Monitoramento Microclimático de Grutas Turísticas em Minas Gerais: Análise Preliminar dos Dados de Temperatura e Umidade Relativa do Ar em Sete Cavernas do Parque Nacional Cavernas do Peruaçu

Autores

  • Mauro Gomes Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade/Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Cavernas
  • Darcy Santos Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade/Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Cavernas
  • Luiz Travassos Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
  • Úrsula Ruchkys Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.37002/biobrasil.v11i4.1767

Palavras-chave:

Espeleoclima , variabilidade meteorológica, Parque Nacional Cavernas do Peruaçu

Resumo

Os primeiros trabalhos relacionados ao monitoramento climático de cavernas no Brasil são da década de 1960 e foram caracterizados pela baixa densidade amostral (períodos inferiores a um ano) e medições isoladas de temperatura e umidade em cavernas abertas à visitação turística. As pesquisas mais recentes passaram a incorporar novos métodos e tecnologias, como, por exemplo, o uso de registradores automáticos de dados. O Projeto Monitoramento Microclimático de Grutas Turísticas em Minas Gerais pretende realizar um monitoramento de longa duração, previsto para 6 anos, e o presente manuscrito apresentou os resultados da primeira fase do projeto, compreendendo o monitoramento realizado entre os anos de 2017 e 2019 em sete cavernas do Parque Nacional Cavernas do Peruaçu. Para esta análise, foram instalados, no interior e próximo à entrada das cavernas, 41 medidores automatizados, que registraram e armazenaram dados de temperatura e umidade a cada 10 minutos. Os resultados mostram que a caverna Lapa Bonita apresenta a menor temperatura média (20,79°C) e a Lapa dos Desenhos a maior temperatura média (24,07°C). Em relação à umidade relativa do ar, a Lapa dos Desenhos apresenta os menores valores, com média de 62,56% e a Lapa Bonita os maiores, com média de 85,28% entre todas as cavernas avaliadas e para o período estudado. Os resultados da pesquisa também indicam que, dentre todas as cavernas avaliadas, a Lapa Bonita é aquela que apresenta as menores variações desses parâmetros, com desvio padrão de 0,54 para a temperatura e 9,96 para umidade. O conhecimento das características microclimáticas de cada caverna obtido com os dados do monitoramento pode auxiliar a gestão do parque nacional na adoção de novos limites em relação à capacidade de carga atualmente estabelecida para cada um desses atrativos. 

Referências

Aljančič M, Pipan T & Gabrovšek F. 2016. eLTER VA Postojna Planina CS microclimate data. Data Reporting. <https://b2share.eudat.eu/records/4c9a394ef06d47e1 aa2867fb4127049f>. Acesso em: 22/03/2021.

change. International Journal of Speleology, 33: 103- 113, 2004.

Badino G. Underground meteorology – “What’s the weather underground?” Acta Carsologica, 39(3): 427- 448, 2010.

Brasil. 1999. Decreto s/no, de 21 de setembro de 1999. <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/DNN/ Anterior%20a%202000/1999/Dnn8403.htm>. Acesso em: 11/01/2021.

Calaforra JM, Fernández-Cortéz F, Sánchez-Martos F, Gisbert J & Pulido-Bosch A. Environmental control for determining human impact and permanent visitor capacity in a potential show cave before tourist use. Environmental Conservation, 30(2): 160-167, 2003.

Cigna AA. Environmental management of tourist caves. Environmental Geology, 21(3): 173-180, 1993.

Coura JF & Hashizume BR. 1975. Província espeleológica de Januária. p. 9-12. In Anais do 10º Congresso Nacional de Espeleologia. Sociedade Brasileira de Espeleologia. Ouro Preto, MG. < http:// www.cavernas.org.br/anaiiscbe/10cbe_009-012.pdf>. Acesso em: 11/01/2021.

Hijmans RJ, Cameron SE, Parra JL, Jones PG & Jarvis A. Very high-resolution interpolated climate surfaces for global land areas. International Journal of Climatology, 25: 1965-1978, 2005.

IBAMA. Parque Nacional Cavernas do Peruaçu – Plano de manejo. Brasília, DF: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, 2005.

Kohler HC, Piló LB & Moura MTT. 1989. Aspectos geomorfológicos do Sítio Arqueológico Lapa do Boquete. 46p. In Anais do 3º Congresso da ABEQUA. Rio de Janeiro, RJ.

Lobo HAS. Circulação microclimática entre superfície, grandes dolinas e cavernas no carste de São Desidério, Bahia. Sociedade & Natureza. 25(1): 163-178, 2013.

Lobo HAS. Espeleoclima e suas aplicações no manejo do turismo de cavernas. Revista do Departamento e Geografia – USP. 23: 27-54, 2012.

Lobo HAS. 2011. Estudo da dinâmica atmosférica subterrânea na determinação da capacidade de carga turística na Caverna de Santana (PETAR, Iporanga- SP). Rio Claro, SP: Tese (Doutorado em Geociências e Meio Ambiente). Universidade Estadual Paulista. 392p.

