Incêndio na Estação Ecológica do Taim em 2013: Análise do Ambiente Atmosférico e Dispersão de Poluentes

Autores

  • Ana Lucia da Silva Nascimento Universidade Federal de Pelotas
  • Mateus da Silva Teixeira Universidade Federal de Pelotas
  • Marcelo Félix Alonso Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.37002/biobrasil.v11i4.1772

Palavras-chave:

Bioma pampa , Rio Grande do Sul, Unidade de conservação

Resumo

Incêndios em unidades de conservação são considerados uma grave ameaça para a manutenção dos seus processos ecológicos. O presente estudo busca descrever as condições atmosféricas que contribuíram para o início e a manutenção do maior incêndio, até o momento, ocorrido no ano de 2013 na Estação Ecológica do Taim, e quantificar as emissões resultantes. Utilizamos os dados de reanálise do European Centre for Medium- Range Weather Forecasts para avaliar as condições atmosféricas e o modelo Brazilian Biomass Burning Emission Model e do seu pré-processador de emissões PREP-CHEM-SRC para avaliar concentração e dispersão de poluentes emitidos nesse incêndio. Os resultados indicaram a existência de um ambiente atmosférico seco previamente estabelecido – influenciado por três episódios da Zona de Convergência do Atlântico Sul – e intensificado pela passagem de um Vórtice Ciclônico de Altos Níveis, que não provocou precipitação significativa, mas contribuiu para a presença de descargas elétricas e início do incêndio. A passagem de um segundo Vórtice Ciclônico de Altos Níveis favoreceu a precipitação que contribuiu para o controle e extinção do incêndio. A pluma de poluentes da queima de biomassa não gerou concentrações que representassem riscos à saúde. 

Referências

Alonso MF. 2011. Previsão do tempo químico para a América do Sul: Impacto relativo das emissões urbanas nas escalas local e regional. Tese (Doutorado em Meteorologia) – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE. 218p.

Andrear MO et al. Transport of biomass burning smoke to the upper troposphere by deep convection in the equatorial region, Geophysical Research Letters, 28: 951-954, 2001.

Brasil. 1986. Decreto n. 92.963, de 21 de jul. de 1986. Diário Oficial da União. <http://www.planalto.gov. br/ccivil_03/decreto/1980-1989/1985-1987/D92963. htm> Acesso em: 15/09/2019.

Brasil. 2017. Decreto (s/n), de 05 de jun. de 2017. Diário Oficial da União. <http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/_ato2015-2018/2017/dsn/Dsn14472.htm> Acesso em: 15/09/2019.

Boletim Climanálise. Disponível em: http://climanalise. cptec.inpe.br/~rclimanl/boletim/index0313.shtml. Acesso em: 20/09/2019.

Burger MI & Rams RA. Áreas importantes para conservação na Planície Costeira do Rio Grande do Sul. In.: Becker FG et al. (orgs.). Biodiversidade. Regiões da Lagoa do Casamento e dos Butiazais de Tapes, planície costeira do Rio Grande do Sul/Ministério do Meio Ambiente – Brasília: MMA/SBF, 2006.

Chen M, Shi W, Xie P, Silva VBS, Kousky VE, Higgins RW & Janowiak JE. Assessing objective techniques for gauge-based analyses of global daily precipitation. Journal of Geophysical Research, 113: 1-13, 2008. DOI: 10.1029/2007JD009132.

Clemente SS, Júnior JF & Louzada MA. Focos de Calor na Mata Atlântica do Estado do Rio de Janeiro, Revista Brasileira de Meteorologia, 32(4): 669-677, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-7786324014.

Cossetin F, Nunes AB & Teixeira MS. Análise do movimento vertical sob duas diferentes configurações de altos níveis da troposfera. Ciência e Natura, 38: 484-490, 2016.

Copernicus Climate Change Service (C3S). ERA5: Fifth generation of ECMWF atmospheric reanalyses of the global climate. Copernicus Climate Change Service Climate Data Store (CDS). Disponível em . Acesso em: 15/02/2019.

Corrêa SC. 2006. A influência dos sistemas climáticos sobre os incêndios florestais: estudo de caso: evento de incêndio ocorrido em setembro de 2005 no Jardim Botânico de Brasília. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade de Brasília, Brasília. 85p.

