Influência da Exploração Florestal nas Populações de Espécies Ameaçadas de Extinção na FLONA do Jamari, RO

Autores

  • Sccoti Volpato Sccoti Universidade Federal de Rondônia
  • Evair Moreira de Souza Universidade Federal de Rondônia

DOI:

https://doi.org/10.37002/biobrasil.v10i3.1637

Resumo

A Portaria n. 443, de 17 de dezembro de 2014, reconhece 2.113 espécies da flora brasileira como ameaçadas de extinção e as classifica em quatro categorias de ameaça (extintas na natureza, criticamente em perigo, em perigo, vulnerável). As unidades de conservação desempenham importante papel para a manutenção das populações dessas espécies. Porém, essas populações podem ser afetadas mediante a influência antrópica. Nesse sentido, o presente trabalho teve por objetivo avaliar os padrões estruturais e ecológicos de espécies ameaçadas de extinção ocorrentes na Floresta Nacional do Jamari, RO, após exploração madeireira. Foram marcadas, de forma aleatória, 12 parcelas de 0,5ha em duas unidades de produção anual na unidade de manejo florestal III. Nas parcelas, inventariaram-se todos os indivíduos arbóreos com DAP ≥ 10,0cm. De posse da lista da composição florística obtida da amostra, foram selecionadas para o estudo as espécies constantes no livro vermelho de espécies ameaçadas de extinção e as espécies de importância econômica que ocorrem de forma restrita, de acordo com o plano de manejo da unidade de conservação. Foram gerados os descritores fitossociológicos para as espécies, taxa de mortalidade, ingresso, crescimento, padrões de distribuição espacial e estrutura diamétrica. Observaram-se na composição florística da amostra seis espécies classificadas como vulnerável (VU) e uma espécie de importância econômica com ocorrência restrita. As espécies, na sua maioria, apresentaram ocorrência rara. Não houve alterações significativas na estrutura após exploração, porém é importante monitorar e avaliar a necessidade de tratamentos silviculturais, principalmente para as espécies que constam no plano de manejo florestal.

Referências

AMATA. 2009. Plano de Manejo Florestal Suntentável. 142p.

Alvares CA, Stape JL, Sentelhas PC, De Moraes G, Leonardo,J, Sparovek G. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, 22(6): 711-728, 2013.

Andrade RT, Pansini S, Sampaio AF, Ribeiro MS, Cabral GS, Manzatto AG. Fitossociologia de uma floresta de terra firme na amazônia Sul-Ocidental, Rondônia, Brasil. Biota Amazônia, 7: 36-43, 2017.

Balzon DR, Silva JC, Santos AJ. Aspectos mercadológicos de produtos florestais não madeireiros – Análise retrospectiva. Floresta, 34(3):363-371, 2014.

Barros, PLC, Machado SA. 1984. Aplicação do índice de dispersão em espécies de florestas tropicais da Amazônia Brasileira. FUPEF. 44p

BRASIL. 2000. Lei nº 9.985. Dispõe sobre sistema nacional de unidades de conservação (SNUC). <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9985.htm> (Acesso em 31 de maio de 2018).

BRASIL. 2006. Lei Nº 11.284. A gestão de florestas públicas para a produção sustentável. <http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=485> (Acesso em 8/05/ 2018).

Coelho FD, Pinto MP, Neto PN, Gomes JM, Soares MH, Ruschel AR. Estrutura populacional da castanheira (bertholletia excelsa) no parque zoobotânico de Marabá, Pa. Anais do XIII Seminário Anual de Iniciação Científica da UFRA. 2015. <https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/137098/1/Estrutura1.pdf> (Acesso em 15/01/2018).

Condé TM, Tonini H. Fitossociologia de uma floresta ombrófila densa na amazônia setentrional, Roraima, Brasil. Acta Amazonica, 43(3): 250-260, 2013.

Giulietti AM, Harley RM, Queiroz LP, Wanderley M, Van Den Berg C. Biodiversidade e conservação das plantas. Megadiversidade, 1(1): 53-61, 2005.

INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). A estimativa da taxa de desmatamento por corte raso...INPE. <http://www.inpe.br/noticias/noticia.php?Cod_Noticia=5294>. (Acesso em 08/04/2020).

