Manejo Florestal Comunitário do Projeto de Desenvolvimento Sustentável Virola Jatobá

Cenários para a Exploração de Vouacapoua americana Aublet

Autores

  • Mayra Piloni Maestri
  • Ademir Roberto Ruschel
  • Marina Gabriela Cardoso de Aquino University of the State of Santa Catarina
  • Rafael Costa Miléo
  • Roberto Porro Embrapa

DOI:

https://doi.org/10.37002/biobrasil.v11i1.1494

Palavras-chave:

espécie protegida; , potencial econômico

Resumo

O manejo florestal comunitário, se norteado por meio de bases sustentáveis, pode garantir a conservação da Vouacapoua americana Aublet, vulgarmente chamada de “acapu”, aliado ao ganho econômico para comunidades tradicionais da Amazônia. Esse trabalho teve por objetivo analisar cenários para o manejo da espécie no Projeto de Desenvolvimento Sustentável Virola-Jatobá, município de Anapu. A população acessada de acapu representou 18,6% das árvores da floresta, média de cinco árvores/ha e estimativa de volume de 8,4mÑ/ha. A espécie apresentou padrão de distribuição espacial agrupada, curva de distribuição diamétrica em formato de “J-invertido”, conferindo boas características ecológicas de estabilidade populacional e, aproximadamente, 90% dos fustes com qualidade para o manejo. Resultados ecológicos e econômicos de cenários distintos de manejo foram analisados, utilizando duas intensidades de exploração e três modalidades de comercialização. As intensidades de exploração foram: baixa (2,6mÑ/ha), condicionada à manutenção da distribuição diamétrica balanceada (aplicando método quociente “q” de Liocourt); e máxima legalmente permitida (6,2mÑ/ha), que ocasionou desbalanceamento da distribuição dos indivíduos nas classes diamétricas, além de drástica redução populacional. A comercialização em estacas lapidadas, utilizando mão de obra local, foi mais rentável; enquanto a venda de toras foi inviável economicamente. A proposição de um sistema menos complexo com o manejo do acapu pode garantir benefícios socioeconômicos sustentáveis, especialmente para os comunitários da região. Sugere-se que o manejo comunitário do acapu seja considerado nas políticas de fomento e na tomada de decisão sobre a gestão de recursos florestais em áreas onde sua ocorrência seja ampla.

Referências

Alencar, A.; Pereira, C.; Castro, I.; Cardoso, A.; Souza, L.; Costa, R.; Bentes, A.J.; Stella, O.; Azevedo, A.; Gomes, J. & Novaes, R. 2016. Desmatamento nos Assentamentos da Amazônia: Histórico, Tendências e Oportunidades. IPAM: Brasília, 93p.

Aragão, I.L.G. & Almeida, S.S. 1997. Estrutura ecológica comparada de populações de acapu (Vouacapoua americana Aubl., Caesalpiniaceae) em duas florestas de terra firme na Amazônia Oriental. Museu Paraense Emílio Goeldi, 1: 273-290.

Ashton, P.S. 1993. Species richness in plant communities. Chapman e Hall, New York, p. 4-22.

Assunção, H.N & Porro, R. 2018. Extração de madeira e organização social no PDS Virola-Jatobá, Anapu, Pará: Percepções e discursos contrastantes em um assentamento ambientalmente diferenciado. Sustentabilidade em Debate, 9(3): 79-95.

Barreto, W.F.; Leão, F.M.; Menezes, M.C. & Souza, D.V. 2014. Equação de volume para apoio ao manejo comunitário de empreendimento florestal em Anapu, Pará. Pesquisa Florestal Brasileira, 34(80): 321-329.

Brasil, 2014. Portaria nº 443 de 2014. Dispõe sobre as espécies da flora brasileira ameaçadas de extinção aquelas constantes da "Lista Nacional Oficial de Espécies da Flora Ameaçadas de Extinção". Diário Oficial da União <http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/static/pdf/portaria_mma_443_2014.pdf> (Acesso em 20/01/2020).

Brasil, 2010. Instrução Normativa nº 02 de 2010. Dispõe sobre a regulamentação dos preços de madeira em tora, resíduos de exploração florestal e garantias a serem cobrados pelo Instituto de Desenvolvimento Florestal do Pará – IDEFLOR na celebração de contratos de transição. Diário Oficial da União <https://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=78746> (Acesso em 20/01/2020).

Brasil, 2015. Instrução Normativa nº 05 de 2015. Dispõe sobre os procedimentos técnicos para elaboração, apresentação, execução e avaliação técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável – PMFS nas

florestas nativas exploradas ou não e suas formas de sucessão no Estado do

Pará. Diário Oficial da União <https://www.semas.pa.gov.br/2015/09/11/in-05-de-10092015-publicada-no-doe-32969-de-11092015-paginas-de-37-57/> (Acesso em 20/01/2020).

