Uso Público em Áreas Protegidas Estaduais em Santa Catarina, Brasil: o Olhar dos Gestores e Contribuições para o Manejo

Autores

  • Michel Tadeu R. N. de Omena Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade & Universidade Federal de Santa Catarina
  • Vanessa Mathias Bernardo Instituto de Meio Ambiente - Santa Catarina
  • Natalia Hanazaki Universidade Federal de Santa Catarina https://orcid.org/0000-0002-7876-6044

DOI:

https://doi.org/10.37002/biodiversidadebrasileira.v12i3.1890

Palavras-chave:

Visitação , parques estaduais, reservas biológicas, turismo

Resumo

 Gestores de áreas protegidas devem preocupar-se com as várias atividades ligadas ao uso público: visitação, pesquisas científicas e provisão de serviços ecossistêmicos. Porém, tais gestores seriam capazes de perceber as relações entre uso público e conservação? E qual é o nível de conhecimento que esses gestores têm sobre o assunto? Considerando essas questões, este estudo objetiva analisar a percepção dos gestores e gestoras das unidades de conservação (UCs) de proteção integral geridas pelo governo do estado de Santa Catarina, Brasil, quanto à relação entre o uso público e a conservação dessas áreas. Para tanto, utilizamos formulários online para descobrir a opinião de dez gestores de áreas protegidas estaduais (representando 100% das áreas protegidas de proteção integral administradas em nível estadual). Todos os participantes concordaram que os diferentes tipos de uso público têm grande importância para a conservação dessas áreas e entendem o que cada tipo de uso público significa e sua importância para parques e reservas; mas, também concordam ser necessária uma maior publicidade sobre o assunto. Isso é fundamental para ajudá-los a decidir sobre as melhores alternativas para o manejo, por exemplo: aumentar a visitação ou cobrar por serviços ecossistêmicos prestados. Por fim, formulários online podem ser utilizados em outras pesquisas sobre áreas protegidas, em complementaridade com outras ferramentas de diagnóstico já existentes. 

 

Biografia do Autor

Michel Tadeu R. N. de Omena, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade & Universidade Federal de Santa Catarina

Analista Ambiental do ICMBio, possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Católica de Santos (1990) e Tecnologia da Informação pela Universidade do Estado de São Paulo (UNESP - 1997), e Mestrado em Engenharia Florestal pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC - 2014). Doutorando do programa de Ecologia da UFSC. Tem experiência na área de Ecologia, com ênfase em Gestão de Áreas Protegidas.

Referências

Bernard HR. 2006. Research methods in anthropology: qualitative and quantitative aproaches. 4. ed. Altamira Press. 821p.

Brasil. 1999. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Diário Oficial da União. <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9795.htm>. Acesso em: 01/08/2019.

Brasil. 2000. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Diário Oficial da União. <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9985.htm>. Acesso em: 31/10/2019.

Brasil. 2010. Ministério do Meio Ambiente. Edição especial para a COP-10 Outubro de 2010. Ministério do Meio Ambiente. 295p.

Brasil. 2014. Ministério do Turismo. Ações de gestão do conhecimento para o aprimoramento da política nacional de turismo. Ministério do Turismo. 45 p.

Camargo B, Justo A. IRAMUTEQ: Um software gratuito para análise de dados textuais. Temas em Psicologia, 21(2): 513-518, 2013.

Castro EV, Souza TVSB, Thapa B. Determinants of tourism attractiveness in the national parks of Brazil. Parks, 21(2): 51-62, 2015.

Chung M, Dietz T, Liu, J. Global relationships between biodiversity and nature-based tourism in protected areas. Ecosystem Services, 34: 11-23, 2018.

Cobbinah PB. Contextualising the meaning of ecotourism. Tourism Management Perspectives, 16: 179-189, 2015.

Correia RA, Jepson P, Malhado ACM, Ladlea RJ. Culturomic assessment of Brazilian protected areas: Exploring a novel index of protected area visibility. Ecological Indicators, 85: 165-171, 2018.

Cumming G, et al. Understanding protected area resilience: a multi-scale, social-ecological approach. Ecological applications, 25(2): 299-319, 2015.

Cunha A de A, Magro-Lindenkamp TC, McCool SF. 2018. Tourism and protected areas in Brazil: challenges and perspectives. Nova Science Publishers. 330p.

Diaz S, et al. Assessing nature’s contributions to people. Science, 359(6373): 270-272, 2018.

Dudley N, Stolton S. (ed.). 2008. Defining protected areas: an international conference in Almeria, Spain, Gland. IUCN, 220 p.

Fundação Florestal. Dados das Unidades de Conservação do Estado de São Paulo. 2019. <http://fflorestal.sp.gov.br/pagina-inicial/planos-de-manejo/planos-de-manejo-planos-concluidos/>. Acesso em: 10/08/2019.

