A Conservação da Ararinha-azul, Cyanopsitta spixii (Wagler, 1832): Desafios e Conquistas

Autores

  • Camile Lugarini CEMAVE
  • Ugo Eichler Vercillo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade
  • Cromwell Purchase Association for the Conservation of Threatened Parrots
  • Ryan Watson
  • Natasha Schischakin

DOI:

https://doi.org/10.37002/biobrasil.v11i3.1746

Palavras-chave:

Ameaçada de extinção , extinta na natureza, manejo populacional

Resumo

A ararinha-azul (Cyanopsitta spixii) é o único representante do seu gênero e hoje é considerada provavelmente extinta na natureza. O manejo ex situ é prioridade na estratégia de conservação desde o início da década de 90, sendo um exemplo de parceria público-privada de sucesso. Em 2017, finalmente, a população cativa alcançou a estabilidade com 152 indivíduos, possibilitando planejar as ações de reintrodução. Além disso, duas unidades de conservação foram criadas para propiciar a recuperação da espécie no ambiente natural, e, em 2020, 52 ararinhas-azuis foram repatriadas para um Centro de Reprodução e Reintrodução no interior do Refúgio de Vida Silvestre da Ararinha Azul. Aproximadamente 20 ararinhas-azuis estão em adaptação para o início da reintrodução e restabelecimento da população na área de distribuição histórica. Estamos perto de devolver a espécie para o seu ambiente natural, de onde nunca deveria ter sido extirpada. 

Downloads

Publicado

19/10/2021

Edição

Seção

Fluxo contínuo