Avanço de Urochloa decumbens (Stapf) R.D. Webster (Poaceae) sobre Remanescente de Floresta Nativa no Parque Nacional da Serra da Bodoquena

Autores

  • José Guilherme Dias de Oliveira Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade
  • Luiz Fernando Duarte de Moraes Embrapa
  • Tânia Sampaio Pereira Instituto de Pesquisa Jardim Botânico do Rio de Janeiro
  • Geraldo Alves Damasceno Junior Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

DOI:

https://doi.org/10.37002/biobrasil.v10i2.1481

Resumo

A substituição da floresta nativa por gramíneas exóticas para a formação de pastagens é um processo que envolve a destruição de habitat, seguido pela introdução de espécies exóticas invasoras. O Parque Nacional da Serra da Bodoquena ocupa uma área de 76.481 ha, incluindo florestas naturais e pastagens abandonadas remanescentes, o que representa uma ameaça à conservação da biodiversidade local. Este estudo analisou a dinâmica da matriz dominada por Urochloa decumbens em remanescentes da Floresta Estacional Decidual dentro do Parque, durante 30 anos, usando imagens de satélite, avaliando a tendência de regeneração natural. A matriz de Urochloa cobre 1.268,9 (36,9%) da área de estudo, de 3.434,50 hectares. Nossos resultados indicam que a matriz de Urochloa se expandiu sobre os remanescentes florestais nativos, provavelmente devido à ocorrência de incêndio próximo às margens da floresta, o que pode impactar negativamente a regeneração natural. Oito meses após um incêndio em 2013, verificou-se que a área da matriz dominante na grama substitui 203,1 hectares de floresta. Nesse contexto, são necessárias ações de restauração, principalmente aquelas voltadas ao controle de incêndio e ao restabelecimento da estrutura e funcionalidade das florestas estacionais nas áreas hoje ocupadas por pastagens abandonadas.

Biografia do Autor

José Guilherme Dias de Oliveira, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal da Bahia (2009) e  em Engenharia Civil pela Universidade Estadual de Campinas (1995), especialização em Gestão e Manejo Ambiental em Sistemas Florestais pela Universidade Federal de Lavras (2009) e em Economia Baiana pela Universidade de Salvador (2002), mestrado em Ecologia Aplicada, Biodiversidade em Unidades de Conservação pelo Instituto de Pesquisa Jardim Botânico do Rio do Janeiro (2014). Atualmente é Analista Ambiental do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, trabalhando no Núcleo de Gestão Integrada - ICMBio Ibirama, que congrega as gestões da Área de Relevante Interesse Ecológico Serra da Abelha e da Floresta Nacional de Ibirama, lidando com questões relativas à gestão de Unidades de Conservação: fiscalização ambiental; educação ambiental; conservação da biodiversidade; gestão participativa; administração pública; pesquisa científica e monitoramento; uso público; controle de espécies exóticas invasoras e restauração ecológica de ecossistemas naturais. 

Luiz Fernando Duarte de Moraes, Embrapa

Graduado em Engenharia Agronômica pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (1985) com doutorado em Agronomia (Ciências do Solo) pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (2005), com a tese abordando o uso de indicadores edáficos e ecológicos para a avaliação de ações de restauração ecológica em Floresta Atlântica (Ombrófila Densa). Enquanto atuava como analista ambiental do Ibama, entre 2007 e 2008, fez o pós-doutorado com o grupo de Química Orgânica da Universidade de Cádiz, na Espanha, investigando o potencial alelopático de espécies presentes na Mata Atlântica brasileira. Em 2010 ingressou por concurso público na Embrapa Agrobiologia, onde trabalha atualmente como pesquisador A. Desde 2011 compõe o corpo docente permanente do Mestrado Profissional Biodiversidade em Unidades de Conservação, da Escola Nacional de Botânica Tropical / Instituto de Pesquisa Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Sua linha de pesquisa principal é a Restauração Ecológica de Áreas Degradadas em Mata Atlântica, com destaque para a identificação dos atributos funcionais de espécies arbóreas nativas e o uso desses atributos para seleção de espécies visando à restauração ecológica e à composição de sistemas agroflorestais. Investiga também o potencial alelopático de espécies da Mata Atlântica, verificando a possibilidade da atividade alelopática combater espécies invasoras que prejudiquem o avanço da sucessão ecológica em ações de restauração. É membro fundador da Rede Brasileira de Restauração Ecológica (REBRE) e da Sociedade Brasileira de Restauração Ecológica (SOBRE), de cuja diretoria é atualmente o segundo secretário. Desde julho de 2018 faz parte da diretoria da Sociedade Internacional de Restauração Ecológica (SER), na qualidade de representante regional para a América Latina e o Caribe.

