A Percepção Ambiental das Comunidades Rurais no Entorno do Parque Nacional de Sete Cidades, Piauí

Autores

  • Francisco Rony Gomes Barroso Universidade Federal do Ceará -UFC
  • Carlos Victor Gonçalves Cavalcante Universidade Federal do Ceará
  • Francisca Soares Araújo
  • Waldir Mantovani

DOI:

https://doi.org/10.37002/biobrasil.v12i4.1992

Palavras-chave:

Unidade de conservação, cerrado, problemas ambientais

Resumo

Este trabalho apresenta dados sobre a percepção ambiental dos moradores no entorno do Parque Nacional de Sete Cidades, obtidos por meio de entrevistas com 60 moradores de 9 comunidades na zona rural dos municípios Brasileira e Piracuruca. No estado do Piauí, o Parque Nacional de Sete Cidades constitui uma unidade de conservação de proteção integral, e seu objetivo é preservar a biodiversidade do bioma Cerrado. O Parque possui 6.303,64 hectares e ocupa um perímetro de 36km, apresentando no seu entorno diversos modos de uso e ocupação do solo em diferentes tipos de propriedades rurais (casa com quintal, fazenda, chácara etc.). Uma ferramenta útil para a conservação da biodiversidade é o levantamento da percepção ambiental, pois permite conhecer as relações entre ambiente e sociedade. Foram entrevistados 50% de homens e 50% de mulheres. A maioria dos moradores tem idade acima de 50 anos e formação escolar básica incompleta. Todos os entrevistados consideraram a conservação da natureza muito importante; contudo, a maioria não participou ou participou muito raramente de alguma atividade que abordasse a temática ambiental promovida pelo Parque. Os principais problemas identificados no Parque foram a caça de animais silvestres e a invasão de pessoas e de animais domésticos. O conhecimento de como os moradores dos arredores do Parque percebem o ambiente em seu entorno é muito importante para o entendimento dos impactos ambientais e para o planejamento de estratégias de conservação. 

Referências

Alencar GV, Mendonça ES, Oliveira TS, Jucksch I, Cecon PR. Percepção ambiental e uso do sol por Agricultores de sistemas orgânicos convencionais na Chapada da Ibiapaba, Ceará. Revista de Economia e Sociologia Rural, 51(2): 217-236, 2013.

Bolson SH. O Cerrado nas metas brasileiras do acordo de Paris: a omissão do estado brasileiro com o desmatamento da cumeeira da América do Sul. Revista de Direito Ambiental e Socioambientalismo, 4(1):112-131, 2018.

Brasil. 2000. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Diário Oficial da União. <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9985.htm>. Acesso em: 28/10/2020.

Brasileiro et al. Conflitos socioambientais na área de abrangência do Parque Nacional de Sete Cidades, Piauí, Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Gestão Ambiental e Sustentabilidade 6(13): 393-405, 2019.

Costa ACG, Murata AT. A problemática socioambiental nas unidades de conservação: conflitos e discursos pelo uso e acesso aos recursos naturais. Sustentabilidade em Debate, 6(1): 86-100, 2015.

Evangelista ARS. O processo de desmatamento do bioma caatinga: riscos e vulnerabilidades socioambientais no território de identidade do Sisal, Bahia. Revista Geográfica de América Central, número especial, 1-13, 2011.

Ferreira ME, Ferreira LG, Miziara F, Soares-Filho BS. Modeling landscape dynamics in the central Brazilian savanna biome: future scenarios and perspectives for conservation. Journal of Land Use Science, 8(4) 403-421, 2012.

Fonseca et al. Causas e consequências do êxodo rural no nordeste brasileiro. Nucleus, 12(1): 233-240, 2015.

Freitas ARR, Napimoga M, Donalisio MR. Assessing the severity of COVID-19. Epidemiologia e serviços de saúde, 29(2):1-5, 2020.

Freitas JS, Rivas AF. Unidades de conservação promovem pobreza e estimulam agressão à natureza na Amazônia. Revista de Gestão Social e Ambiental, 8(3): 18-34, 2014.

Hermes CLW, Valente V. Análise do crescimento populacional do município de Agudo, RS, no período de 1970 a 2000. Série: Ciências Humanas, 7(1):91-107, 2006.

