.1464-1467, 1986.

GREENE, C. E.; APPEL, M. J. Canine Distemper. In: GREENE, C. E. (Ed.). Infectious diseases of the dog and cat. 2ed. Philadelphia: W.B. Saunders, 1998. p. 9-22.

HELIODORO, G. C. Censo de Masto Fauna Silvestre na Clínica de Animais Silvestres da Universidade Estácio de Sá, Vargem Pequena, Rio de Janeiro. 2014. 89f. Monografia (Especialização em Gestão de Biodiversidade) Escola de Botânica Tropical, do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro. 2014.

HORTA, M. C.; PINTER, A.; CORTEZ, A.; SOARES R. M.; GENNARI S.M.; SCHUMAKER, T. T. S.; LABRUNA, M.B. Rickettsiafelis (Rickettsiales: Rickettsiaceae) in Ctenocephalides felis felis (Siphonaptera: Pulicidae) in the State of São Paulo, Brazil. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, n.57, p.321-325, 2005.

HORTA, M. C.; LABRUNA, M. B.; PINTER, A.; LINARDI, P. M.; SCHUMAKER, T. T. S. Rickettsia infection in Five áreas of the state of São Paulo, Brazil. Memorias do Instituto Oswaldo Cruz, n.102, v.7, p.793-801, 2007.

HUGHES, J.; MACDONALD, D. W. A review of the interactions between free-roaming domestic dogs and wildlife. BiologicalConservation, v.154, p.341-351, 2013.

JONES, J. P. G.; ASNER, G. P.; BUTCHART, S. H. M.; KARANTH, K. U. The ‘why’, ‘what’ and ‘how’ of monitoring for conservation. In: MACDONALD, D. W.; WILLIS, K. J. Key Topics in Conservation Biology 2. Oxford: John Wiley& Sons, Ltd., 2013.

JORGE, R. S. P. Caracterização do estado sanitário dos carnívoros silvestres da RPPN SESC Pantanal e de animais domésticos da região. 2008. Tese (Doutorado em Ciências) Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade de São Paulo. 2008. 105 f.

KILGOUR, R. J.; MAGLE, S. B.; SLATER, M.; CHRISTIAN A.; WEISS, E.; DiTULLIO, M. Estimating free-roaming cat populations and the effects of one year Trap-Neuter-Return management effort in a highly urban área. Urban Ecosyst, v.20, p.207-216, 2017.

KRAUZE-GRYZ, D.; GRYZ, J.B.; GOSZCZYNSKI, J.; CHYLARECKI, P.; ZMIHORSKI, M.Thegood, the bad, and theugly: space use and intraguild interactions among three opportunistic predators — cat (Felis catus), dog (Canis lupus familiaris), and red fox (Vulpes vulpes) under human pressure. Canadian Journal of Zoology. v.90, n.12, 2012.

LAGES, S. L. S. Avaliação da população de cães e gatos com proprietário, e do nível de conhecimento sobre a Raiva e posse responsável em duas áreas contrastantes da cidade de Jaboticabal, São Paulo. 2009. 76f. Dissertação (mestrado em Medicina Veterinária) Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, 2009

LAGOS, A. R.; BELOTE, D. F.; BORDE, L. Q.; CORREA, T. F. L. KUTTER, K. R. Guia dos mamíferos da área de influência da usina hidrelétrica de Batalha. Rio de Janeiro: FURNAS, 2013.

LEULMI, H.; SOCOLOVSCHI. C.; LAUDISOIT, A.; HOUEMENOU, G.; DAVOUST, B. Detection of Rickettsia felis, Rickettsia typhi, Bartonella Species and Yersinia pestis in Fleas (Siphonaptera) from Africa. PLOS Neglected Tropical Diseases, n.8, v.10, e3152, 2014.

LINDENMAYER, D.; BURGMAN, M. Pratical Conservation Biology. Melbourne, Australia: Csiro Publishing, 2005.

LUNARDI, M.; DAROLD, G.M.; AMUDE, A.M.; HEADLEY, S.A.; SONNE, L.; YAMAUCHI, K.C.I.; BAOBAID, F.M.; ALFIERI, A. F.;ALFIERI, A.A.. Canine distemper vírus active infection in order Pilosa, family Mymercophagidae, species Tamandua tetradactila. Veterinary Microbiology. V.220, p. 07-11, 2018.