Tânia Sampaio Pereira, Instituto de Pesquisa Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Santa Úrsula (1980), mestrado em Ciências Biológicas (Botânica) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1986) e doutorado em Ecologia pela Universidade de São Paulo (1998). Pesquisador Aposentado pelo Instituto de Pesquisa Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

Geraldo Alves Damasceno Junior, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (1987), mestrado (1997) e doutorado (2005) em Biologia Vegetal pela Universidade Estadual de Campinas e pós doutorado na Universidade de Hamburgo (2014). Atualmente é professor da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em fitogeografia, florística e fitossociologia, ecologia de comunidades vegetais, atuando principalmente nos seguintes temas: áreas inundáveis, Pantanal, dispersão, florestas estacionais, florestas ripárias, campos inundáveis e suas relações com a inundação, solos e o fogo.

Referências

Bacani, V.M. 2016. Geoprocessing applied to risk assessment of forest fires in the municipality of Bodoquena, Mato Grosso do Sul. Revista Árvore, 40 (6): 1003-1011.

Bovo, A. A. A., Ferraz, K. M. P. M. B., Magioli, M., Alexandrino, E. R., Hasui, É., Ribeiro, M. C., & Tobias, J. A. 2018. Habitat fragmentation narrows the distribution of avian functional traits associated with seed dispersal in tropical forest. Perspectives in Ecology and Conservation, 16(2), 90–96.

Brancalion, P. H. S., Melo, F. P. L., Tabarelli, M., & Rodrigues, R. R. 2013. Biodiversity persistence in highly human-modified tropical landscapes depends on ecological restoration. Tropical Conservation Science, 6(6), 705–710.

Catterall, C. P. 2016. Roles of non-native species in large-scale regeneration of moist tropical forests on anthropogenic grassland. Biotropica 48: 809–824.

Cheung, K.C.; Marques, M.C.M. & Liebsch, D. 2009. Relação entre a presença de vegetação herbácea e a regeneração natural de espécies lenhosas em pastagens abandonadas na Floresta Ombrófila Densa do Sul do Brasil. Acta Bot. Bras. 23: 1048-1056.

Costa, M.B.; Menezes, L.F.T; Nascimento, M.T. 2017. Post-fire regeneration in seasonally dry tropical forest fragments in southeastern Brazil. Anais da Academia Brasileira de Ciências, 89 (4): 2687-2695.

D’Antonio, C. M. & Vitousek, P. M. 1992. Biological invasions by exotic grasses, the grass/fire cycle, and global change. Annual Review of Ecology and Systematics 23: 63–87.

Felfili, J. M. 2003. Fragmentos florestais estacionais do Brasil central: diagnóstico e proposta de corredores ecológicos. In: Costa, R. B. Fragmentação florestal e alternativas de desenvolvimento rural na região Centro-Oeste, UCDB: 139-160.

Guedes, B.J.; Massia, K.G.; Evers, C.; Nielsen-Pincus, M. 2020. Vulnerability of small forest patches to fire in the Paraiba do Sul River Valley, southeast Brazil: Implications for restoration of the Atlantic Forest biome. Forest Ecology and Management, 465. https://doi.org/10.1016/j.foreco.2020.118095

Heymann, Y.; Steemans, C.; Croisille, G. & Brossard, M. 1994. Corine land cover project technical guide. European Comission, Directorate General Environment, Nuclear Safety and Civil Protection, ECSC-EEC-EAEC, Brussels, Luxemburg. 136pp

ICMBio. 2013. Plano de Manejo do Parque Nacional da Serra da Bodoquena.

