Redução de Incêndios Florestais na Reserva Biológica de Araras, Rio de Janeiro, Sudeste do Brasil

Autores

  • Fabio Torres Migliari
  • Izar Aximoff
  • Massimo G. Bovini

DOI:

https://doi.org/10.37002/biobrasil.v10i2.1464

Resumo

Os incêndios florestais representam uma das maiores ameaças às unidades de conservação (UC) e a toda a biodiversidade contida nessas áreas. Considerando que o bioma Mata Atlântica se encontra extremamente reduzido, impactos que resultem na perda de habitat e de espécies devem ser prevenidos e combatidos de maneira eficiente. O objetivo deste estudo foi traçar o perfil das ações de prevenção a incêndios florestais na Reserva Biológica de Araras (RBA), localizada nos municípios de Petrópolis e Miguel Pereira, no estado do Rio de Janeiro, entre os anos de 2014 e 2018. Por meio da coleta de dados in loco e do levantamento de dados com os gestores da RBA, as ações de prevenção e combate aos incêndios florestais foram identificadas e analisadas. As ações elencadas como educacionais devem ocorrer ao longo de todo o ano, visando alcançar o maior número de pessoas e propriedades nessas áreas. Sobre as ações de monitoramento, algumas demandam maior atenção quanto à forma de execução, aos registros e à periodicidade, por parte da equipe e gestão da UC. Verificou-se no período analisado que, após elevado número de ocorrências atendidas em 2014, nos anos seguintes houve uma diminuição das ocorrências, sugerindo uma possível eficácia das ações e métodos de prevenção adotados pela população vizinha da RBA. Os resultados demonstram que as ações referentes ao Programa de Prevenção e Combate a Incêndios em Florestas contribuem para a proteção integral desta unidade de conservação.

Referências

Aximoff I, Rodrigues RC. Histórico dos incêndios florestais no Parque Nacional do Itatiaia. Ciência Florestal, 21(1): 83-92, 2011.

Aximoff I. O que perdemos com a passagem do fogo pelos campos de Altitude do Estado do Rio de Janeiro, Biodiversidade Brasileira, 1 (2): 180-200, 2011.

Aximoff I, Bovini MG, Fraga CN. Vegetação em Afloramentos Rochosos Litorâneos Perturbados por Incêndios na Região Metropolitana Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, Biodiversidade Brasileira 6 (2): 149- 172, 2016.

Aximoff I, Nunes-Freitas AF & Braga JMA. Regeneração natural pós-fogo nos campos de altitude no Parque Nacional do Itatiaia, sudeste do Brasil. Oecologia Australis, 20(2): 200-218, 2016b.

Bontempo GC, Lima GS, Ribeiro GA, Doula SM & Jacovine LAG. Registro de ocorrência de incêndio (ROI): evolução, desafios e recomendações. Biodiversidade Brasileira 1(2): 247-263, 2011.

Fagundes VJ. 2016. Incêndios florestais em unidades de conservação de proteção integral da região metropolitana de Belo Horizonte, MG. UFLA. 122p.

Google Earth – Mapas. <https://www.google.com/ earth/> Acesso em: 09/2019.

INEA – Instituto Estadual do Ambiente. 2010. Plano de Manejo Reserva Biológica de Araras. www.inea. rj.gov.br/cs/groups/public/documents/document/ zwew/mde5/~edisp/inea001976.pdf. Acesso em: 10/06/2017.

INPE – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. 2007. Banco de Dados de Queimadas. São José dos Campos – São Paulo. <http://www.inpe.br/queimadas/ bdqueimadas/#>. Acesso em: 09/2018.

Koproski L, Batista AC & Soares RV. Ocorrências de incêndios florestais no Parque Nacional de Ilha Grande – Brasil. Floresta, 34(2): 193-197, 2004.

LimaGS,TorresFTP,CostaAG,FélixGA&Silva-Júnior MR. Avaliação da eficiência de combate aos incêndios florestais em unidades de conservação brasileiras. Floresta, 48(1): 113-122, 2018.

Magnanini A, Lardosa E, Marien JAS, Castro PFVB, Magalhães A, Monise AF, Bomtempo & CBT, Wittur T. 2010. Roteiro metodológico para elaboração de planos de manejo: parques estaduais, reservas biológicas, estações ecológicas. INEA, Instituto Estadual do Ambiente, Rio de Janeiro. 116p.

Martinelli G. Nota sobre Worsleyarayneri (J.D. Hooker) Traub. & Moldenke, espécie ameaçada de extinção. Rodriguésia, 36(58): 65-72, 1984.

Martinelli G, Martins E, Moraes M, Loyola R, Amaro R. (orgs.). 2018. Livro Vermelho da Flora Endêmica do Estado do Rio de Janeiro. Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson, Rio de Janeiro. 456p.

Motta DS. 2008. Identificação dos fatores que influenciam no comportamento do fogo em incêndios florestais. UFRRJ, 24p.

Pereira AA, Pereira AJA, Morelli F, Barros DA, Weimar AJr., Soares F, Scolforo JR. Validação de focos de calor utilizados no monitoramento orbital de queimadas por meio de imagens TM. Cerne 18(2): 335-343, 2012.

QGIS userguide: versão 2.2. Disponível em . Acesso em: 20/12/2018.

RezendeCL,ScaranoFR,AssadED,JolyCA,MetzgerJP, Strassburg BBN, Tabareli M, Fonseca & GA, Mittermeier RA. From hotspot to hotspot: An opportunity for the Brazilian Atlantic Forest. Perspect Ecol. Conserv., 16(4): 208-214, 2018.

Rodrigues JA, Libonati R, Peres LF & Setzer A. 2018. Mapeamento de Áreas Queimadas em Unidades de Conservação da Região Serrana do Rio de Janeiro Utilizando o Satélite Landsat-8 durante a Seca de 2014, p. 318-327. In: Anuário do Instituto de Geociências 41, UFRJ.

Santos LMB, Alvarenga LJ & Miranda MPS. 2017. A sinalização como instrumento de informação e proteção ambiental. 22o Congresso Brasileiro de Direito Ambiental. Teses de Profissionais/Independent Papers, v. 1. 802p.

Tebaldi ALC. Ações de prevenção e combate aos incêndios florestais nas unidades de conservação estaduais do Espírito Santo. Floresta e Ambiente, 20(4): 538-549, 2013.

Torres FTP & Lima GS. Forest Fire Hazard in the Serra do Brigadeiro State Park (MG). Floresta Ambiente 26 (2): e20170304, 2019.

Downloads

Publicado

13/08/2020

Edição

Seção

Diálogos entre a Academia e a Gestão de Áreas Protegidas: Programa de Pós-Graduação Profissional