Estimativa dos Impactos Ambientais e Socioeconômicos dos Últimos 3 Grandes Eventos de Seca (2005, 2010 e 2015) na Amazônia

Autores

  • WALDEIR DOS SANTOS PEREIRA UFOPA
  • GABRIEL BRITO COSTA UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ
  • DUANY THAINARA CORRÊA DA SILVA UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ
  • LETÍCIA VICTÓRIA DOS SANTOS MATIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ
  • ANA CAROLINE DA SILVA MACAMBIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ
  • MARCELO DE ALMEIDA HEIDEMANN UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ
  • NATAN BARBOSA ALMADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ
  • ADAILTON SILVA SANTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

DOI:

https://doi.org/10.37002/biobrasil.v11i4.1776

Palavras-chave:

Clima , eventos extremos, precipitação

Resumo

O objetivo deste trabalho foi analisar os impactos das secas ocorridas nos anos de 2005, 2010 e 2015, na região Amazônica, quanto a fatores ambientais (temperatura do ar, umidade relativa, risco de incêndios florestais) e socioeconômicos (consumo de energia elétrica). Foram analisados dados de temperatura e umidade relativa do ar de 41 estações meteorológicas de um período de 38 anos estimando os riscos de incêndios florestais (pela Fórmula de Monte Alegre), e dados estaduais de consumo de energia elétrica, distintos por tipo de consumo (residencial, industrial, comercial ou rural) e média anual registrada. Os resultados mostraram que as secas em análise, embora tenham gêneses diferentes (2005 devido às anomalias no atlântico, 2010 e 2015 devido aos fortes El Niños), tiveram fortes impactos ambientais (médias diárias de temperatura do ar acima de 32°C, valores de umidade relativa do ar próximos de 20%, fator de risco de ocorrência de incêndios florestais muito alto) e socioeconômicos (aumento no consumo de energia elétrica em até 200GWh nos anos de seca, principalmente no modo residencial), indicando que anos com previsão de ocorrência de secas severas como os estudados neste trabalho precisam do preparo do poder público quanto aos efeitos da elevação das temperaturas e do consumo energético, necessitando medidas profiláticas quanto aos impactos negativos gerados. 

Referências

Alvares CA, Cegatta IR, Vieira LAA, Pavani RDF, Mattos EM, Sentelhas PC, Stape JL & Soares RV. Perigo de Incêndio Florestal: Aplicação da Fórmula de Monte Alegre e Avaliação do Histórico para Piracicaba/Sp. Scientia Forestalis, Piracicaba 42(104): 511-22, 2014.

Ambrizzi T et al. Cenários regionalizados de clima no Brasil para o século XXI: Projeções de clima usando três modelos regionais. Relatório 3. Ministério do Meio Ambiente (MMA), Secretaria de Biodiversidade e Florestas (SBF), Diretoria de Conservação da Biodiversidade (DCBio). Mudanças Climáticas Globais e Efeitos sobre a Biodiversidade – Subprojeto: Caracterização do clima atual e definição das alterações climáticas para o território brasileiro ao longo do século XXI. Brasília, fevereiro de 2007.

ABRADEE (Associação Brasileira de Distribuição de Energia Elétrica). Segmento de Distribuição, 2018. Disponível em: http://www.abraade.org.br/ setor-de-distribuição/banco-de-dados/. Acessado em 15/06/2018.

Alpino TA, Sena MRA & Freitas MC. Desastres Relacionados a seca e a saúde coletiva. Revista Ciência e Saúde Coletiva 21(3): 809-820. Rio de Janeiro, 2016.

Aragão LEOC, Anderson LO, Fonseca MG, Rosan TM, Vedovato LB, Wagner FH et al. (2018). 21st Century drought-related fires counteract the decline of Amazon

deforestation carbon emissions. Nat. Commun. 9: 536. doi: 10.1038/s41467-017-02771-y.

Brown IF, Schroeder W, Setzer A, Maldonado M, Pantoja N, Duarte A & Marengo J. Fires in rainforests of south western Amazonia: Multi-national satellite imagery for monitoring and for informing the public.