MARKS, B. K.; DUNCAN, R. S. Use of Forest Edges by Free-Ranging Cats and Dogs in na Urban Forest Fragment. Southeastern Naturalist, v.8, n.3, p.427-436, 2009.

MENDONÇA, L. E. T.; SOUTO, C. M.; ANDRELINO, L. L.; SOUTO, W. M. S.; WASHINGTON LUIZ DA SILVA VIEIRA, W. L. S.; ALVES, R. R. N. Conflitos entre pessoas e animais silvestres no Semiárido paraibano e suas implicações para conservação. Sitientibus, série Ciências Biológicas, v.11, n.2, p.185–199, 2011. Disponível em: https://s3.amazonaws.com/academia.edu.documents/42053684/Conflitos_entre_pessoas_e_animais_silves20160204-16811-

MOCELLIN, G.M.; SIMÕES, T.C., NASCIMENTO, T.F.S.; TEIXEIRA, M.L.F.; LOUNIBUS, L.P.; OLIVEIRA, R.L. Bromeliad-inhabiting mosquitoes in na urban botanical garden endemic Rio de Janeiro. Are bromeliasds productive habitats for the invasive vectors Aedes albopictus? Mem Inst Oswaldo Cruz, v.104, n.8 p.1171 – 1175, Dezembro 2009.

MORELL, V. Serengueti´s big cat going to the dogs.Science, n.264, v.23, 1994.

OLIVEIRA, S. N. Ectoparasitos hematófagos em mamíferos silvestres no Jardim Botânico do Rio de Janeiro. 2017. 37f. Monografia (Graduação em Ciências Biológicas) Faculdade de Ciências Biológicas, Universidade Veiga de Almeida. Rio de Janeiro. 2017.

PEIXOTO, H. C. Epidemiologia molecular de vírus da Raiva isolado de herbívoros e suínos procedentes da Amazônia Brasileira. 2012. Dissertação (Mestrado em Ciências). Faculdade de Medicina Veterinária e Zootécnica. Universidade de São Paulo. 2012. 92f.

PRIMACK, R.; RODRIGUES, E. Biologia da Conservação. Londrina: Editora Planta, 2002.

REED, S. E.; MERENLENDER, A. M. Effects of Management of Domestic Dogs and Recreationon Carnivores in Protected Areas in NorthernCalifornia. ConservationBiology, v.25, n.3, p.1-10, 2010.

REIS, N. R.; FREGONEZI, M. N.; PERACCHI, A. L.; SHIBATTA, O. A.; SARTORI, E. R.; ROSSANEIS, B. K.; SANTOS, V. R.; FERRACIOLI, P. Mamíferos terrestres de médio e grande porte da Mata Atlântica. Rio de Janeiro: Technical Books Editora, 2014.

RIO DE JANEIRO. Subsecretaria de Vigilância, Fiscalização Sanitária e Controle de Zoonoses. Raiva. 2018a. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/web/vigilanciasanitaria/raiva Acesso em: 21/07/2018.

RIO DE JANEIRO. Secretaria municipal de saúde. Casos Confirmados de Quirópteros Não Hematófagos no município do Rio de Janeiro. 2016a. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/igstatic/75/81/77/7581770.jpg Acesso em: 21/07/2018.

RIO DE JANEIRO. Secretaria municipal de saúde. Casos Confirmados de Quirópteros Não Hematófagos no município do Rio de Janeiro. 2017. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/igstatic/75/81/77/7581774.jpg Acesso em: 21/07/2018.

RIO DE JANEIRO. Secretaria municipal de saúde. Casos Confirmados de Quirópteros Não Hematófagos no município do Rio de Janeiro. 2018b. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/igstatic/78/82/04/7882043.jpg Acesso em: 21/07/2018.

RIO DE JANEIRO. Secretaria municipal de saúde. Número de Atendimentos para realização da Profilaxia da Raiva Humana* por Ano, Área Programática, Regiões Administrativas e Bairros de residência, Município do Rio de Janeiro: 2007 a 2018. 2018c. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/7156849/4196689/AARgeral.pdf Acesso em: 21/07/2018.