Gray, CL, et al. Local biodiversity is higher inside than outside. Nature Commmunications, 7(12306): 1-7, 2016.

Haines-Young R, Potschin M. 2017. Common International Classification of Ecosystem Services (CICES) V5.1 and Guidance on the Application of the Revised Structure. Fabis Consulting. 53 p.

Hayes T. Parks, People, and Forest Protection: An Institutional Assessment of the Effectiveness of Protected Areas. World Development, 34(12): 2064-2075, 2006.

Hoffmann, M, et al. The Impact of Conservation on the Status of the World’s Vertebrates. Science, 330(6010): 1503-1509, 2010.

ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade). Painel Dinâmico. 2021. <http://qv.icmbio.gov.br/QvAJAXZfc/opendoc2.htm?document=painel_corporativo_6476.qvw&host=Local&anonymous=true> Acesso em: 01/02/2021.

IMA (Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina). Unidades de Conservação de Santa Catarina. 2019. <http://ima.sc.gov.br/index.php/ecosistemas/unidades-de-conservacao>. Acesso em: 03/03/2020.

IUCN (International Union for Conservation of Nature), WWF-BRASIL (World Wildlife Fund), IPE (Instituto de Pesquisas Ecológicas). 2011. Biodiversidade Brasileira: análise de situação e oportunidades, documento-base. IUCN; WWF-BRASIL; IPÊ. 72p.

Le Saout S, et al. Protected areas and effective biodiversity conservation. Science, 342(6160): 803-805, 2013.

Leung Y, Spenceley A, Hvenegaard G, Buckley R. 2018. Tourism and visitor management in protected areas: Guidelines for sustainability. Best Practice Protected Area Guidelines Series Nº. 27. IUCN, Gland, Switzerland. 136 p.

Machlis G, McNutt M. Parks for science. Science, 348(6241): 1291, 2015.

Maes M. 2018. Gestão das unidades de conservação de Santa Catarina: como torná-la mais efetiva? Dissertação (Mestrado em Ecologia). Universidade Federal de Santa Catarina, 150p.

Magro TC, Watson, A, Bernasconi, P. Identifying Threats, Values, and Attributes in Brazilian Wilderness Areas. USDA Forest Service Proceedings RMRS-P-49, ?: 319-322, 2007.

Pascual U., et al. Valuing nature's contributions to people: the IPBES approach. Current Opinion in Environmental Sustainability, 26/27: 7-16, 2017.

Peres J. From park to APA: An analysis of the recategorization process of part of the State Park of Serra do Tabuleiro-SC. Tempo e Argumento, 11(26): 114-134, 2019.

Pires PS dos 2019 Dimensões do Ecoturismo. Ed. Senac São Paulo, 2ª Edição, 243p.

Rezende G. 2018. Gestão de Unidades de Conservação Ambiental: Perspectivas pragmáticas e organizacionais. Tese (Doutorado em Administração). Universidade Federal de Santa Catarina. 271p.

Santos V, Salvador P, Gomes A, Rodrigues C, Tavares F. 2017. IRAMUTEQ nas pesquisas qualitativas brasileiras da área da saúde: scoping review. p. 392-401. In: Anais do XI Congresso Ibero-Americano em Investigação Qualitativa.

Simão I, Freitas MJCC. Economic impacts of tourism in protected areas of Brazil Economic impacts of tourism in protected areas of Brazil. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 45: 231-257, 2018.

Souza TVSB, Thapa B, Rodrigues CGO, Imori D. Economic impacts of tourism in protected areas of Brazil. Journal of Sustainable Tourism, 27(6): 735-749, 2019.

Sumanapala D, Wolf ID. Recreational Ecology: A review of research and gap analysis. Environments, 7(81): 1-15, 2019.

Surjanti J, Soejoto A, Seno DN. Mangrove forest ecotourism: Participatory ecological learning and sustainability of students’ behavior through self-efficacy and self-concept. Social Sciences & Humanities Open, 2(1): 100009, 2020.

Takahashi L. 1998. Caracterização dos visitantes, suas preferências e percepções e avaliação dos impactos da visitação pública em duas Unidades de Conservação do Paraná. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal). Universidade Federal do Paraná. 171p.

Tarrant MA, Bright AD, Smith E, Cordell HK. 1999. Motivations, Attitudes, Preferences and Satisfactions among Outdoor Recreacionists, p. 412-431. In: Tarrant MA, Bright AD, Smith E, Cordell HK. Outdoor Recreation in American Life. US Service Forest.

Vieira S. 2009. Como elaborar questionários. Editora Atlas. 159 p.

Watson JEM, et al. Bolder science needed now for protected areas. Conservation Biology, 30(2): 243-248, 2016.

Downloads

Publicado

31/03/2022

Edição

Seção

Gestão do Uso Público: Turismo e Lazer em Áreas Protegidas