EOS Transactions, 87(26): 253-264, 2006. Casavecchia BH, Souza AP & Stangerlin DM. Análise dos riscos de ocorrência de incêndios florestais no município de Sinop/MT. In: Congresso Brasileiro de Agrometeorologia, 2011, Guaraparí/ES. Anais do 17º Congresso Brasileiro de Agrometeorologia. Vitória/ES: DCM/Incaper, 2011.

Cavalcanti IFA & Kousky V. Drought in Brazil During Summer and Fall 2001. Associated Atmospheric Circulation Feature, Climanalise, 2(1): 110. 2004.

Cox P et al. Increase risk of Amazonian Drought dueto decreasing aerossol pollution. Nature, 453: 212-216. 2008. Da Silva VPR, Aleixo DO, Neto JD, Maracajá KFB & De

Araújo LE. Uma medida de sustentabilidade ambiental: Pegada Hídrica. Revista brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 17(1): 100-105, 2013.

Duarte AF. Aspectos da climatologia do Acre, Brasil, com base no intervalo 1971 - 2000. Revista Brasileira de Meteorologia, 21: 308-317, 2006.

EPE (Empresa de Pesquisa Energética). 2016. Plano decenal de expansão de energia.

Fearnside PM & Graça PMLA. BR-319: Brazil’s Manaus – Porto Velho. High wayand the potential impacto flinking the arc of deforestation to central Amazonia.

Environmental Management. 38(5): 705-716. 2006. Galbraith D, Levy PE, Sitch S, Huntingford C, Williams M & Meir P. Multiple mechanisms of Amazonian forest

biomass losses in three dynamic global vegetation model sunder climate change. New Phytologist, 2010. Gomes ACS, Costa GB, Silva JT, Coutinho MDL, Costa

MS & Fitzjarrald DR. Seca e a saúde das populações residentes em regiões da Amazônia Brasileira nos anos de 2005, 2010 e 2015. Revista Brasileira de Climatologia, 23: 289-306, 2018. Good P, Jones C, Lowe J, Betts R, Booth B &

Huntingford C. Quantifying Environmental Drivers of Future Tropical Forest Extent. Journal of Climate, 2011.

Hegerl GC, Crowley J, Hyde WT & Frame DJ. Climates sensitivity constrained by temperature reconstructions over the past seven centuries. Nature, 440: 1029-1032.

Hogan DJ. Demographic aspects of global environmental change: What is Brazil’s contribution? p: 15-41. In: Hogan DJ & Tolmasquim MT (eds.),

Human Dimensions of Global Environmental Change. Rio de Janeiro, Academia Brasileira de Ciências, 2001. IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Estatística/Download. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br>. Acesso em: 13 de junho de 2018.

INMET (Instituto Nacional de Meteorologia). 2018. Dados da Rede do INMET. Disponível em: http://www. inmet.gov.br. Acesso em: 15 de junho de 2018.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). 2014. Bioma Amazônia, 2014. Disponível em .

INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). 2019. BD Queimadas. Disponível em http://www.inpe.br/ queimadas/portal. Acesso em 02 de setembro de 2019.

INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). 2003. Monitoramento da Floresta Amazônica por satélite 2000, 2001, 2002 e 2003. Separata. São José dos Campos, 2003.

IPMA (Instituto Português do Mar e da Atmosfera). 2019. Normais Climatológicas. Disponível em http:// www.ipma.pt. Acesso em: 08 abr. 2019.

