<b>O fogo é sempre um vilão nos campos rupestres?</b>

Autores

  • Ruy José Válka Alves Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ, Museu Nacional
  • Nílber Gonçalves Silva Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ, Museu Nacional

DOI:

https://doi.org/10.37002/biobrasil.v%25vi%25i.111

Resumo

Os campos rupestres ocupam menos de 3% das áreas de Cerrado e Caatinga, mas abrigam uma proporção significativa das espécies vegetais vasculares presentes nestes biomas. Embora várias adaptações ao fogo já tenham sido descritas para savanas do Brasil, ainda há carência de estudos sistemáticos do efeito do fogo nos campos rupestres. Este artigo visa comentar os efeitos combinados do fogo, gado e capim gordura na vegetação de campo rupestre. Palavras-chave: biodiversidade; cerrado; savana; fogo natural.

Downloads

Publicado

30/12/2011

Edição

Seção

Seção temática