Diagnóstico da Gestão do Uso Público no Parque Estadual do Guartelá, Paraná

Autores

  • Barbara Nogueira Universidade Federal do Paraná - UFPR
  • Maurício Savi Faculdade Bagozzi
  • Fernanda Moura Fonseca Lucas Universidade Federal do Paraná
  • Mariana Meira Micaloski Universidade Federal do Paraná
  • Pâmela Christina da Silva Pontifícia Universidade Católica do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.37002/biobrasil.v10i3.1640

Resumo

O uso público em unidades de conservação brasileiras é considerado um instrumento estratégico para a aprendizagem e incentivo da conservação da natureza, já que a abertura e a adequada gestão dessas áreas possibilitam sua aproximação com a sociedade. Porém, essas atividades possuem uma complexidade de fatores sociais e ambientais. O objetivo desta pesquisa foi realizar o diagnóstico da gestão do uso público do Parque Estadual do Guartelá, localizado em Tibagi/PR. O trabalho foi elaborado com base na adaptação dos princípios indicados no Roteiro Metodológico para Impactos da Visitação, produzido pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, e na sistematização de informações contidas em fichas de cadastro de visitantes. Observou-se que, no período de 2007 a 2016, a área recebeu um total de 175.338 pessoas, apresentando uma média de 17.533 por ano, sendo que 94,60% da demanda de visitantes concentra-se em apenas um atrativo. A caracterização da gestão da visitação da unidade mostrou uma ausência de monitoramento sistematizado decorrente da falta de dados básicos, como tipificação da experiência e satisfação do usuário, de modo a fragilizar as ações de manejo.

Biografia do Autor

Barbara Nogueira, Universidade Federal do Paraná - UFPR

Bióloga, especialista em Educação Ambiental, mestra em Consevação da Natureza pelo programa de Pós-graduação em Engenharia Florestal da UFPR. Atualmente, doutoranda na mesma insituição e programa.

Maurício Savi, Faculdade Bagozzi

Biólogo, mestre e doutor em engenharia florestal - Conservação da Natureza. Professor Universitário. Membro da IUCN - comissão de parques e reservas WCTA.

Fernanda Moura Fonseca Lucas, Universidade Federal do Paraná

Engenhera Florestal, mestranda em Engenharia Florestal - Conservação da Natureza.

Mariana Meira Micaloski, Universidade Federal do Paraná

Engenheira Florestal, mestra em Engenharia Florestal - Conservação da Natureza. Doutoranda no mesmo programa.

Pâmela Christina da Silva, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Bióloga, especialista em Conservação da Natureza e Educação Ambiental.

Referências

Aparecido LEO, Rolim GS, Richetti, J, Souza PS, Johann JA. Köppen, Thornthwaite and Camargo climate classifications for climatic zoning in the State of Paraná, Brazil. Rev. Ciência e Agrotecnologia, vol.40, n.4. 2016 http://dx.doi.org/10.1590/1413-70542016404003916

Barros, MIA. 2003. Caracterização da visitação, dos visitantes e avaliação dos

impactos ecológicos e recreativos do planalto do Parque Nacional do Itatiaia. Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais) – Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”. 121p.

Brasil. Constituição (1988). Constituição [da] República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

Brasil. Lei n. 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências, Brasília: 2000.

Brasil. Decreto Legislativo nº 2, de 1994. Aprova o texto sobre a Convenção sobre Diversidade Biológica, assinada durante a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, 1994.

Boni V, Quaresma SJ. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Em tese (revista eletrônica), v. 2, n. 1, p. 68 – 80, 2005.

Cleckner RM, Buck R. Anatomia de una via para transito de bicicletas. Apunte 4c. In: MOORE, Alan. Manual para la capacitación del personal de áreas protegidas. 2v, Módulo F: Mantenimiento, Tema 4: Mantenimiento de senderos, caminos y carreteras. Washington : National Park Service. 1993.

Instituto Ambiental do Paraná (IAP). Decreto Estadual nº 1.229 de 27 de março de 1992, dispõe sobre a criação do Parque Estadual do Guartelá. Paraná, 1992.