IPCC (Intergovernamental Panel on Climate Change). 2001. Third Assessment Report: Climate Change 2000. Intergovernmental Panel on Climate Change. Cambridge Univ. Press. IPCC (Intergovernamental Panel on Climate Change). 2018. Summary for Policymakers. In: Global warming of 1.5°C. An IPCC Special Report on the impacts of global warming of 1.5°C above pre - industrial levels and related global greenhouse gas emission pathways, in the context of strengthening the global response to

the threat of climate change, sustainable development, and efforts to eradicate poverty [Masson-Delmotte V, Zhai P, Pörtner HO, Roberts D, Skea J, Shukla PR,

Pirani A, Moufouma-Okia W, Péan C, Pidcock R, Connors S, Matthews JBR, Chen Y, Zhou X, Gomis MI, Lonnoy E, Maycock T, Tignor M & Waterfield T (eds.)]. World Meteorological Organization, Geneva,

Switzerland, 32 p. Jon P. Agricultural Development Under a Changing Climate: Opportunitie sand Challenges for Adaptation. Joint Departmental Discussion. Agriculture and Rural Development & Environment Departments. The World

Bank, p. 1, 2009. Li W, Fu R & Dickinson RE. “Rainfall and its seasonality over the Amazon in the 21st century as assessed by the coupled models for the IPCC AR4”. Journal of Geophysical Research: Atmospheres, 111: D02, 2006.

Luiz EOC et al. 21st Century drought-related fires counteract the decline of Amazon deforestation carbono emissions. Nature Communications. 2018.

Marengo JA et al. The drought of Amazonia in 2005. Journal of Climate. 21: 495-516. 2008a.

Marengo JA, Nobre C, Tomasella J, Cardoso M & Oyama M. Hydroclimatic and ecological behaviour of the drought of Amazonia in 2005. Philosophical Transactions of the Royal Society of London. Biological Sciences, 21: 1-6, 2008b.

Marengo JA & Nobre C. Tempo e clima no Brasil. Cap. 13, clima da região Amazônica. 2005.

Marengo JA et al. Eventos extremos em cenários regionalizados de clima no Brasil e América do Sul para o Século XXI: Projeções de clima futuro usando três modelos regionais. Relatório 5, Ministério do Meio Ambiente (MMA), Secretaria de Biodiversidade e Florestas (SBF), Diretoria de Conservação da

Biodiversidade (DCBio). Mudanças Climáticas Globais e Efeitos sobre a Biodiversidade – Subprojeto: Caracterização do clima atual e definição das alterações

climáticas para o território brasileiro ao longo do século XXI. Brasília, fevereiro de 2007.

Marengo JA. Mudanças climáticas globais e seus efeitos sobre a biodiversidade – caracterização do clima atual e definição das alterações climáticas para o território brasileiro ao longo do século XXI. 2. ed. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 1: 214, 2007.

Marengo JA et al. “The Drought of Amazonia in 2005”. Journal of Climate. 21(3), 2007.

Marengo JA. On the hydrological cycle of the Amazon Basin: A historical review and currentstate - of theart.

Revista Brasileira de Meteorologia, 21(3): 1-19, 2006.

Marengo JA. Impactos Extremos relacionados com o tempo e o clima – Impacto sociais e econômicos. Boletim do Grupo de Pesquisa em Mudanças Climáticas – GPMC. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Centro de Sistema do Sistema Terrrestre. São Paulo, Brasil, Maio de 2009.

Marengo JA et al. Development of regional future climate changes cenarios in South America using the Eta CPTEC/HadCM3 climate change projections:

climatology and regional analysis for the Amazon, São Francisco and the Paraná River basins. Climate Dynamics, 38: 1829‑1848, 2012.

Marengo JA & Nobre C. Lições do Catarina e do Katrina. As mudanças do clima e os fenômenos extremos. Ciência Hoje. 37(221): 22-27. 2005.

Nobre C & Assad ED. Mudança ambiental no Brasil. Em Terra na estufa, edição especial Scientific American Brasil, (12): 70-75. 2005.

Nunes JRS. FmA+ - um novo índice de perigo de incêndios florestais para o Estado do Paraná – Brasil. 2005. 150 f. Tese (Doutorado Engenharia Florestal),

UFPR, Curitiba, 2005. Oyama MD & Nobre CA. A new climate-vegetation equilibrium state for Tropical South America. Geophysical Research Letters 30(23): 2199-2203.

Parry ML, Canziani OF, Palutikof JP, Van Der Linden PJ & Hanson CE. Climate change 2007: Impacts, adaptation and vulnerability. Contribution of

Working Group II to the Fourth Assessment Report of the Intergovernmental Painel on Climate Change, Cambridge University Press, Cambridge, UK, 982 p.