Calegário, N. 1993. Parâmetros florísticos e fitossociológicos da regeneração natural de espécies arbóreas nativas no sub-bosque de povoamentos de Eucalyptus, no município de Belo Oriente, MG. Masters Degree in Forest Science. Federal University of Viçosa. 114p.

Connell, J.H. 1971. On the role of natural enemies in preventining competitive exclusion in some marine animals and in rain forest trees. In: Dynamics of populations (P. den Boer and G. Gradwell eds.). Center for Agricultural Publishing and Documentation, 1: 298-313.

De Liocourt, F. 1898. De l’amenagement des sapinières. Besançon: Société forestière de Franche-Comté et Belfort, 1: 396-409.

Enriquez, G.E.V. 2008. Desafios da sustentabilidade na amazonia: biodiversidade, cadeias produtivas e comunidades extrativistas integradas. Doctoral Degree in Sustainable Development. University of Brasília. 460p.

Espada, A.L.V.; Pires, I.P.; Lentini, M.A.W. & Bittencourt, P.R.G. 2010. Manejo florestal e exploração de impacto reduzido em florestas naturais de produção na Amazônia. Piracicaba: IMAFLORA, 32p.

Euclides Filho, K. 2001. Interação genótipo-ambiente mercado na produção de carne bovina nos trópicos. In: Anais do I SIMCORTE: Simpósio sobre produção de gado de corte, UFV, 1: 93 -116

Forget, P.M. 1997. Ten-year seedling dynamics in Vouacapoua americana Aubl. in French Guyana: A hypothesis. Biotropica, 1(29): 124 – 126.

Gonzaga, A.L. 2006. Madeira: uso e conservação. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Natural, Brasília, 246p.

Henriques, L.M.P.; Wunderle Junior, J.M.; Oren, D.C. & Willig, M.R. 2008. Efeitos da Exploração Madeireira de Baixo Impacto sobre uma Comunidade de Aves de Sub-bosque na Floresta Nacional do Tapajós, Pará. Acta Amazônica, Manaus, 38(2): 267- 290.

IBGE (Instituto brasileiro de geografia e estatística). 2017. Conheça cidades e estados do Brasil. <https://cidades.ibge.gov.br/>. (Acesso em 01/02/2020).

IBGE (Instituto brasileiro de geografia e estatística). 2012. Manual Técnico da Vegetação Brasileira. <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/monografias/GEBIS%20-%20RJ/ManuaisdeGeociencias/Manual%20Tecnico%20da%20Vegetacao%20Brasileira%20n.1.pdf>. (Acesso em 01/02/2020).

IBGE (Instituto brasileiro de geografia e estatística. 2018. Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura. < https://www.ibge.gov.br/estatisticas/economicas/agricultura-e-pecuaria/9105-producao-da-extracao-vegetal-e-da-silvicultura.html>. (Acesso em 01/02/2020).

IBÁ (Indústria Brasileira de Árvores). 2018. Anuário Estatístico do IBA. <https://www.iba.org/dados-estatisticos>. (Acesso em 01/02/2020).

IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia). 2011. A Região da Transamazônica rumo à economia de baixo carbono: estratégias integradas para o desenvolvimento sustentável. Brasília: IPAM/FVPP, 90p.

Janzen, D.H. 1970. Herbivores and the number of tree species tropical forests. American Naturalist, 104: 501-528.

Lamprecht, H. 1964. Ensayo sobre la estrutura florística de la parte sur-oriental del Bosque Universitario “El Caiminital Estado Barinas”. Re. For. Venez., 7(11): 77-119.

Láu, H.D. 2006. Pecuária no Estado do Pará: índices, limitações e potencialidades. Embrapa Amazônia Oriental, 36p.

Lehn, C.R. & Resende, U.M. 2007. Estrutura populacional e padrão de distribuição espacial de Cyathea delgadii Sternb. (Cyatheaceae) em uma Floresta Estacional Semidecidual no Brasil Central. Biociências, 13(4): 188-195.

Lorenzi, H. 2009. Árvores Brasileiras. 3 ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 384p.

Loureiro, A.A; Silva, M.F.; Alencar, J.C. 1979. Essências

madeireiras da Amazônia. Manaus: INPA, 245p.

Machado, M.R. 2008. Plantios Florestais na Amazônia Central: biometria, ciclagem bioquímica e alterações edáficas. Master Degree in Forest Science. Federal University of Manaus. 54p.

Mattos, R.B. 2002. Características qualitativas e possibilidade de ganho de fuste em espécies euxilóforas nativas da Região Central do Rio Grande do Sul. Master Degree in Forest Science. Federal University of Santa Maria. 91p.