Instituto Ambiental do Paraná (IAP). Plano de manejo do Parque Estadual do Guartelá, 2002.

Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Número de visitantes nas unidades de conservação Paranaense, 2018.

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). 2006 Diretrizes para visitação em unidades de conservação. Brasília. 61p.

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). 2011. Roteiro metodológico para manejo de impactos da visitação – com enfoque na experiência do visitante e na proteção dos recursos naturais e culturais. 88p.

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Visitação em Parque Nacionais bate novo recorde em 2018, Revista Biodiversa ICMBio, Brasília, ed. 10, fev. 2019.

Lewis, Poblacion y parques en conflicto: un marco de analisis y accion. p.H1-14 In: MOORE, A. Manual para la capacitación del personal de áreas protegidas: Tema 7: Manejo de recursos naturales y el público. Washington: National Park Service. 1993.

Lobo AC, Simão LL. 2011. Manual de monitoramento e gestão dos impactos da visitação em unidades de conservação. São Paulo: Fundação Florestal; WWFBRASIL, 78p.

Ministério do Meio Ambiente (MMA). 2004 Diagnóstico da visitação nos parques nacionais e estaduais. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. 49p.

Medeiros R, Young CEF, Pavese HB, Araújo FFS. 2011. Contribuição das unidades de conservação brasileiras para a economia nacional: sumário executivo. Brasília: UNEP – WCMP. 44p.

Menezes PC. 2014. Sinalização de trilhas: guia prático. 77p.

Micaloski, MM. 2017 Uso público do Parque Estadual do Monge, Lapa – PR. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Conservação da Natureza, Universidade Federal do Paraná. 90p.

Milano, MS. 2004. Conceitos básicos e princípios gerais de planejamento, manejo e administração de áreas naturais protegidas. Curitiba: Fundação O Boticário de Proteção à Natureza. 74p.

Nelson, SP. 2012. Uso público em unidades de conservação. p. 215 – 237 In: WWF – Brasil; Instituto Ipê. Gestão de Unidades de Conservação: Compartilhando uma experiência de capacitação. Brasília: WWF – Brasil. 396p.

Nogueira, B. 2017. A gestão da visitação em seis unidades de conservação no estado do Paraná. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Conservação da Natureza, Universidade Federal do Paraná. 107p.

Paraná, Lei n° 19.913, de 30 de agosto de 2019. Autoriza o Poder Executivo a conceder a exploração de uso, total ou parcial, de áreas destinadas ao uso público nas Unidades de Conservação, no âmbito do Estado do Paraná, 2019.

<http://portal.assembleia.pr.leg.br/modules/mod_legislativo_arquivo/mod_legislativo_arquivo.php?leiCod=51887&tipo=L&tplei=0> (Acesso em 11/12/2019).

Schelhas, J. 1993. Diseño, Construccion y mantenimiento de senderos. Apunte 4d. In: MOORE, Alan. Manual para la capacitación del personal de áreas protegidas. 2v, Módulo F : Mantenimiento, Tema 4 : Mantenimiento de senderos, caminos y carreteras. Washington : National Park Service.

Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SEMA). Parques do paraná, 2019.<http://www.paranaprojetos.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=41> (Acesso em 11/12/2019).

Takahashi LY. 1998. Caracterização dos visitantes, suas preferências e percepções e avaliação dos impactos da visitação pública em duas unidades de conservação do estado do Paraná. Tese (Doutorado em Ciências Florestais) – Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná, 144p.

Takahashi LY. Uso público em unidades de conservação. Cadernos de Conservação, v. 30, n. 4, p. 570 – 580, 2004.

Veloso HP, Rangel Filho ALR, Lima JCA. 1991. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. IBGE - DERMA, Rio de Janeiro. 123p.

Zimmermann A. 2006. Visitação nos parques nacionais brasileiros: um estudo à luz das experiências do Equador e da Argentina. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) – Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília. 278p.

Downloads

Publicado

20/10/2020

Edição

Seção

Fluxo contínuo