IBGE (Instituto Brasileiro De Geografia E Estatística) . Censo Brasileiro de 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. Instituto Brasileiro De Geografia e Estatística (IBGE).

ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação). Parque Nacional de Sete Cidades. <https://www.icmbio.gov.br/portal/visitacao1/unidades-abertas-a-visitacao/208-parque-nacional-das-sete-cidades>. Acesso em 28/10/2020b.

Lorenzi H. 2002. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. 4.ed. Instituto Plantarum. 368p.

Mantovani W, Monteiro RF, Anjos L, Cariello MO. 2017. Pesquisa em Unidades de Conservação no domínio da Caatinga: Subsídios à gestão. Edições UFC. 605p.

Mehring M, Stoll-Kleemann S. How effective is the buffer zone? linking institutional processes with satellite images from a case study in the Lore Lindu Forest Biosphere.

Mesquita MR. 2003. Florística e fitossociologia de uma área de cerrado marginal (cerrado baixo) do Parque Nacional de Sete Cidades, Piauí. Dissertação (Mestrado em Biologia Vegetal. Universidade Federal de Pernambuco.62p.

Oliveira MEB, Guerra NB, Barros LM, Alves RE. 2008. Aspectos Agronômicos e de Qualidade do Pequi. Embrapa Agroindústria Tropical. 32p.

Oliveira, MEA, Castro AAJF, Martins FR. 2017. Fisionomias vegetacionais do Parque Nacional de Sete Cidades, Piauí, NE do Brasil, p. 12-34 In: Araújo, A. S. F. (Org.). Biodiversidade de solo e plantas (Parque Nacional de Sete Cidades). EDUFPI.

Pavlosky EN. 1966. Natural Nidality of transmissible diseases. University of Iilinois Press, 227p.

Pignatti MG. Saúde e ambiente: as doenças emergentes no Brasil. Ambiente & Sociedade, 7(1): 133-148, 2004.

Ramos RM, Pezzutti JC, Carmo NAS. 2008. Caça e uso da fauna, 224-232. In:Monteiro MA. (Org.). Atlas socioambiental: municípios de Tomé-Açu, Aurora do Pará, Ipixuna do Pará, Paragominas e Ulianópolis.Editora do NAEA / UFPA. 463p.

Santos et al. Utilização de recursos vegetais em áreas de quintais em uma comunidade rural localizada no entorno do Parque Nacional de Sete Cidades, Piauí, Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 6(13): 365-383, 2019.

Santos FA. Uso de imagens Landsat para avaliação da cobertura vegetal do Parque Nacional de Sete Cidades (PI), Nordeste, Brasil. Cadernos Cajuína, 1(3):24-35, 2016.

Schwieder M, Leitão PJP, Rabe A, Bustamante MMC, Ferreira LG, Hostert P. 2015. Mapping Cerrado physiognomies using Landsite time series based phenological profiles, p. 3656-3663. In: Anais do XVII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto.

Silva RMA 2006. Entre o combate à seca e a convivência com o semi-árido: Transições paradigmáticas e sustentabilidade do desenvolvimento. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável). Universidade de Brasília. 298p.

Silva RMC, Albuquerque ELS. Caracterização hidrológica do Município de Piracuruca, Estado do Piauí. Geografia: Publicações Avulsas. Universidade Federal do Piauí, 1(1): 106-124, 2019.

Silva TS, Cândido GA, Freire EMX. Conceitos, percepções e estratégias para conservação de uma estação ecológica da caatinga nordestina por populações do seu entorno. Sociedade & Natureza, 21(2): 23-37, 2009.

Terborgh J, Van Schaik C. 2002. Porque o mundo necessita de parques, p. 450-518. In: Terborgh, J. Van Schaik C, Davenport L, Rao M. (Orgs.). Tornando os parques eficientes: estratégias para a conservação da natureza nos trópicos. UFPR. p. 450-518. 518p.

Valsecchi J, Amaral PV. Perfil da caça e dos caçadores na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Amanã, Amazonas – Brasil. UAKARI, 5(2): 33-48, 2009.

Whyte AWT. 1977. Guidelines for field studies in Environmental Perception. UNESCO. 117p.

Downloads

Publicado

14/09/2022

Edição

Seção

Fluxo contínuo