McDonald, T., Gann, G. D., Jonson, J., & Dixon, K. W. 2016. International Standards for the Practice of Ecological Restoration – including Principles and Key Concepts. (First edition: December 2016), 48p.

Metzger, J. P. 2010. O Código Florestal tem base científica? Natureza & Conservação, v. 8: 92-99.

Oliveira, A. K. M; Fernandes, V. Garnés, S. J. A & Santos, C. R. B. 2009. Avaliação da perda de vegetação arbórea nativa na Serra da Bodoquena, Mato Grosso do Sul, por meio de sensoriamento remoto. R. RA’E GA, 17: 43-52.

Paranhos-Filho, A. C.; Lastoria, G. & Torres, T. G. 2008. Sensoriamento Remoto Ambiental Aplicado: introdução às geotecnologias. UFMS, Campo Grande-MS: 198p.

Peres, C. A., T. A. Gardner, J. Barlow, J. Zuanon, F. Michalski, A. C. Lees, I. C. G. Vieira, F. M. D. Moreira & K. Feeley. 2010. Biodiversity conservation in human-modified Amazonian forest landscapes. Biological Conservation 143: 2314-28.

Pott, A. & Pott, V.J. 2003. Espécies de fragmentos florestais em Mato Grosso do Sul. In: Costa, R. B. Fragmentação florestal e alternativas de desenvolvimento rural na região Centro-Oeste, UCDB: 26-52.

Prado, D. E.; Gibbs, P. E. 1993. Patterns of species distribution in the dry seasonal forests of South America. Ann. Missouri Bot. Gard. V. 90, p. 902-927.

Ramos I., Gonzalez C. G., Urrutia A. L. 2018. Combined effect of matrix quality and spatial heterogeneity on biodiversity decline. Ecol Complex 36:261–267.

Reis, B.P.; Zatelli, K.S.; Torres, F.T.P.; Martins, S.V. 2018. Influence of Fire on the Natural Regeneration of a Semideciduous Seasonal Rainforest Fragment. Floresta e Ambiente; 25(4): p. e20170174.

Ribeiro, M.C.; Metzger, J.P.; Martensen, A.C.; Ponzoni, F.J.; Hirota, M.M. 2009. The Brazilian Atlantic Forest: How much is left, and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation. Biological Conservation, 142: 1141–1153.

Rocha-Santos, L., Pessoa, M. S., Cassano, C. R., Talora, D. C., Orihuela, R. L. L., Mariano-Neto, E., Cazetta, E. 2016. The shrinkage of a forest: Landscape-scale deforestation leading to overall changes in local forest structure. Biological Conservation, 196: 1-9.

Scarano, F. R., & Ceotto, P. 2015. Brazilian Atlantic forest: impact, vulnerability, and adaptation to climate change. Biodiversity and Conservation, 24 (9): 2319–2331.

Silva, N. M. 2008. Dinâmica de uso das terras nos municípios de Bonito, Jardim e Bodoquena (MS) e o estado e conservação dos recursos biológicos do Parque Nacional da Serra da Bodoquena e de sua zona de amortecimento. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo. 222p.

Tambosi, L. R., Martensen, A. C., Ribeiro, M. C., & Metzger, J. P. (2014). A framework to optimize biodiversity restoration efforts based on habitat amount and landscape connectivity. Restoration Ecology, 22(2), 169–177.

Torres, R.C. & Renison, D. 2015. Effects of vegetation and herbivores on regeneration of two tree species in a seasonally dry forest. Journal of Arid Environments 121: 59-66.

Vieira, D.L.M. & Scariot, A. 2006. Principles of Natural Regeneration of Tropical Dry Forests for Restoration. Restoration Ecology, 14 (1): 11-20.

Wills, J., Herbohn, J., Moreno, M. O. M., Avela, M. S., & Firn, J. 2017. Next-generation tropical forests: reforestation type affects recruitment of species and functional diversity in a human-dominated landscape. Journal of Applied Ecology, 54 (3): 772-783.

Downloads

Publicado

13/08/2020

Edição

Seção

Diálogos entre a Academia e a Gestão de Áreas Protegidas: Programa de Pós-Graduação Profissional