Duchiade MP. Poluição do ar e doenças respiratórias: Uma revisão. Cadernos de Saúde Pública, 3(8): 311- 330, 1992.

Freitas SR, Longe KM & Rodrigues LF. Modelagem numérica da composição química da atmosfera e seus impactos no tempo, clima e qualidade do ar. Revista Brasileira de Meteorologia, 24(2): 188-207, 2009.

Freitas SR et al. PREP-CHEM-SRC – 1.0: a preprocessor of trace gas and aerossol emission fields for regional and global atmospheric chemistry models, Geoscientific Model Development, 4(2): 419-433, 2011. DOI: 10.5194/gmd-4-419-2011.

Freitas SR et al. The Brazilian evelopments on the Regional Atmospheric Modeling System (BRAMS 5.2): an integrated environmental model tuned for tropical areas. Geoscientific Model Development, 10(1): 189- 222, 2017. DOI: 10.5194/gmd-10-189-2017.

Giglio L, Descloitres J, Justice CO & Kaufman Y. An enhanced contextual fire detection algorithm for MODIS. Remote Sens Environ, 87: 273-282, 2003.

Hyde JC, Yedinack M, Alant FT, Smith AMS, Bowman DMJS, Fay HJ, Lahm P, FITCH M & Tinkham WT. Air quality policy and fire management responses addressing smoke from wildland fires in the United States and Australia, International Journal of Wildland Fire, 26(5): 347-363, 2017. DOI: https:// doi.org/10.1071/WF16154.

ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade). <https://www.icmbio.gov.br/portal/ ultimas-noticias/4-destaques/4918-icmbio-intensifica-acoes-de-combate-a-incendios>. Acesso em: 22/01/2019.

ICMBio, Apostila para Formação de Brigadista de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais. Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, 2010.

INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Portal do Monitoramento de Queimadas e Incêndios. . Acesso em: 10/06/2020.

Koproski L, Ferreira MP, Goldammer JG & Batista AC. Modelo de zoneamento de risco de incêndios para unidades de conservação brasileiras: o caso do Parque Estadual do Cerrado (PR). Floresta, Curitiba, 41(3): 551-562, 2011.

Lapola DM, Silva JMC, Braga DR, Carpigiani L, Ogawa F, Torres RR, Barbosa LCF, Ometto JPHB & Joly CA. A climate-change vulnerability and adaptation assessment for Brazil’s protected areas. Conservation Biology, 34(2): 427-437, 2019. doi:10.1111/cobi.13405.

Leite FF, Ganho N, Gonçalves AB & Botelho F. Iberian atmospheric dynamics and large forest fires in mainland Portugal, Agricultural and Forest Meteorology, 247: 551-559, 2017. Doi: http://dx.doi.org/10.1016/j. agrformet.2017.08.033.

Macedo W & Sardinha A. 1993. Fogos Florestais. 1 ed. Lisboa: Publicações Ciência. 131p.

Marques MD, Rodrigues LR, Fragoso CR et al. 2013. Sistema Hidrológico do Taim, p. 200-224. In: Tabarelli M, Rocha CFD, Romanowski HP et al. (Eds.), PELD-CNPq Dez Anos do Programa de Pesquisas Ecológicas de Longa Duração no Brasil: Achados, Lições e Perspectivas. UFPE, Recife.

Medeiros MB & Fiedler NC. Incêndios florestais no Parque Nacional da Serra da Canastra: desafios para a conservação da biodiversidade. Ciência Florestal, 14(2): 157-168, 2004.

MMA (Ministério do Meio Ambiente). Disponível em: <https://app.powerbi.com/w?r=eyJrIjoiMDNmZTA5Y2ItNmFkMy00Njk2LWI4YjYtZDJlNzFkOGM5NWQ4IiwidCI6IjJiMjY2ZmE5LTNmOTMtNGJiMS05ODMwLTYzNDY3NTJmMDNlNCIsImMiOjF9>. Acesso em: 20/01/2019.

Natalie GSB, Cascais LB, Silva LHG & Miura AK. Detecção de áreas queimadas na Estação Ecológica do Taim (RS), causada pelos incêndios de 2008 e 2013. Anais XVII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto – SBSR, João Pessoa/PB, Brasil, 25 a 29 de abril de 2015, INPE.

