Caracterização da Piscicultura em Tanque-rede na Comunidade de Anã – Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns, Santarém, Pará

Autores

  • Liliane de Araújo Castro
  • Michelle Midori Sena Fugimura
  • Luciano Jensen Vaz Universidade Federal do Oeste do Pará-UFOPA

DOI:

https://doi.org/10.37002/biobrasil.v12i5.1817

Palavras-chave:

Piscicultura, produção familiar, peixe

Resumo

O Brasil é considerado um dos países de maior potencial para aquicultura, principalmente pelo clima tropical favorável e boa disponibilidade hídrica, com áreas favoráveis à construção de viveiros, açudes e instalação de tanques-rede. O objetivo deste trabalho foi caracterizar a piscicultura realizada na comunidade de Anã – Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns, identificando pontos positivos e negativos dessa produção. Foram realizadas entrevistas auxiliadas por formulários semiestruturados. A pesquisa revelou que a piscicultura é atividade secundária na obtenção de renda para todos os 14 entrevistados, cujas idades variaram entre 25 e 65 anos, sendo que 64% deles possuem o ensino médio completo e a maioria é do sexo feminino. A atividade gera alimentação, renda e auxilia no turismo comunitário. A principal dificuldade apresentada é o alto custo da ração e, para resolver esse problema, a fabricação da própria ração seria a única alternativa, possibilitando a expansão da atividade. Além do alto custo da ração comercial, foram identificadas também dificuldades relacionadas ao manejo dos animais e da qualidade de água, para as quais devem-se buscar soluções. 

Downloads

Publicado

01/11/2022

Edição

Seção

Manejo Comunitário de Recursos Naturais em Unidades de Conservação