A Qualificação de Educadores sobre as Restingas da Região dos Lagos/RJ: Avaliação e Perspectivas

Autores

  • Fernanda Saleme Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro
  • Maria do Rosário de Almeida Braga Instituto Brasileiro de Biodiversidade
  • Bruno Coutinho Kurtz Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.37002/biobrasil.v10i2.1455

Resumo

Um obstáculo à conservação é a falta de acesso da população às principais questões socioambientais de cada região. Com a publicação do material didático “Fichas dos seres do Centro de Diversidade Vegetal de Cabo Frio: a restinga de Massambaba”, organizou-se um curso voltado para educadores dos municípios de Cabo Frio, Arraial do Cabo e Saquarema, RJ. O Curso de Qualificação de Educadores sobre as Restingas da Região dos Lagos visou orientar professores do ensino público fundamental e médio quanto ao uso desse inovador material didático e discutir as principais características e questões ambientais dos ecossistemas costeiros da região. Objetivamos aqui analisar a percepção dos professores com relação ao conteúdo do curso, verificar se as fichas vêm sendo utilizadas em suas atividades de ensino e identificar possíveis problemas enfrentados. A avaliação foi feita em três momentos: no último dia do curso, quinze dias após, e um ano e três meses da sua realização, na forma de questionários e comunicação online. Participaram do curso 29 professores de 18 escolas, que têm influência direta sobre cerca de 2.500 alunos. A análise conjunta das três avaliações evidenciou que tanto o material didático quanto o curso oferecido foram muito bem avaliados; que o material didático produzido está sendo mais usado em sala de aula do que em idas à restinga; e que o uso das fichas dos seres despertou maior interesse dos alunos pelos assuntos abordados. Constatamos, entretanto, pelo baixo índice de retorno em relação às segunda e terceira avaliações, que houve certa desmobilização/desmotivação dos professores. Sugerimos ampliar a inserção e utilização das fichas dos seres para outros segmentos da sociedade da região de Cabo Frio, e que diretores/coordenadores pedagógicos das escolas atuem como catalisadores do processo, em vez de os professores atuarem de forma individualizada.

Biografia do Autor

Fernanda Saleme, Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Centro Nacional de Conservação da Flora

Bruno Coutinho Kurtz, Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Diretoria de Pesquisa Científica

Referências

Albuquerque BP. 2007. As relações entre o homem e a natureza e a crise sócio-ambiental. Monografia (Ensino Médio Integrado à Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Saúde). Fundação Oswaldo Cruz. 96p.

Bozelli RL, Ferreira DM, Caramaschi E & Monteiro MM. 2011. Conhecer para preservar um programa de educação e meio ambiente para professores, estudantes e profissionais das áreas de educação e meio ambiente do município de Macaé e entorno – RJ. . Acesso em: 27/08/2019.

Conrado LMN & Silva VH. Educação ambiental e interdisciplinaridade: um diálogo conceitual. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental, 6(3): 651-665, 2017.

Costa CAS & Loureiro CFB. Interdisciplinaridade e educação ambiental crítica: questões epistemológicas a partir do materialismo histórico-dialético. Ciência & Educação, Bauru, 21(3): 693-708, 2015.

Costa CA & Loureiro CF. A interdisciplinaridade em Paulo Freire: aproximações político-pedagógicas para a educação ambiental crítica. Revista Katálysis, Florianópolis, 20(1): 111-121, 2017.

Costa CA & Loureiro CF. Interdisciplinaridade, materialismo histórico-dialético e paradigma da complexidade: articulações em torno da pesquisa em educação ambiental crítica. Pesquisa em Educação Ambiental, 14(1): 32-47, 2019.

Crivellaro CVL, Neto RM & Rache RP. 2001. Ondas que te quero mar: educação ambiental para comunidades costeiras: Mentalidade Marítima: relato de uma experiência. Gestal/NEMA. 72p.

