Produção Sustentável do Óleo Essencial de Priprioca (Cyperus articulatus var. nodosus L.) na Amazônia

Autores

  • Michelly Rios Arévalo Ufopa
  • Inês Ribeiro Machado
  • Amanda Sousa
  • Kelly Cristina Ferreira
  • Marcos Ximenes Ponte
  • Lauro Euclides Soares Barata
  • Adilson Sartoratto

DOI:

https://doi.org/10.37002/biobrasil.v11i3.1809

Palavras-chave:

Cultivo , custos de produção , óleo essencial , análise cromatográfica

Resumo

Cyperus articulatus (Cyperaceae) é uma planta cujo tubérculo é utilizado na Amazônia para banhos de cheiro e perfumes caseiros. O óleo essencial (OE) da planta é empregado na perfumaria fina. A região do oeste do estado do Pará tem clima, terra e meios apropriados para o cultivo. Assim, o objetivo do trabalho foi a produção sustentável de  C. articulatus em comunidades locais, estabelecendo as bases de experimentos agronômicos para obtenção de parâmetros mínimos de um cultivo comercial. Foram instalados os experimentos Tabocal I e II (área de produtores) e Belterra (área da EMBRAPA). Optou-se por utilizar áreas agrícolas degradadas e analisar os fatores edafoclimáticos da região, obtendo-se coeficientes técnicos de produção aos 9 e 12 meses de cultivo. Aos 12 meses de cultivo, as melhores produções de tubérculos frescos de priprioca foram obtidas em Belterra 7,66t ha-Å, Tabocal I 11,20t ha-Å e Tabocal II 22,09t ha-Å. Os custos de produção por hectare foram estabelecidos para Belterra em R$ 12.410,00, Tabocal I em R$ 15.740,00 e Tabocal II em R$ 12.460,00. O lucro da produção de tubérculos para Belterra foi de R$ 1.910,00, Tabocal I com R$ 6.660,00 e Tabocal II com R$ 31.734,00. Foram estabelecidos parâmetros da extração e análise cromatográfica do óleo essencial dos tubérculosde priprioca em escala laboratorial, piloto e industrial. O rendimento médio no extrator piloto foi de 0,35%, Clevenger igual a 0,56%, e o industrial em 0,45%. A análise do OE por Cromatografia de Gás acoplada à espectrometria de Massas (GC-MS) é discutida com base nas características dos experimentos. O perfil químico mostra terpenos característicos da espécie, como a mustacona, com variações de concentrações sujeitas aos fatores edafoclimáticos. A comercialização do OE praticada a US$ 500/kg mostra-se como uma nova alternativa econômica para a região.

Downloads

Publicado

16/09/2021

Edição

Seção

Fluxo contínuo