ISA. Instituto Socioambiental. Flona do Jamari. 2018. < https://uc.socioambiental.org/pt-br/uc/3332>. (Acesso em 05/06/2018).

IUCN IUCN red list categories e criteria. The IUCN Red List of Threatened Species, 2012. . (Acesso em 22/03/2018).

Jacobsen RHF. Impactos na vegetação após corte seletivo em área de concessão florestal na Amazônia Ocidental. Dissertação (Mestrado acadêmico em Ciências Ambientais) - Fundação Universidade Federal de Rondônia, 2017.70p.

Leitão RP, et al. Rare species contribute disproportionately to the functional structure of species assemblages. The Royal Society Publishing, 283:1-6, 2016. < https://royalsocietypublishing.org/doi/pdf/10.1098/rspb.2016.0084> (Acesso em 10/06/ 2018).

Lima, B de A, et al, Estrutura e dinâmica florestal sob efeito do manejo madeireiro na Flona do Tapajós. Advances in Forestry Science, 5(4): 437-443, 2018.

Martinelli G, Moraes MA. 2013. Livro vermelho da flora no Brasil. Ed. CNFLORA. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.1100p.

MMA. Ministério do Meio Ambiente. 2005. Plano de Manejo da Floresta Nacional do Jamari. 135p. < https://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/docs-planos-de-manejo/flona_jamari_pm_anexos.pdf> (Acesso em 08/2018)

MMA. Ministério do Meio Ambiente. Portaria nº 443. Atualização da lista de espécies ameaçadas de extinção da flora brasileira. 2014. < http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/static/pdf/portaria_mma_443_2014.pdf> (Acesso em 08/04/2020).

Pedrozo EÁ, Silva TN, Sato SA, Oliveira ND. produtos florestais não madeiráveis (PFNMS): As filières do açaí e da castanha da Amazônia. Revista de Administração e Negócios da Amazônia - RARA, 3: 88-112, 2011.

Peres CA, Baider C. Seed dispersal, spatial distribuition and population structure of Brazil nut trees (Bertholletia Excelsa) in Soltheastern Amazônia. Journal of Tropical Ecology, 13(4): 595-616, 1997.

Putz FE, et al. Improved tropical forest management form carbon retention. Plos Biology, 6(7): 1368-1369, 2008.

RONDÔNIA. 2010. Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental (SEDAM). Boletim Climatológico de Rondônia, ano 2008. SEDAM, Porto Velho, p.36.

Sccoti MSV. 2016. Análise da dinâmica da vegetação após exploração na concessão florestal da Flona do Jamari, RO. Relatório de Pesquisa Projeto CNPQ. 39p.

SFB. Serviço Florestal Brasileiro. Balanço de produção - Jamari, RO, 2017. <http://www.florestal.gov.br/florestas-sob-concessao/96-concessoes-florestais/florestas-sob-concessao/jamari/370-balanco-de-producao-jamari> (Acesso em 20 de Maio de 2018).

Silva AA, Santos MK, Gama RJ, Vasconcelos R, Leão S. Potencial do extrativismo da Castanha-do-Pará na geração de renda em comunidades da mesorregião baixo Amazonas, Pará. Floresta e Ambiente, 20(4): 500-509, 2013.

Silva JNM, et al. 2005. Diretrizes para instalação e medição de parcelas permanentes em florestas naturais da Amazônia Brasileira. Belém, PA: Embrapa Amazônia Oriental. 68p.

SFB. Serviço Florestal Brasileiro. Balanço de produção - Jamari (RO) <http://www.florestal.gov.br/florestas-sob-concessao/96-concessoes-florestais/florestas-sob-concessao/jamari/370-balanco-de-producao-jamari> (Acesso em 08/04/2020).

Souza AL, Soares CB. 2013. Floresta Nativa: estrutura, dinâmica e manejo. Editora: UFV. 322p.

Souza MS, Azevedo CP, Souza CR, França M, Neto ELV. Dinâmica e produção de uma floresta sob regime de manejo sustentável na Amazônia central. Floresta, 47(1): 55-64, 2017.

Tonini H, Costa P, Kaminski PE. Estrutura e produção de duas populações nativas de castanheira-do-brasil em Roraima. Floresta, 38(3): 445-457, 2008.

Downloads

Publicado

20/10/2020

Edição

Seção

Fluxo contínuo