Pereira MPS. Interação entre ecossistemas terrestres e a atmosfera na Amazônia: conexões biogeofisicas e biogeoquimicas. Dissertação de mestrado. Universidade

Federal de Viçosa. Viçosa. Minas gerais. 2006.

R CORE TEAM. R: A language and environment for statistic al computing. R Foundation for Statistic al Computing, Vienna, Austria.URL https://www.Rproject.

org/. 2016. Salazar LF, Nobre CA & Oyama MD. Climatic change consequences on the biome distribution in tropical South America. Geophysical Research Letters, 34:

L09708. 2007.

Ribeiro L, Soares RV, Batista AC & Silva IC. Análise do perigo de incêndios florestais em um município da Amazônia Mato-grossense, Brasil. Floresta, 41(2): 257- 270. doi: http://dx.doi.org/10.5380/rf.v41i2.21873. 2011.

Salati E & Marques J. 1984. Climatology of the Amazon region. In: Sioli H (ed). The Amazon – Limnology and landscape ecology of a mighty tropical river and its

basin. Dr. W. Junk Publishers, Bonn, Alemanha, p. 85- 126, 1984. 2014. Precipitation regionalization of the Brazilian Amazon. Atmospheric Science Letters. DOI:

1002/asl2.535.2014.

Santos EB, Lucio OS, Santos E & Silva CM. Precipitation regionalization of the Brazilian Amazon. Atmospheric Science Letters. DOI: 10.1002/asl2.535.

Serrão E, Santos C, Wanzeler R, Gonçalves L & Lima A. Avaliação da seca na Amazônia: Análise da Bacia Hidrográfica do Rio Solimões. Rev. Geogr. Acadêmica

(2). 2015. Settele J, Scholes R, Betts R, Bunn S, Leadley P,

Nepstad D et al. Terrestri alandinl and water systems. In: Field CB, Barros VR, Dokken DJ, Mach KJ, Mastrandrea MD, Bilir TE et al. (ed.). Climate Change

: Impacts, Adaptation, and Vulnerability. Part A: Global and Sectoral Aspects. Cambridge University Pres. s, Cambridge, United Kingdomand New York, NY,

USA, p. 271-359. 2014.

Silva BB, Ferreira MAF, Silva VPR & Ferreira RC. Desempenho de modelo climático aplicado à precipitação pluviométrica do Estado de Pernambuco.

Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental,

2010.

Silva IDB, Valle ME, Barros LC & Meyer JFCA. A wildfire warning system applied to the state of Acre in the Brazilian Amazon, Applied Soft Computing, Volume

, 2020.

Silvério DS, Silva AA & Moutinho P. Instituto de Pesquisa Ambiental na Amazônia – IPAM. Nota Técnica: Amazônia em chamas. Brasília/DF, agosto de 2019.

Soares RV. Determinação de um índice de perigo de incêndio para a região centro-paranaense, Brasil. 1972. 72 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) –

Centro Tropical de Ensino e Investigação, Instituto Interamericano de Ciências Agrícolas OEA, Turrialba, Costa Rica, 1972.

Soriano BMA, Daniel O & Santos SA. Eficiência de índices de risco de incêndios para o pantanal Sul- Mato-Grossense. Ciência Florestal, Santa Maria,

(4): 809-816, 2015.

Stainforth DA et al. Uncertainty in predictions of the climate response torising levels of greenhouse gases. Nature 433: 403-406, 2005.

Tatton JEG. Água e Mudanças Climáticas. Cidadania e Meio Ambiente, (32): 22-24, 2011.

Zeng N, Yoon JH, Marengo JA, Subrmanaiam A, Nobre CA, Mariotti A & Nellin JD. Causes and impacts of the Amazon drought. Environmental Research. 3: 1-6, 2008.

Downloads

Publicado

10/11/2021

Edição

Seção

Análise de Componentes do Sistema Climático e a Biodiversidade no Brasil