<b>Regime de queima das caçadas com uso do fogo realizadas pelos Xavante no Cerrado</b>

Autores

  • Mônica Martins Melo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade/ICMBio
  • Carlos Hiroo Saito Universidade de Brasília/UnB

DOI:

https://doi.org/10.37002/biobrasil.v%25vi%25i.110

Resumo

A literatura tem subestimado a questão das queimadas aplicadas aos ecossistemas silvestres com propósitos culturais. Apesar disso, há indicações de que o fogo foi largamente utilizado como ferramenta de manejo pelos povos indígenas em diversos tipos de ecossistemas. No Brasil, os indígenas utilizaram e ainda hoje usam o fogo como ferramenta de manejo. Objetivo deste artigo é investigar e caracterizar os aspectos que integram o regime de queima adotado nas caçadas com fogo realizadas pelos Xavante, e oferecer subsídios para o manejo sustentável do fogo no Cerrado. Na primeira etapa de campo, foram realizadas entrevistas estruturadas que tiveram como base um roteiro contendo questões que têm sido formuladas pelas pesquisas atuais em ecologia do fogo. Na segunda etapa, considerando os resultados da primeira fase e o entendimento das concepções ambientais dos pesquisados, foram realizadas entrevistas parcialmente estruturadas. As caçadas com fogo são realizadas no período da seca, entre os meses de junho e setembro. A periodicidade de queima e a mudança de localização vão depender do tipo de fitofisionomia. Os Xavante realizam uma queima prévia, que ocorre depois do período de chuva, como uma das formas de controle, assim como fazem o planejamento das áreas a serem queimadas. A definição do período de repouso das áreas após a queima depende de avaliação dos anciões. A atividade de caçada com uso do fogo apresenta resultados semelhantes ao padrão tradicional de queima indígena relatado pela literatura. Palavras-chave: caçada com fogo; Mato Grosso; ecologia do fogo; regime de queima; Xavante.

Downloads

Publicado

30/12/2011

Edição

Seção

Seção temática