Nascimento ALS, Teixeira MS, Alonso MF & Jacondino WD. Evaluation of Active Fire Occurrence in the ecological station region and Campos Neutrais, Rio Grande do Sul – Brazil. Anuário do Instituto de Geociências, 43(4): 460-469, 2020. DOI: http://dx.doi. org/10.11137/2020_4_460_469.

Oliveira V et al. 2016. A preprocessor of trace gas and aerosol emission fields for regional and global atmospheric chemistry models, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, Cachoeira Paulista, 17p.

OMS (World Health Organization) – Ambient air pollution: Pollutants. Disponível em: . Acesso em: 26/01/2019.

Pereira G. 2013. Estimativa e assimilação das emissões de gases traços e aerossóis de queimadas em modelos de química atmosférica. Tese (Doutorado em Sensoriamento Remoto) – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, São José dos Campos. 125p.

Pereira JS, Pereira JMC, Rego FC, Silva JMN & Silva TP. 2005. Incêndios Florestais em Portugal: caracterização, impactes e prevenção: Instituto Superior de Agronomia, Lisboa, Portugal. 516p.

Prins E, Feltz J, Menzel W & Ward D. An overview of GOES-8 diurnal fire and smoke results for SCAR-B and 1995 fire season in South America, J. Geophys. Res, v. 103(D24): 31821-31835, 1998.

Pyne SJ, Andrewa PL & Laven RD. 1996. Introduction to wildland fire: Nova Iorque, Wiley. 808p.

Quadro MFL, Dias MA, Faus S, Herdies DL & Gonçalves LGG. Análise climatológica da precipitação e do transporte de umidade na região da ZCAS através da nova geração de reanálises. Revista Brasileira de Meteorologia, 27(2): 152-162, 2012. Doi https://doi. org/10.1590/S0102-77862012000200004.

Rodrigues JA, Libonati R, Peres FL & Setzer A. Burned Area Mapping on Conservation Units of Mountains Region of Rio de Janeiro Using Landsat-8 Data During the 2014 Drought. Anuário do Instituto de Geociências – UFRJ, 41(1): 318-327, 2018. DOI: http://dx.doi. org/10.11137/2018_1_318_327.

Setzer A & Pereira M. Amazonia biomass burnings in 1987 and an estimate of their tropospheric emissions. Ambio, 20: 19-22, 1991.

Tassi R. 2008. Gerenciamento Hidroambiental de Terras Úmidas. Tese (Doutorado em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental) – Instituto de Pesquisas Hidráulicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 240p.

Torres FTP, Lima GS, Costa AG, Félix GA & Júnior MRS. 2016. Perfil dos incêndios florestais em unidades de conservação brasileiras no período de 2008 a 2012, Floresta, Curitiba, 46(4): 531-542. DOI: 10.5380/ rf.v46i3.44199.

Venevsky S et al. Analysis fire patterns and drivers with a global SEVER-FIRE v1.0 model incorporated into dynamic global vegetation model and satellite and on-ground observations. Geoscientific Model Development, 12(1): 89-110, 2019.

Viegas DX, Marques JS, Serralheiro A & Lopes AG. Um sistema de monitorização e previsão do comportamento de um incêndio florestal. Revista Florestal, 10(1): 39-41, 1998.

Westerling AL, Gershunov A, Brownn BL, Cavan DR & Dettinger MD. Climate and wildfire in the western United States. American Meteorological Society, 84: 595-604, 2004.

Whelan R. The ecology of fire: Cambridge University Press. Cambridge, 1995. 349p.

Wollman CA, Simioni JPD & Iensse AC. Atlas Climático do Taim: contribuição ao estudo do clima em unidades de conservação. Boletim Geográfico do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 27: 30-50, 2016.

Yan H, Eliot CM & Hanna J. Loss of 19 firefighters in Arizona blaze unbearable,’ governor says. CNN, USA, 2 de jul, 2013. International Ediction. Disponível em: <https://edition.cnn.com/2013/07/01/us/arizona-firefighter-deaths/index.html>. Acesso em: 15/01/2019.

Downloads

Publicado

10/11/2021

Edição

Seção

Análise de Componentes do Sistema Climático e a Biodiversidade no Brasil