A Erosividade das Chuvas: o Manejo Agrícola Sustentável das Terras do Município de Castanhal/PA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.37002/biobrasil.v11i4.1788

Palavras-chave:

Agricultura sustentável, bacia hidrográfica, conservação do solo, perda de solo, erosão hídrica

Resumo

Com vistas ao planejamento agrícola sustentável, foi determinada a erosividade das chuvas do município de Castanhal, localizado na região nordeste do estado do Pará. Foi utilizada uma série contínua de 39 anos de registros pluviométricos para cálculo dos coeficientes de chuva, os quais foram utilizados na determinação da erosividade das chuvas através de equação ajustada com as condições pluviométricas de Belém, com disponibilidade de dados pluviográficos, com semelhança climática e distribuição de chuvas verificada através de análise de correlação (r = 0,97). A erosividade média anual para a localidade estudada foi estimada em 22001 MJmm.ha-1.h-1.ano-1, com probabilidade de retorno de 49,6% a cada 2,02 anos. Os valores de retorno para os períodos de 5, 10, 20, 50 e 100 anos foram 24162, 25908, 27601, 29782 e 31406 MJmm.ha-1.h-1.ano-1, respectivamente. 

Biografia do Autor

José Albuquerque, Universidade Federal Rural da Amazônia

Engenheiro Agrônomo - Professor da UFRA 

Jessivaldo Rodrigues Galvão, Universidade Federal Rural da Amazônia

Engenheiro Agrônomo, Doutor em ciências Agrárias

Maria Helena Moraes, Universidade Estadual Paulista

Professora da Unisversidade Estadual Paulista

Mateus Augusto de Carvalho Santana, Universidade Federal Rural da Amazônia

Graduando do curso de Agronomia da UFRA

Leonardo de Almeida Oliveira, Universidade Federal Rural da Amazônia

Graduando de Agronomia da UFRA

Mateus Correia Lima, Universidade Federal Rural da Amazônia

Graduando em Engenharia Agronômica - UFRA

Referências

Bazzano MGP, Eltz FLF & Cassol EA. Erosividade e características hidrológicas das chuvas de Rio Grande (RS). R Bras Ci Solo, 34: 235-244, 2010.

Bertoni, J & Lombardi NF. Conservação do solo. São Paulo: Ícone; 1990.

Carvalho DF, Durigon VL, Antunes MAH, Almeida WS & Oliveira PTS. Predicting soil erosion using Rusle and NDVI time series from TM Landsat 5. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 49: 215-224, 2014.

Damé RCF, Teixeira CFA, Gonçalves T, Santos JP & Quadro MS. Erosividade sob duas durações de intensidade máximas da chuva em Pelotas/RS. Revista Agro@mbiente, 6(1): 01-08, 2012.

Foster G et al. Conversion of the universal soil loss equation to metric units.Soil Water Conserv., 36: 355-359, 1981.

Moreti D et al. Importantes características de chuva para a conservação do solo e da água no município de São Manuel/SP. Rev. Bras. Ci. Solo, 27(4): 1-14, 2003. Mello C et al. Erosividade mensal e anual no estado de Minas Gerais. Pesq. agropec. Bras. Brasília, 2(4): 537-545, 2007.

Oliveira JR, Chaves R & Melo A. A erosividade das chuvas em Belém/PA. Belém, Univ. Fed. Rural Amazônia, Boletim 22: 35-52, 1994.

Renard K & Freimund J. Using monthly precipitation data to estimate the R-factor in the revised USLE. Jornal of Hidrology, 157: 287-306, 1994.

Ribeiro JJ. Análises estatísticas no SAEG. Viçosa, UFV, 301: 169-226, 2001.

Schwab G. Soil and water conservation engineering. New York, John Wiley & Sons, 683p. 1981.

Shamshad et al. Rainfall erosivity map for Brazil. Catena, 57(3): 251-259, 2004.

Shamshad A, Azhari MN, Isa MH, Hussin WMA & Parida BP. Development of an appropriate procedure for estimation of RUSLE EI30 index and preparation of erosivity maps for Pulau Penang in Peninsular Malaysia. Catena,72: 423-432, 2008. Silva MAS, Silva MLN, Curi N, Santos GR, Marques JJGSM & Menezes MD. Avaliação e espacialização da erosividade da chuva no Vale do Rio Doce, Região Centro-Leste do estado de Minas Gerais. R Bras Ci Solo, 34: 1029-1039, 2010.

Silva VCB & Machado PS. SIG na análise ambiental: suscetibilidade erosiva da bacia hidrográfica do Córrego Mutuca, Nova Lima – Minas Gerais. R Geogr, 31(2): 66-87, 2014.

Souza PJOP, Farias VDS, Lima MJA, Ramos TF & Sousa AML. Produção de Área Foliar e Biomassa e Produtividade do Feijão-caupi sob Regimes Hídricos em Castanhal, Pará. Revista Caatinga, 30(3): 748-759, 2017.

Tenório ARM et al. Mapeamento dos solos da Estação de Pscicultura de Castanhal. 1. ed. Belém: FCAP, 50, p.1999.

Williams JR. Sediment yield prediction with universal equation using runoff energy factor. USDA-ARS S-40: Present and prospective technology for predicting sediment yield and sources. Washington: USDA, 1975.

Wischmeir WH & Smith DD. Predicting rainfall erosion losses – a guide to conservation planning. Washington, USDA, 58p. (537), 1978.

Downloads

Publicado

10/11/2021

Edição

Seção

Análise de Componentes do Sistema Climático e a Biodiversidade no Brasil