Davenport L, Brockelman W, Wright P, Ruf K & Del Valle F. 2002. Ferramentas de ecoturismo em parques, p. 305-333. In: Terborgh J, Schaik C, Davenport L & Rao M (orgs.). Tornando os parques eficientes: estratégias para a conservação da natureza nos trópicos. Ed. UFPR, Fundação O Boticário de Proteção à Natureza.

Davis SD, Heywood VH, Herrera-MacBryde O, Villa- Lobos J & Hamilton AC. 1997. Centres of plant diversity: a guide and strategy for their conservation, vol. 3: The Americas. IUCN Publications Unit.

Fazenda ICA. 2003. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. 11 ed. Papirus. 143p.

Ferreira DM & Bozelli RL (coords.). s/data. Fichas dos seres, vol. 5. Lab. Limnologia, IB/UFRJ.

Gil AC. 2008. Métodos e técnicas de pesquisas sociais. 6 ed. Atlas. 200p.

Guimarães M. Por uma educação ambiental crítica na sociedade atual. Revista Margens Interdisciplinar, 7(9): 11-22, 2013.

Leal EM & Escudero R (orgs.). 2017. Problemas globais, enfrentamentos locais e a universidade pública. O Centro Regional de Referência em Álcool e Outras Drogas da UFRJ Macaé e outros projetos extensionistas. UFRJ – Campus Macaé. 380p.

Lopes AF. 2004. A mediação de conceitos ecológicos e a consolidação de uma proposta de trabalho entre Escola e Universidade. Dissertação (Mestrado em Ecologia). Universidade Federal do Rio de Janeiro. 90p.

Lopes AF, Mello DS & Miro JMR. 2003. Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba: ficha dos seres. ONG APAJ.

Lopes AF & Bozelli RL (orgs.). 2004. Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba: fichas dos seres, vol. 2. PPGE/UFRJ.

Mello CACAM, Louzada JM & Saleme F. 2011. O ensino de ciências numa perspectiva interdisciplinar. In: II Congresso Internacional de Pedagogia. Havana, Cuba.

Mendes AB, Souza RCCL & Silva EP. Percepção de alunos sobre a problemática ambiental da Lagoa de Araruama, Cabo Frio, Rio de Janeiro, Brasil. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, vol. esp.: 185-212, 2016.

Moreira JC. 2008. Patrimônio geológico em unidades de conservação: atividades interpretativas, educativas e geoturísticas. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Federal de Santa Catarina. 428p.

Pereira BE & Diegues AC. Conhecimento de populações tradicionais como possibilidade de conservação da natureza: uma reflexão sobre a perspectiva da etnoconservação. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 22: 37-50, 2010.

Ramão FS. A “privatização” do meio ambiente na cidade de Cabo Frio: uma reflexão a partir das contribuições de Pierre George. Espaço e Economia, 4: 1-12, 2014.

Saleme F. 2016. Interpretação ambiental, aspectos biológicos e educacionais do Parque Estadual da Costa do Sol e da Área de Proteção Ambiental do Pau-Brasil nos limites do município de Cabo Frio – RJ. Trabalho de Conclusão (Mestrado em Biodiversidade em Unidades de Conservação). Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro. 69p.

Saleme F & Kurtz BC. 2016. Fichas dos seres do Centro de Diversidade Vegetal de Cabo Frio: a restinga de Massambaba. Instituto Brasileiro de Biodiversidade. 22 fichas.

Sato M. 2002. Educação Ambiental. Rima. 66p.

Wilke JC 2016. Ciências e interdisciplinaridade para aulas de campo. In: Paraná. Secretaria de Estado da Educação. Superintendência de Educação. Os desafios da escola pública paranaense na perspectiva do profes- sor PDE, 2013. SEED/PR (Cadernos PDE, vol.1).

Downloads

Publicado

13/08/2020

Edição

Seção

Diálogos entre a Academia e a Gestão de Áreas Protegidas: Programa de Pós-Graduação Profissional