RIO DE JANEIRO. Secretaria municipal de saúde. Número de Agressões por Cães* por Ano, Área Programática, Regiões Administrativas e Bairros de residência, Município do Rio de Janeiro: 2007 a 2018. 2018d. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/7156849/4196688/AARcaes.pdf Acesso em: 21/07/2018.

RIO DE JANEIRO. Secretaria municipal de saúde. Número de Agressões por Gatos* por Ano, Área Programática, Regiões Administrativas e Bairros de residência, Município do Rio de Janeiro: 2007 a 2018. 2018e. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/7156849/4196691/AARgatos.pdf Acesso em: 21/07/2018.

RIO DE JANEIRO. Secretaria municipal de saúde. Número de Agressões por Morcegos* por Ano, Área Programática, Regiões Administrativas e Bairros de residência, Município do Rio de Janeiro: 2007 a 2018. 2018f. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/7156849/4196690/AARmorcego.pdf Acesso em: 21/07/2018.

RIO DE JANEIRO. Secretaria Municipal de Saúde. Número de Casos Confirmados de Leishmaniose Visceral Humana por Ano, Área Programática, Regiões Administrativas e Bairros, Município do Rio de Janeiro: 2007 a 2018. 2018g. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/7263738/4207415/Leishmaniosevisceralcasos.pdf Acesso em: 21/07/2018.

RIO DE JANEIRO. Secretaria Municipal de Saúde. Número de Casos Confirmados de Leptospirose por Ano, Área Programática, Regiões Administrativas e Bairros, Município do Rio de Janeiro: 2007 a 2018. 2018h. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/7263723/4198851/Leptospirosecasos.pdf Acesso em: 21/07/2018.

RIO DE JANEIRO. Secretaria municipal de saúde. Lista Nacional de Notificação Compulsória (Portaria GM/MS no 204 de 17 de fevereiro de 2016). 2016b. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/4364979/4155726/SVS_NotifCompulsoria.pdf Acesso em: 21/07/2018.

RIO DE JANEIRO. Secretaria Estadual de Saúde. Resolução SES Nº 674/2013. De 12 de julho de 2013. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/4364979/4115670/ResolucaoSESN674DE12.07.2013.pdf Acesso em: 24/06/2018.

SIGRIST, T. Mamíferos do Brasil. Vinhedo, SP: Avisbrasilis, 2012.

SILVA, I. P. M. Erliquiose canina: revisão de literatura. Revista Científica de Medicina Veterinária, v.13, n.24, Jan. 2015.

TRZYNA, T. UrbanProtectedAreas: Profiles andbestpracticeguidelines. Best PracticeProtectedAreaGuidelines Series No. 22, Gland, Switzerland: IUCN: 2014. ISBN: 978-2-8317-1652-7. Disponível em: file:///C:/Users/Gabi/Dropbox/MASTERS/bb/fazer%20ref/018-06-20/PAG-022.pdf Acesso em: 12/4/2018.

VASCONCELLOS, S. A. Zoonoses e saúde pública: riscos causados por animais exóticos. Biológico, São Paulo, v.63, n.1/2, p.63-65, jan./dez., 2001. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Silvio_Vasconcellos/publication/264877267_ZOONOSES_E_SAUDE_PUBLICA_RISCOS_CAUSADOS_POR_ANIMAIS_EXOTICOS/links/5681202d08ae051f9aec28f4/ZOONOSES-E-SAUDE-PUBLICA-RISCOS-CAUSADOS-POR-ANIMAIS-EXOTICOS.pdf. Acesso em: 13/05/2018.

WADA, M.Y.; ROCHA, S.M.; MAIA-ELKHOURY, A.N.S. Situação da Raiva no Brasil, 2000 a 2009. Epidemiologia e Serviços de Saúde. v.20 n.4. 2011. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742011000400010 Acesso em: 20/06/2018

Downloads

Publicado

13/08/2020

Edição

Seção

Diálogos entre a Academia e a Gestão de Áreas Protegidas: Programa de Pós-Graduação Profissional