Lobo HAS. Histórico das pesquisas espeleoclimáticas em cavernas brasileiras. Espeleo-Tema, 21(2): 131-144, 2010.

Lobo HAS, Boggiani P & Berinotto J. Speleoclimate dynamics in Santana Cave (PETAR, São Paulo State, Brazil): general characterization and implications for tourist management. International Journal of Speleology, 44(1): 61-73, 2015.

Lobo HAS, Perinotto JAJ & Boggiani PC. Monitoramento espeleoclimático do trecho turístico da Caverna Santana (Petar, SP). Mercator, 13(2): 227- 241, 2014.

Lobo HAS, Perinotto JAJ & Poudou S. Análise de agrupamentos aplicada à variabilidade térmica da atmosfera subterrânea: Contribuição ao zoneamento ambiental microclimático de cavernas. Revista de Estudos Ambientais, 11(1): 22-35, 2009.

Longhitano GA, Rocha BN & FurlanSA. Caracterização microclimática da Gruta Colorida – Parque Estadual de Intervales, SP. p. 187-193. In: Congresso Brasileiro de Espeleologia, 29, 2007. Ouro Preto, MG: Sociedade Brasileira de Espeleologia, 2007.

Moura MTT. 1997. A evolução do sítio arqueológico Lapa do Boquete na paisagem cárstica do Vale do Rio Peruaçu: Januária (MG). São Paulo, SP. Dissertação (Mestrado em Geografia) Universidade de São Paulo. 220p.

Nascimento AZA & Molinari DC. Caracterização microclimática preliminar da Gruta do Maroaga: município de Presidente Figueiredo (AM). Revista Geonorte, 2(4): 792-803, 2012.

Peel MC, Finlayson BL & McMahon TA. Updated world map of the Köppen-Geiger climate classification, Hydrology and Earth System Sciences, 11: 1633-1644, 2007.

Piló LBA. 1989. Morfologia cárstica do baixo curso do Rio Peruaçu, Januária, Itacarambi-MG, Belo Horizonte, MG. Dissertação (Mestrado em Geografia). Universidade Federal de Minas Gerais. 80p.

Pulido-Bosch A, Martín-Rosales W, López-Chicano M, Rodríguez-Navarro CM & Valllejos A. Human impact in a tourist karstic cave (Aracena, Spain). Environmental Geology, 31(June): 142-149, 1997.

Rocha BN & Galvani E. Microclima de ambientes cavernícolas: Estudo de caso da Gruta da Santa, Parque Estadual de Intervales, SP. Revista Brasileira de Climatologia, 9: 21-34, 2011.

Schobbenhaus C & Neves BBB. 2003. A geologia do Brasil no contexto da Plataforma Sul-Americana. In: BIZZI LA et al. (Eds.) Geologia, Tectônica e Recursos Minerais do Brasil. Brasília, DF: CPRM. 55p.

Šebela S & Turk J. Impact of peak period visits on the Postojna Cave (Slovenia) microclimate.

Theoretical and Applied Climatology, 111(1-2): 51-64, 2013.

Šebela S & Turk J. Natural and anthropogenic influences on the year-round temperature dynamics of air and water in Postojna show cave, Slovenia. Tourism Management, 40: 233-243, 2014.

Silva LA. 1975. Relatório de excursão: Januária, MG. p. 5-8. In Anais do 10º Congresso Nacional de Espeleologia. Sociedade Brasileira de Espeleologia. Ouro Preto, MG.

<http://www.cavernas.org.br/anaiiscbe/10cbe_005-008. pdf>. Acesso em: 11/01/2021.

Stoeva P & Stoev A. Cave air temperature response to climate and solar and geomagnetic activity. 76: 1042-1047, 2005.

Travassos LEP. 2010. A importância cultural do carste e das cavernas. Belo Horizonte, MG. Tese (Doutorado em Tratamento da Informação Espacial) – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, 372p.

Travassos LEP. 2016. Assesment of natural and atropogenic process in micrometeorology of Postojna cave system by numerical models and modern methods of data aquisition and transfer. Report (Post Doctoral Research) – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais & Research Centre of the Slovenian Academy of Sciences and Arts. Postojna. 173p.

Veríssimo CUV, Sousa AEBA, Ricardo JM, Barcelos AC, Neto JAN & Reis MGM. 2003. Microclima e

espeleoturismo na Gruta de Ubajara, CE. p. 232-240. In: Anais do 27º Congresso Brasileiro de Espeleologia. Sociedade Brasileira de Espeleologia. Januária, MG <http://www.cavernas.org.br/anaiiscbe/27cbe_232-240.

pdf>. Acesso em: 11/01/2021.

Downloads

Publicado

28/10/2021

Edição

Seção

Análise de Componentes do Sistema Climático e a Biodiversidade no Brasil