Meyer, W.H. 1933. Approach of abnormally stocked forest stands of Douglas fir to normal condition. Journal of Forestry, 31: 400–406.

Moutinho, V.H.P. 2008. Caracterização das Madeiras Conhecidas na Amazônia Brasileira como Matá-matá (Lecythidaceae fam. A. Rich.). Master Degree in Forest Science. Federal University of Lavras. 78p.

SEMA (Secretaria de Estado de Meio Ambiente). 2016. Extração e movimentação de toras de madeira nativa. <https://www.semas.pa.gov.br/servicos/sisflora/relatorios/>. (Acesso em 23/01/2020).

Payandeh, B. 1970. Comparison of method for assessing spatial distribuition of trees. Forest Science, 16: 312-317.

Porro, R.; Porro, N.S.M.; Watrin, O.S.; Assunção, H.N. & Santos Junior, C.F. 2018. Implicações sociais, econômicas e ambientais de uma iniciativa de manejo florestal comunitário em assentamento na Amazônia Oriental. Revista de Economia e Sociologia Rural, 1(1).

PPCDAM (Plano de Ação para prevenção e controle do desmatamento na

Amazônia Legal). 2016. < https://www.mma.gov.br/informma/item/616-prevenção-e-controle-do-desmatamento-na-amazônia>. (Acesso em 15/02/2020)

Rocha, L.T.C. 2014. Madeiras tropicais quanto à densidade e cor para uso em

pavimentação. In: Anais do 11º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design, Gramados.

Sales, A. 2018. Análise técnica e econômica do cultivo de paricá em sistema agrissilvicultural. Master Degree in Forest Science. Federal University of Viçosa. 67p.

Santos, E.S. 2011. Relação da estrutura diamétrica das espécies acapu (Vouacapoua americana Aublet) e Breu-branco (Protium pallidum Cuatrec) com diferentes alturas comerciais. In: Anais do Simpósio Latino-Americano sobre Manejo Florestal, Universidade Federal de Santa Maria, p. 826-836.

Santos, W.S.; Henriques, I.G.N.; Santos, W.S.; Ramos, G.G.; Vasconcelos, G.S. & Vasconcelos, A.D.M. 2017. Análise florística-fitossociológica e potencial madeireiro em área de caatinga submetida a manejo florestal. Agropecuária Científica no Semiárido, 13(3): 203-211.

Shimizu, J.Y. 2007. Estratégia complementar para conservação de espécies florestais nativas: resgate e conservação de ecótipos ameaçados. Pesquisa Florestal brasileira, 54: 07-35.

Silva, C.K. 2014. Potencial produtivo e de manejo de dois produtos florestais não-madeireiros no contexto Amazônico – o cipó titica (Heteropsis spp.) e o óleo de copaíba (Copaifera sp.). Doctoral Degree in Forest Science. University of São Paulo. 145p.

Silva, W.A.S, Carim, M.J.V.; Guimarães, J.R.S. & Tostes, L.C.L. 2014. Composição e diversidade florística em um trecho de floresta de terra firme no sudoeste do Estado do Amapá, Amazônia Oriental, Brasil. Pesquisa Florestal brasileira, 4(3): 31-36.

Sousa, L.V.F. 2017. Legislação, imposição e infração ambiental: uma análise de discursos e práticas em assentamento ambientalmente diferenciado em Anapu. Master Degree in Forest Science, Federal University of Pará. 190p.

Souza, L.A.G. 2000. Período de frutificação e viabilidade das sementes de acapu (Vouacapoua americana Aubl.) na região do médio rio Tocantins, Pará, Brasil. Boletim do Museu Emílio Goeldi, 1: 3-21.

Souza, L.A.; Aparício, P.S.; Aparício, W.C.S.; Sotta, E.D.; Guedes, M.C. & Oliveira, L.P.S. 2011. Estrutura populacional da espécie Vouacapoua americana Aubl. em floresta de terra firme no Estado do Amapá, Brasil. In: Anais do Simpósio Latino-Americano sobre Manejo Florestal, Universidade Federal de Santa Maria, p. 679-685.

SUDAM (Superintendênica do Desenvolvimento da Amazônia). 1979. Centro de Tecnologia Madeireira. Pesquisas e informações sobre espécies florestais da Amazônia, 110p.

Tilman, D. & Pacala, S. 1993. The maintenance of species richness in plant communities. University of Chicago Press, p.13-25.

Vieira, I.C.G.; Ferreira, L.V. & Homma, A.K.O. 2006. Programa de C&T para recuperação de áreas alteradas no arco de desmatamento da Amazônia. Relatório final: Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, 108p.

Downloads

Publicado

30/04/2021

Edição

Seção

Fluxo contínuo